quinta-feira, 31 de maio de 2018

Após cancelar modernização de C-130, portugueses destinam 10 milhões ao desenvolvimento do KC-390

0 comentários
Lisboa após cancelar em abril o programa de modernização dos C-130 operados pela Força Aérea Portuguesa, destinou 10 milhões de euros para financiar sua participação no Programa KC-390 em parceria com a brasileira Embraer, aeronave que deverá substituir sua vetusta frota composta pelos norte americanos C-130 Hércules.

O projeto de modernização das aeronaves C-130 previa um investimento inicial de 29 milhões de euros, mas tendo em vista que os KC-390 atingiram a IOC (Initial Operating Capability) no final de 2017 e em breve deverão alcançar a FOC (Full Operational Capability), o Governo optou por cancelar o projeto inicial e destinar as verbas para apenas "garantir a operação" dos C-130 até a entrada em operação do KC-390.

Com as medidas adotadas em abril, o governo português “economizou” cerca de 10 milhões de euros, recurso de igual monta ao anunciado como destinado ao programa de desenvolvimento da aeronave brasileira.

Os "Hércules" no entanto, receberão modificações nos sistemas de navegação afim de cumprir com as exigências para navegação aérea no espaço aéreo europeu, sendo ainda parte do recurso destinado para modernizar os sistemas de navegação dos três Falcon 50 operados pela força aérea do país. A modernização das aeronaves deverá custar cerca de 19 milhões de euros, além dos recursos necessários a operação dos C-130 até sua substituição pelo KC-390.

Os KC-390 vão assumir a posição de espinha dorsal de transportes da Força Aérea Portuguesa, representando uma importante mudança em conceitos e capacidades operacionais ao país europeu, marcando a entrada da aeronave brasileira em operação com um dos países signatários da OTAN, o que poderá representar em futuras encomendas de outras nações europeias, face ao envelhecimento da atual frota de transporte militar mundial, onde grande parte dos operadores atuais do norte americano C-130 deverão voltar os olhos as inovações e capacidades apresentadas pelo “gigante” brasileiro.


GBN News - A informação começa aqui
com agências lusitanas
Continue Lendo...

Russia e EUA estiveram a beira de embate direto na Síria, diz Assad

0 comentários
O presidente sírio, Bashar Assad, disse que Moscou impediu o Ocidente de lançar um ataque aéreo devastador em todo o país no mês passado, e acredita que Damasco quase venceu a guerra de sete anos, apesar da "interferência" dos EUA.

“A cada passo em frente para o Exército Sírio, e para o processo político, e para toda a situação, nossos inimigos e nossos oponentes, principalmente o Ocidente liderado pelos Estados Unidos e seus fantoches na Europa e em nossa região, tentam fazer que seja mais prolongada, seja apoiando mais o terrorismo, trazendo mais terroristas à Síria, ou dificultando o processo político ”, disse Assad ao correspondente do RT, Murad Gazdiev, durante uma entrevista em Damasco, observando que sem financiamento externo seus oponentes dentro do país poderiam ser subjugados "dentro de um ano".

Depois de ter que mudar seu apoio entre as várias facções anti-Assad, e a reconquista das principais cidades de Aleppo e Deir ez-Zor pelas forças do governo nos últimos dois anos, o líder sírio acredita que Washington está "perdendo suas cartas" e pode ir para a mesa de negociações.

"Nosso desafio é como podemos fechar essa lacuna entre seus planos e nossos planos", disse Assad.

"O mundo não comprou a história das armas químicas dos EUA"


O líder sírio acredita, no entanto, que quanto mais próximo o conflito chega ao fim, mais desesperadas se tornam as medidas de seus opositores. Ele citou o alegado ataque com arma química: "É do nosso interesse? Por que, e por que agora?", Pergunta ele, como uma última tentativa ocidental de influenciar a opinião internacional que fracassou.

