quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Comandante da 7ª Frota cai após segunda colisão envolvendo navios da sua esquadra

O chefe das forças navais dos Estados Unidos no Pacífico dispensou o comandante da 7ª Frota sediada no Japão nesta quarta-feira (23), dois dias após a segunda colisão entre um destroyer dos EUA e um petroleiro em dois meses.

O Almirante Scott Swift dispensou o Vice-Almirante Joseph Aucoin depois de uma série de acidentes terem levantado questões fundamentais sobre as reais capacidades dos navios da 7ª Frota, inclusive se eles são capazes de executar com segurança até as funções mais básicas esperadas dos navios  baseados em uma das mais congestionadas e voláteis áreas da terra.

Segundo um comunicado emitido pela US Navy, "O Almirante Scott Swift, comandante da US Pacific Fleet, liberou o comandante da 7ª Frota, o Vice-almirante Joseph Aucoin, devido a perda de confiança em sua capacidade de comando, dizia o comunicado publicado no site da US Pacific Fleet.

Segundo declarou Almirante Scott Swift, "a segurança deve ser a prioridade do comandante."

almirante John Richardson, chefe de operações navais, expressou seu apoio a decisão de Swift de renovar a liderança da Sétima Frota, "O novo comandante da Sétima Fleta deve ajudar a avançar, concentrando-se em operações seguras e eficazes" disse Richardson.

Aucoin estava deverá entregar o comando da 7ª Frota em setembro com o Philip Sawyer, um submarinista de carreira, sendo agora encarregado por uma frota sob intenso escrutínio dos mais altos níveis da Marinha.

O acidente de segunda-feira (21) entre o "USS John S. McCain" e um petroleiro no Estreito de Malacca abalou a Marinha norte americana ocorrendo apenas algumas semanas depois da colisão envolvendo o "USS Fitzgerald" que resultou na morte de sete marinheiros que estavam no alojamento. O segundo acidente deixou cinco feridos e 10 marinheiros desaparecidos, a equipe de mergulhadores começaram a localizar os corpos dos desaparecidos no interior dos compartimentos atingidos pela colisão e que foram isolados para manter a flutuabilidade do navio.

A colisão envolvendo o "USS John S. McCain" foi a mais recente de uma série de falhas críticas de segurança na navegação da 7ª Frota apenas este ano, que inclui um acidente na Baía de Tóquio e uma colisão com um barco de pesca coreano, além da colisão do "USS Fitzgerald", todas envolvendo navios com base em Yokosuka.

Os acidentes levaram Richardson nesta segunda-feira (21) a solicitar ao seu principal comandante, o Almirante Phil Davidson, que conduzisse uma criteriosa investigação nas operações da 7ª Frota e descobrisse o que aconteceu.

"Este será um esforço mais amplo, com análise de uma série de coisas", disse Richardson a imprensa na última segunda feira (21). 

"Eu só quero entender mais profundamente como estamos em termos de treinamento, tomando medidas que irão investigar essa prontidão e depois certificando essa prontidão".

A questão é de extrema importancia para os EUA, uma vez que a 7ª Frota possui um papel fundamental na defesa dos interesses dos EUA na região e principalmente diante das ameaças norte coreanas, uma vez que a 7ª Frotas possui os meios para defesa de um eventual ataque com ICBMs norte coreanos.

GBN News - A informação começa aqui


0 comentários:

Postar um comentário