sábado, 12 de agosto de 2017

‘EUA conhecem bem Kim Jong-Un, imprevisível é Trump’, diz ex-CIA e especialista em Coreia do Norte

Um mês depois de representar os Estados Unidos em uma rodada de negociações por paz com a Coreia do Norte, a ex-especialista do Conselho Nacional de Segurança americano, Sue Mi Terry, diz que voltou para casa pessimista.
"Eles disseram que estão bem perto de completar seu programa nuclear e deixaram claro que este avanço não será alterado jamais, seja qual for a contrapartida", conta a especialista, que trabalhou por 12 anos na inteligência americana sobre Coreia do Norte, com cargos nos governos de George W. Bush (Republicano, como Trump) e Barack Obama (Democrata).
Hoje professora da universidade de Columbia, em Nova York, Terry afirma que os EUA conhecem bem o comportamento e os objetivos do líder norte-coreano Kim Jong-un, a quem classifica como "inteligente, prático e calculista", em resposta aos que o descrevem como "imprevisível" ou "louco".
Em contrapartida, usa o termo "imprevisível" para classificar o presidente de seu próprio país, Donald Trump, que na última semana prometeu reagir às provocações norte-coreanas como "fogo e fúria".
O palavreado adotado contra um país com armas nucleares apontadas para o Japão e a Coreia do Sul, onde vivem centenas de milhares de norte-americanos, gerou preocupações dentro do próprio governo e alertas por todo o mundo. Em conversa telefônica, o presidente chinês, Xi Jinping, pediu a Trump que evite "palavras e ações" que aprofundem as tensões na península coreana.
Para Terry, "a posição dos EUA é muito difícil" e a única opção do país, além de sanções econômicas, "é conviver com o desenvolvimento nuclear norte-coreano, enquanto buscamos medidas de dissuadir ou acalmar o país."
A analista, entretanto, avalia que a crise entre os dois países deve se manter no campo das palavras e diz que esta geração não deverá assistir a novo um guerra nuclear entre potências mundiais.

Leia os principais trechos da entrevista:
BBC Brasil - Muitos descrevem Kim Jong-un como louco, imprevisível, incontrolável. Isso coincide com as suas conclusões após tantos anos acompanhando a Coreia do Norte?
Sue Mi Terry - Ele pode ser até excêntrico, mas é tudo menos louco. Ele na verdade é bastante racional, a partir da perspectiva norte-coreana. Inteligente, prático e calculista são descrições melhores.
Ter um programa nuclear faz sentido para eles. Ele sempre se refere à situação de Muamar Khadafi, na Libia, ou a de Saddam Hussein, no Iraque, que não tinham poderio nuclear, e alega que ter esse tipo de armamento é a única maneira de sobreviver contra o que ele considera um ambiente externo hostil. E faz sentido, da perspectiva norte-coreana.
BBC Brasil - A senhora representou os Estados Unidos recentemente em uma missão para discutir um acordo como a Coreia do Norte. Como foi?
Terry - Sim, houve uma série de conversas informais em junho. Nós, do lado americano, voltamos muito, muito pessimistas depois de ouvir o que os norte-coreanos tinham a dizer. Basicamente, eles disseram que suas armas nucleares não estão mais na mesa para negociação, afirmaram que estão bem perto de completar seu programa nuclear, e deixaram claro que este avanço não será alterado jamais, seja qual for a contrapartida.
A única possibilidade que foi aberta para diálogo é um eventual tratado de paz para terminar a Guerra da Coreia [que oficialmente se mantém mesmo após o armistício, em 1953]. E eu acredito neles. Não há porque não acreditar, quando eles insistem que não há negociação sobre o programa nuclear. Isso está fora de discussão e foi reiterado várias vezes.
BBC Brasil - Quem convocou esta reunião? Quem estava lá?
Terry - Os suecos. Um dos pontos das conversas foi não divulgar nomes ou cargos de quem estavam presentes. Todos os lados estavam representados [China, Japão, EUA, Coreia do Norte e Coreia do Sul], com exceção da Rússia.