“Eles contaram uma história, contaram uma mentira, e a opinião pública em todo o mundo e no Ocidente não comprou a história deles, mas eles não puderam se retirar. Então, eles tiveram que fazer algo, mesmo em menor escala ”, disse Assad, referindo-se aos ataques aéreos conjuntos contra supostas instalações de armas químicas na Síria, realizadas em 14 de abril pelos EUA, Reino Unido e França.

Assad diz que Moscou também desempenhou um papel em restringir a influência de Washington de se intrometer na região, desde o convite para ajudar Damasco em setembro de 2015, e neste incidente em particular.

"A Rússia desencorajou um ataque em larga escala à Síria"


“Os russos anunciaram publicamente que iriam destruir as bases que seriam usadas para lançar mísseis contra objetivos na Síria, e segundo nossas informações, não temos provas, só temos informações confiáveis, estas dizem que eles estavam pensando em lançar um ataque abrangente em toda a Síria, e é por isso que a ameaça levou o Ocidente a fazê-lo em uma escala muito menor ”, disse o presidente sírio.

Com os "assessores" ocidentais mobilizados ao lado das forças de oposição apoiadas na Síria, Assad também agradeceu à Rússia por não ter provocado um confronto cara a cara com os EUA, que operam em grande proximidade tanto no ar como no solo.

"Estávamos perto de ter um conflito direto entre as forças russas e as forças americanas, felizmente, isso foi evitado, não pela sabedoria da liderança americana, mas pela sabedoria da liderança russa", disse Assad a Gazdiev. "Precisamos do apoio russo, mas precisamos ao mesmo tempo, evitar a insensatez americana para estabilizar nosso país".

"Ou você tem um país ou não tem um país"


Apesar de elogiar os esforços diplomáticos do processo de paz de Astana e enfatizar o esforço do próprio governo para conquistar os corações e mentes restaurando a ordem em áreas liberadas e iniciando um processo de reconciliação, Assad diz que ainda há algumas vitórias que terão que ser vencidas. no campo de batalha.

“Facções como a Al-Qaeda, como o EI, como a Al-Nusra e os grupos que pensam como eles, não estão prontas para nenhum diálogo, não têm nenhum plano político; eles só têm esse plano ideológico sombrio, que é ser como qualquer área controlada pela Al-Qaeda em qualquer lugar deste mundo. Então, a única opção para lidar com essas facções é a força ” , disse Assad, enfatizando que não há como voltar atrás agora.

“Quanto maior a escalada, mais determinados estaremos para resolver o problema, porque você não tem outra escolha; ou você tem um país ou não tem um país ”, disse o presidente sírio à RT.

Fonte: Russia Today
Tradução: GBN News
Continue Lendo...

terça-feira, 29 de maio de 2018

Estudo de Tomahawk levará Russia a modernizar seus sistemas EW

0 comentários
Indústria de defesa russa especializada em guerra eletrônica, usará informações obtidas da dissecação de um míssil de cruzeiro Tomahawk dos EUA, usado durante ataque à Síria para aumentar as capacidades de seus próprios sistemas.

O míssil, entregue à Rússia após o ataque conjunto contra alvos do governo sírio pelos EUA, Reino Unido e França no mês de abril, é de particular interesse para a KRET, uma importante desenvolvedora de sistemas eletrônicos de contra medidas para as forças armadas russas, segundo Vladimir Mikheev, assessor do vice-diretor da empresa, Vladimir Zverev.

"Nosso novo sistema precisa cobrir todos os espectros, ópticos e de rádio, que encontramos nos sistemas de nossas contrapartes", disse Mikheev.

“Como especialistas, estávamos muito interessados ​​em ver o uso real de vários sistemas de armas na Síria, incluindo os Tomahawks. Agora, tendo esse míssil em nossas mãos, sabemos claramente que canais ele usa para informações de controle, navegação e geolocalização”, explicou.

Mikheev disse que incorporar o conhecimento adquirido ao estudar os mísseis de cruzeiro dos EUA levará de dois a três anos. Isso ajudará os sistemas russos de guerra eletrônica a melhorar suas capacidades contra os mísseis americanos "em todas as etapas de desdobramento do combate" , disse ele.

