segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Ucraniana Antonov prevê construir 70 aeronaves em cinco anos

Antonov AN-178
A gigante estatal ucraniana Antonov, fabricante de famosos cargueiros da era soviética, planeja fabricar pelo menos 70 aeronaves nos próximos cinco anos, informou a Ukroboronprom, estatal responsável pelas exportações ucraniana no domingo (13).

"Um plano de marketing detalhado foi desenvolvido para Antonov. O plano baseia-se em avaliações de especialistas e previsões de especialistas independentes e empresas líderes. Ele leva em consideração mercados promissores e potenciais para cada produto nesses mercados. Considerando os acordos existentes com parceiros", afirmou a empresa em comunicado á imprensa.

Neste período, a Antonov planeja vender 20 aeronaves AN-178 para seus clientes nos países da Comunidade de Estados Independentes (CEI), nos países asiáticos e africanos e para Turquia. A Antonov busca recuperar a posição no mercado regional de aeronaves comerciais.

Antes de 2015, a Rússia era o principal parceiro da Ucrânia na indústria aeronáutica. Os componentes fabricados na Rússia era amplamente utilizados para construir as aeronaves ucranianas. Em 2015, a Antonov fabricou apenas duas aeronaves, um AN-148 e um AN-158, que possuiam componentes feitos na Rússia.

Em 2016, a empresa não pode realizar a fabricação de uma unica aeronave, pois todos os acordos de cooperação com a Rússia foram cancelados. A Antonov foi obrigada a se retirar da joint venture russo-ucraniana UAC-Antovov que estava desenvolvendo uma série de novos aviões.

Antonov AN-132D a primeira sem componentes russos
Antonov é o principal desenvolvedor e fabricante de aeronaves da Ucrânia. É especializada no desenvolvimento, produção e manutenção de aeronaves de transporte de cargas, passageiros e funções especiais, incluindo os An-32, An-148, An-158, An-74, An-124, An-70, An-225 e o Futuro An-178.

Em março de 2017, o An-132D, uma versão modernizada do An-32, fez seu primeiro voo. A aeronave que é considerada a primeira Antonov fabricada sem componentes feitos na Rússia.



GBN News - A informação começa aqui
com agências

0 comentários:

Postar um comentário