BBC Brasil - Depois de ouvi-los, dá para saber o que exatamente Kim Jong-un quer? Se ele não abre mão do programa nuclear, o que ele espera dos EUA e seus aliados para recuar nas ameaças?
Terry - Ele quer ter liberdade para completar seu programa nuclear, com capacidade total de atacar o território dos EUA, porque ele entende que este é um recurso final que a Coreia do Norte precisa ter à mão em contraposição à agressividade militar norte-americana.
Ele quer chegar a esse estágio, para depois negociar um eventual acordo de paz com os EUA. Ele quer usar a possibilidade de ataques nucleares como maneira de pressionar os EUA, e o primeiro objetivo é tirar as Forças Armadas americanas da península coreana.
BBC Brasil - E os EUA estariam dispostos a conceder?
Terry - Acho que o país não está disposto, mas quais são as nossas opções? A única opção, além da pressão por meio das sanções que estamos aplicando, é conviver com o desenvolvimento nuclear norte-coreano, enquanto buscamos medidas de dissuadir ou acalmar o país. Outra seria partirmos para uma operação militar concreta, porque decidimos que não queremos conviver com uma Coreia do Norte com armas nucleares. Mas ambas são bastante ruins para os EUA.
BBC Brasil - Isso deixa os Estados Unidos nas mãos de Kim Jong-un?
Terry - Ele está prosseguindo com seu programa nuclear por uma questão de sobrevivência. A única forma de ele mudar sua perspectiva agressiva é quando ele tiver a certeza de que, pelo fato de ter armas nucleares, é visto como uma ameaça real e se torna menos alvo de ameaças. Mas agora ele não sente este tipo de respeito.
BBC Brasil - E Trump baixará o tom?
Terry - A posição dos EUA é muito difícil. Eu não acho que ele vá encontrar Kim Jong-un para conversar sobre um acordo de paz. O que prevejo é que nós teremos este impasse, sem encontros e conversas, sem usar necessariamente a opção militar, mesmo que as ameaças militares continuem no plano da retórica.
BBC Brasil - Trump disse que a Coreia do Norte enfrentará "fogo e fúria" se continuar a ameaçar os EUA. Que consequências esse tipo de ameaça vindo do presidente pode trazer ao país?
Terry - Isso aumenta a chance de erros de cálculo, porque pode levar a Coreia do Norte a concluir que um ataque está prestes a acontecer - e ele não está prestes a acontecer. Pode aumentar o clima de paranoia, alimentando a ideia de que um ataque real virá, e estimular Kim Jong-un a sair do território das palavras.
BBC Brasil - Por que "não está prestes a acontecer"?
Terry - Não, não está. As palavras de Trump não foram coordenadas e não refletem a política de sua equipe de governo dos Estados Unidos. Ele disse isso de forma impulsiva, provavelmente porque estava irritado. A forma como ele se expressa não ajuda.
BBC Brasil - Alguns dizem que Trump é um adepto da chamada "teoria do louco" (madman theory, em inglês), adotada pelos governos Nixon e Reagan, que externavam agressividade e beligerância para acanhar inimigos. É o caso?
Terry - Não acho que Trump tenha pensado cuidadosamente sobre adotar a teoria do louco (risos). Acho que foi apenas um reflexo natural do seu temperamento e personalidade.
BBC Brasil - Quais serão as próximas etapas da crise?
Terry - A Coreia do Norte deve continuar com suas provocações, e isso significa um novo teste de míssil balístico intercontinental em breve e possíveis novos testes nucleares. Os EUA, por sua vez, vão continuar promovendo sanções, incluindo sanções secundárias contra negócios entre empresas chinesas com a Coreia do Norte. Isso no curto prazo. No longo prazo, acho que os EUA devem evoluir em sua política de contenção e dissuasão, da mesma forma que fizemos com os poderes nucleares de Paquistão, Rússia e China.
BBC Brasil - Vê a crise evoluindo para uma guerra concreta?