Relatos anteriores afirmavam que a Rússia obteve pelo menos dois mísseis norte-americanos disparados contra a Síria em 14 de abril que relativamente não estavam muito danificados. O ataque foi lançado em resposta ao que os EUA e seus aliados afirmaram ser um ataque com armas químicas no leste de Ghouta. Atacando o que eles disseram ser instalações usadas pelo governo sírio para um programa de armas químicas com mísseis de cruzeiro.

Houve relatos conflitantes sobre o sucesso do ataque, com as potências ocidentais insistindo que todos os mísseis atingiram com sucesso seus alvos, enquanto militares russos disseram que uma parte significativa foi interceptada pelas defesas aéreas sírias.

GBN News - A informação começa aqui
com agências
Continue Lendo...

Paquistão e Índia próximos de um cessar fogo na Caxemira

0 comentários
Rivais de longa data, Paquistão e Índia concordaram em garantir o cessar-fogo ao longo de suas fronteiras, alinhados com o acordo de cessar-fogo firmado em 2003 entre os dois vizinhos, que possuem armas nucleares.
O entendimento foi alcançado entre os dois representantes militares que fizeram um contato “especial” nesta terça-feira (29) para revisar a situação prevalecente na Linha de Controle, uma fronteira de fato que divide o vale da Caxemira entre os dois e o Limite de operações, faixa onde é admitido a operação das forças armadas.
“Os representantes revisaram a situação prevalecente ao longo da Linha de Controle e do limite de operação, e concordaram em tomar medidas sinceras para melhorar a situação existente, garantindo a paz e evitando dificuldades aos civis ao longo das fronteiras”, disse um comunicado do exército do Paquistão nesta terça-feira (29).
Os dois representantes concordaram em “implementar integralmente o entendimento do cessar-fogo de 2003, em carta e espírito, e garantir que, doravante, o cessar-fogo não seja violado por ambos os lados”.
Os dois lados também concordaram que, em caso de qualquer problema, a restrição seria exercida e o assunto seria resolvido por meio da utilização de mecanismos existentes de contatos por linha direta e reuniões entre autoridades de fronteira no nível do comando local.
As tensões entre os dois vizinhos nucleares não diminuíram depois que 19 soldados indianos foram mortos na Caxemira em setembro de 2016, por militantes que a Índia alegou ter ligações com o Paquistão.
Desde então, mais de 150 civis e tropas de ambos os lados foram mortos em confrontos na fronteira.
A Caxemira é uma região de maioria muçulmana no Himalaia, é mantida pela Índia e pelo Paquistão em partes e reivindicada por ambas na íntegra. Uma pequena fatia da Caxemira também é mantida pela China.
Os dois países travaram três guerras, nos anos de 1948, 1965 e 1971, desde que foram divididos em 1947, duas das quais foram travadas na Caxemira.
Além disso, no norte da Caxemira, as tropas indianas e paquistanesas têm lutado intermitentemente desde 1984. Um cessar-fogo entrou em vigor em 2003.
Alguns grupos da Caxemira têm lutado contra o domínio indiano, buscando a independência, ou sua unificação com o vizinho Paquistão.
Segundo várias organizações de direitos humanos, milhares de pessoas teriam morrido no conflito na região desde 1989.

GBN News - A informação começa aqui
com agências de notícias

Continue Lendo...

segunda-feira, 28 de maio de 2018

11 grupos de oposição se unem na Síria

0 comentários
Na Síria, 11 grupos de oposição que lutavam contra o regime de Bashar Al Assad anunciaram que se uniram em İdlib sob o título de "Frente de Libertação Nacional".
De acordo com informações obtidas de fontes dissidentes, 11 grupos de oposição militar afiliados ao Exército Sírio Livre no norte de Idlib e Hama no norte do país tomaram a decisão de se unir sob o nome de " Frente de Libertação Nacional".
Feylak-ı Şam , Exército Nasir , Exército Ozgur İdlib , 1ª Divisão Costeira , 2ª Divisão Costeira , 1ª Bandeira , 2 Exército , Exército de Eleições , Şüheda El Islam Dareyya , El Huriyye Tugaye e Os 23 . são os grupos e facções que se juntaram.
"O objetivo da nova formação é unir os componentes do Exército Sírio Livre na província de İdlib, na Síria, sob um único comando", disse ele no anúncio da fusão que os dissidentes compartilham nas mídias sociais.
O líder da Frente Nacional de Libertação foi Fadil Allah Al Hajj , comandante do grupo Faylak Dam, e seu vice, Suhayp Leyyus , do Exército Nasser.
Com a unificação de cerca de 30.000 opositores, um dos maiores grupos militares na Síria lutando contra o regime de Bashar Assad foi estabelecido.

Fonte: Anadolu
tradução: GBN News
Continue Lendo...

Afeganistão - A guerra esquecida

0 comentários
Os ataques terroristas na Europa, o alarme terrorista na Itália e a guerra na Síria nos fizeram esquecer que o conflito no Oriente Médio e o choque de civilizações teorizadas por Huntington são fenômenos com uma origem mais distante no tempo.
Na Itália e na Europa, não falamos mais do Afeganistão, um país distante, duro e complicado, onde forças militares italianas estão engajadas há quase vinte anos. Cada um de nós, pensando neste país, chega a uma lembrança distante da tragédia do World Trade Center e dos subsequentes bombardeios, no entanto, no imaginário coletivo do Oriente Médio, o Iraque de Saddam está muito mais enraizado, talvez por causa de uma maior cobertura da mídia. Sempre que o Parlamento aprova o orçamento para operações militares no estrangeiro, a presença do pessoal italiano neste país é discretamente colocada. Ninguém pensa numa análise séria dos nossos compromissos e do valor político que advém da nossa presença em determinadas áreas. Ao mesmo tempo, a missão é reconfirmada apenas para respeitar as obrigações internacionais, mas sem refletir seriamente sobre sua validade.
Fora das várias interpretações da Constituição italiana sobre o significado do art. 11, a intervenção militar está felizmente ligada quase exclusivamente às atividades de reconstrução e "construção do estado" neste momento. Neste ponto, a missão deve necessariamente mudar sua abordagem ou ser retirada.
Quando as forças da OTAN no Afeganistão chegaram a quase 140.000 (dados da ISAF) em 2010/2011, foi decidido que a guerra havia sido ganha e que uma mudança era necessária. Assim começou uma desmobilização gradual. Até o momento, essa estratégia destinada a fortalecer as forças locais não funcionou. Os observadores internacionais afirmam quase inequivocamente que o projeto da ALP (Polícia Local Afegã) foi um fracasso, levando a uma divisão quase feudal do território, na qual cada tribo e conselho de anciãos tem sua própria milícia.
As áreas controladas ou sob a influência do Taleban mais do que duplicaram no ano passado e testemunhamos numerosos ataques no coração da capital afegã, como não tem sido há algum tempo. Não apenas civis afegãos, mas também trabalhadores humanitários de organizações reconhecidas como MSF e jornalistas eram os que pagavam o preço.
Até o momento, o risco de uma recorrência do conflito afegão é muito alto, especialmente graças à chegada de novas forças do EI que se retirou da Síria. As forças afegãs não serão capazes de absorver o golpe, assim como as iraquianas não conseguiram.
É um drama real pensar que você passou 20 anos no Afeganistão, (dado que o Apoio resoluto deve ser declarado encerrado em 2020), com a consciência de que não fizemos nenhuma mudança real, e especialmente que, apesar de nossos esforços, quando as forças internacionais se retirarem, este estado poderia facilmente cair no abismo.

Fonte: ANSA
tradução: GBN News
Continue Lendo...