Terry - O risco ainda é pequeno. A guerra neste momento não é provável.
BBC Brasil - Uma possível guerra, nuclear ou não, é tema de reportagens nos jornais e TVs americanos quase todos os dias. Há exagero ou a preocupação faz sentido?
Terry - Acho que a imprensa está destacando muito o tema, mas também acho que a razão para isso é porque Trump atua de forma imprevisível. Nós conhecemos bem Kim Jong-un, sabemos o que ele quer e quais são suas táticas. Mas temos nos EUA um presidente mais imprevisível do que qualquer um de seus antecessores e isso contribui com a histeria, porque ele usa a linguagem com muita espontaneidade, sem coordenar seu discurso com o resto do governo.
Não acredito que Trump necessariamente vá fazer o que diz e levar a cabo uma operação militar. Abaixo do presidente há conselheiros experientes e essas pessoas são racionais, entendem os riscos de um conflito militar, particularmente na península coreana. A Coreia do Norte não é o Afeganistão, não é a Síria, eles vão reagir e haverá mortes de civis em massa. Não apenas vidas sul-coreanas ou japonesas estão em jogo, mas de muitos americanos que vivem nos dois países. Temos mais de 50 mil cidadãos no Japão e 28.500 na Coreia do Sul, fora centenas de milhares de expatriados vivendo ali. Os assistentes de Trump sabem disso.
BBC Brasil - Um eventual ataque, vindo de qualquer um dos dois lados, poderia gerar essas milhões de mortes?
Terry - Sim. Esqueça que a Coreia do Norte tem poder nuclear capaz de atingir Japão e Coreia do Sul: a artilharia convencional deles é poderosa. Há mais de 10 mil peças de artilharia convencional, que podem atingir Seul em segundos. Há milhões de pessoas vivendo em Seul. Mesmo que nós atacássemos a Coreia do Norte antes, eles definitivamente retaliariam nessa região, causando um número imenso de mortes. Se uma guerra maior explodir na península coreana, não há dúvidas de que Estados Unidos e Coreia do Sul vencerão. Mas as mortes de civis serão extremamente significativas.
BBC Brasil - Em caso de guerra, quanto tempo levaria para EUA e Coreia do Sul controlarem definitivamente a situação?
Terry - Eu diria que seria uma questão de algumas semanas até a guerra acabar. Mas, de novo, os impactos seriam tremendos. Eles têm armas nucleares, um exército de 2 milhões de pessoas e milhares de armas, incluindo submarinos.
BBC Brasil - Como enxerga a China e a Rússia nesse quebra-cabeças? O que os EUA podem esperar deles?
Terry - Acho que Trump aprendeu muito rápido que a China não trará muita ajuda para resolver a crise norte-coreana. Mesmo que China e Rússia tenham assinado esta última resolução do Conselho de Segurança da ONU, eu e muitos outros estamos céticos sobre a China reforçar essas sanções. É por isso que já se fala em uma nova rodada de sanções contra entidades de terceiros, e quando falamos entidades de terceiros estamos falando sobre entidades chinesas.
BBC Brasil - Em uma eventual guerra, você acha que a China poderia se alinhar à Coreia do Norte contra os Estados Unidos?
Terry - Depende de como o conflito estourar e quem começá-lo. Se um ataque partir da Coreia do Norte, acho que será difícil para a China decidir se alinhar com eles, só porque os dois países têm relações. Isso iria contra os interesses chineses. O cenário inverso depende de muitos fatores e é difícil prever.
BBC Brasil - E a Rússia?
Terry - O mesmo, depende de como começar. Mas não acho que nem Rússia, nem China inicialmente se engajariam numa guerra contra os EUA em nome da relação que têm com a Coreia do Norte.
BBC Brasil - As sanções impostas contra a Coreia do Norte e as que poderão vir serão efetivas?
Terry - Elas não são, nem serão suficientes, não são uma solução. Mas como está claro que temos opções muito limitadas contra eles, são a única opção disponível neste momento. Mas elas não são um remédio, não vão resolver a situação. Ainda assim têm mérito, são um gesto prático.