Moscou desmente ter interceptado caças de Israel sobre o Líbano

0 comentários
Após rumores de uma suposta interceptação de caças F-16I por caças-bombardeiros Su-34 sobre o Líbano, o Ministério da Defesa da Rússia desmentiu as notícias que foram publicadas sobre essa suposta ação sobre o Líbano.

"Relatórios publicados por um site de notícias israelense sobre a suposta 'interceptação' de dois caças F-16 israelenses pelos Su-34 russos no espaço aéreo do Líbano são um absurdo", disse o comunicado do ministério nesta segunda-feira (28).

"Os bombardeiros multirole Su-34 da força-tarefa russa na Síria não são usados ​​para interceptar alvos aéreos e não realizam missões no espaço aéreo do Líbano", destacou o ministério.

No início do dia, a mídia israelense informou que as aeronaves russas S-34 foram enviadas para interceptar duas aeronaves israelenses F-16 no espaço aéreo libanês e forçaram-nas a mudar sua rota de voo.

GBN News - A Informação começa aqui
com agências

Continue Lendo...

SU-57 para Turquia?

0 comentários
A Turquia está avaliando a compra dos caças russos Su-57 caso os Estados Unidos se recusem a vender o F-35 ao país, segundo informações divulgadas neste domingo (27).

No entanto, apesar da aproximação de Ancara e Moscou em relação a aquisição de diversos sistemas de defesa, os turcos não pretende abandonar seu direito aos caças F-35 norte-americanos, que tem previsão de ser entregues a partir de 21 de junho. A Turquia levantou a discussão sobre a possibilidade de substituir os caças norte-americanos, e diante desta possibilidade estão avaliando as condições de aquisição dos Su-57 da Rússia, os quais são encarados como uma boa alternativa, já que custam metade do valor dos caças F-35 dos EUA, e apresentam capacidades similares.

Oficialmente Ancara não comenta o assunto, mantendo discrição e acompanhando os movimentos dos EUA em relação ao acordo para fornecer os novos caças.

Um dos possíveis obstáculos a obtenção dos F-35 pela Turquia, esta na lei aprovada em 25 de maio, a qual trata sobre o orçamento do Pentágono para 2019, privando o secretário de defesa dos EUA da possibilidade de aprovar vendas de armas dos EUA para a Turquia sem um relatório especial sobre a aquisição de sistemas de mísseis S-400 pelo aliado. Tal lei pode lançar uma pá de cal nas intenções turcas de obter 100 aeronaves F-35 para modernizar sua força aérea,o que pode abrir espaço para aquisição do SU-57 e aproximar ainda mais Ancara de Moscou, esquentando o clima dentro da OTAN, uma vez que a Turquia é um dos países signatários da aliança.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Turquia, Hami Aksoy, no último dia 25 de maio, disse que a Turquia vai tomar medidas contra os Estados Unidos se Washington quebrar o acordo que envolve o F-35.

GBN News - A informação começa aqui
com agências



Continue Lendo...

Ataques com drones matam membros do EI no Afeganistão

0 comentários
Pelo menos 11 membros do Estado Islâmico foram mortos depois que forças da coalizão liderada pelos Estados Unidos e OTAN lançaram ataques aéreos na província afegã de Nangarhar, disseram autoridades nesta segunda-feira (28).

"Os ataques com drones foram lançados no domingo (27). Dois membros do EI também ficaram feridos e três veículos foram destruídos depois dos ataques", disse um comunicado do Exército. Também no domingo, helicópteros do Exército afegão atacaram e destruíram duas fábricas de heroína no distrito de Khogyani, informou a agência de notícias Xinhua.
Fonte: IANS
tradução: GBN News
Continue Lendo...