BBC Brasil - A senhora trabalhou nos governos de Bush e Obama desenhando estratégias para lidar com a Coreia do Norte. Em algum momento se chegou perto de um acordo de paz, ou que reduzisse ou controlasse o avanço nuclear da Coreia do Norte?
Terry - Sim, houve mais de um momento assim durante os anos Kim Jong-il. É por isso que houve múltiplas tentativas de negociações, bilaterais e multilaterais. Mas não acho que esta seja uma possibilidade neste momento, sob a liderança do sucessor.
BBC Brasil - Por que a posição norte-coreana se tornou mais radical ou definitiva?
Terry - Kim Jong-un é um líder diferente de Kim Jong-il, seu pai. A chance de negociação é diferente quando se está no começo ou quando se está em um estágio mais avançado, como é o caso agora. Hoje, eles já têm poder nuclear, já têm armas nucleares que podem atingir Japão e Coreia do Sul, já têm mísseis capazes de atingir a costa oeste dos EUA. Eles estão muito próximos de atingir seu objetivo e não faria mais sentido parar a essa altura do campeonato.
BBC Brasil - Durante o governo Obama, a Coreia do Norte desenvolveu boa parte de seu arsenal nuclear. Como avalia hoje a atuação do ex-presidente?
Terry - Obviamente, não se pode classificar a chamada "política de paciência" de Obama como um sucesso, porque agora estamos na situação que você acaba de descrever. Entretanto, eu não culparia Obama. Ele é um problema muito complexo e difícil, enfrentado pelas administrações Obama, George W. Bush e Bill Clinton.
Clinton não conseguiu resolver, mesmo com um trabalho extenso de diálogo. Nos dois governos Bush também não aconteceu, mesmo com uma série de conversas multilaterais. Então, entendo a decisão pela "política de paciência" de Obama, porque diálogo nunca funcionou. É como disse Robert Gates, ex-secretário de defesa de Obama: "Eu não vou comprar o mesmo cavalo três vezes", de novo e de novo. Não dá para culpar Obama, Bush ou Clinton.
BBC Brasil - Mas o governo Clinton conseguiu chegar a um acordo. E depois a administração de George W. Bush recuou, certo?
Terry - Sim, houve um acordo. Você pode dizer que o presidente Bush, em 2002, classificou a Coreia do Norte como parte do eixo do mal, junto a Irã e Iraque, e que foi muito criticado por sua política linha dura. Mas as pessoas se esquecem que, no mesmo ano, o governo americano também descobriu que a Coreia do Norte havia secretamente mantido seu programa de enriquecimento de urânio e admitiu isso. E esse programa sigiloso começou antes do acordo de 1994, continuou durante as negociações e foi mantido depois do acordo feito com o governo americano.
Então, a Coreia do Norte nos enganou sobre este acordo durante todo aquele tempo. Não é necessariamente culpa de Bush também. Ele foi infeliz em classificar o país como eixo do mal, mas em seguida voltou a investir em conversas multilaterais. Ele estava comprometido em chegar a um novo acordo e tentou múltiplas vezes.
Depois das sanções secundárias aplicadas contra a Coreia do Norte em 2005, os norte-coreanos pediram que elas fossem eliminadas e prometeram colaborar. Os EUA fizeram isso, e a Coreia do Norte novamente falhou em seus compromissos. Aí, na mesma administração Bush, eles pediram para serem retirados da lista da países classificados como terroristas, em nome de um acordo. Nós fizemos isso e não houve acordo.
BBC Brasil - Esta geração não viu ataques nucleares em uma guerra envolvendo super-potências. Você acha que isso vai acontecer?
Terry - Eu ainda acho que o pensamento racional vai prevalecer. Pode ser pensamento positivo, mas realmente acho que não (vai ocorrer um ataque). Nós precisamos respirar fundo, todos nós.

Fonte: BBC Brasil

0 comentários:

Postar um comentário