Navios de guerra dos EUA navegam perto de ilhas reivindicadas por Pequim

0 comentários
Dois navios de guerra da Marinha dos Estados Unidos navegavam perto das ilhas do Mar do Sul da China reivindicadas pela China no domingo (27), disseram autoridades norte-americanas à Reuters, em uma atitude que levou à condenação por parte de Pequim enquanto o presidente Donald Trump busca sua cooperação contínua com a Coreia do Norte.
A operação é a mais recente tentativa de conter o que Washington vê como esforços de Pequim de limitar a liberdade de navegação em águas estratégicas.
Embora esta operação tenha sido planejada com meses de antecedência, e operações semelhantes tenham se tornado rotineiras, ela ocorre em um momento particularmente delicado e apenas alguns dias após o Pentágono ter desconvidado a China para um grande exercício naval promovido pelos EUA.
Autoridades dos EUA, falando sob condição de anonimato, disseram que o destroyer de mísseis guiados Higgins e o Antietam, um cruzador de mísseis guiados, chegaram a 12 milhas náuticas das Ilhas Paracel, entre uma série de ilhotas, recifes e bancos de areia sobre os quais a China tem disputas territoriais com seus vizinhos.
Os navios dos EUA realizaram manobras perto das ilhas Tree, Lincoln, Triton e Woody, nos Paracels, disse uma das autoridades.
O cancelamento da reunião de Trump com o líder norte-coreano Kim Jong Un colocou mais pressão sob os laços entre EUA e China em meio a uma disputa comercial entre as duas maiores economias do mundo.
Críticos das operações, conhecidas como "liberdade de navegação", disseram que elas têm pouco impacto no comportamento chinês e são amplamente simbólicas.
Fotografias de satélite tiradas em 12 de maio mostraram que a China aparentemente instalou mísseis em Woody Island.
Mais cedo, a força aérea da China pousou bombardeiros em ilhas disputadas e recifes no Mar do Sul da China como parte de um exercício de treinamento na região, provocando a preocupação do Vietnã e das Filipinas. 
Os militares dos EUA não comentaram sobre a operação de domingo (27), mas disseram que as forças dos EUA operam diariamente na região.
"Conduzimos operações regulares de rotina das Operações de Liberdade Navegação (FONOPs, na sigla em inglês), como fizemos no passado e continuaremos a fazer no futuro", afirmou a Frota do Pacífico dos Estados Unidos em comunicado.
O Ministério da Defesa da China expressou sua revolta, dizendo ter enviado navios e aviões para alertar os navios de guerra dos EUA a deixar o local, dizendo que eles entraram nas águas territoriais do país sem permissão.
A medida "contraria a lei internacional e a chinesa, infringe seriamente a soberania chinesa e prejudica a confiança mútua entre as duas forças armadas", afirmou.
Em comunicado separado, o Ministério das Relações Exteriores da China pediu aos Estados Unidos que parem com tais ações.
"A China continuará a tomar todas as medidas necessárias para defender a soberania e a segurança do país", acrescentou, sem elaborar.

Fonte: Reuters
Continue Lendo...

Comandante do Exército se pronuncia sobre greve dos caminhoneiros

0 comentários
O comandante do Exército Brasileiro, general Eduardo Villas Bôas, se pronunciou, no Twitter, sobre a atuação na greve dos caminhoneiros. Bôas afirmou que a “diretriz operacional” para o desbloqueio das rodovias é a negociação para evitar conflitos.

O general diz ainda que a integração do exército junto aos órgãos de segurança pública é perfeita nessa crise.

A greve dos caminhoneiros chegou ao seu sétimo dia neste domingo e o presidente Michel Temer espera fechar um novo acordo para por fim à paralisação.

Abaixo publicações feitas por Villas Bôas pelo Twitter:

Estamos reunidos na sala do Alto-Comando do @exercitooficial, sob a coordenação do Ministro da Defesa e com a presença dos comandantes das Forças e outros militares, para uma vídeo-conferência com os responsáveis por áreas de atuação na solução da “greve dos caminhoneiros”.

Desejamos, o mais rápido possível, a solução desse desafio, a fim de mitigar as dificuldades crescentes da população. Reafirmamos como diretriz operacional o foco no bem-estar social e na perene negociação para evitar conflitos entre os atores diretamente envolvidos.

Nesta crise, há uma perfeita integração das Forças Armadas com os órgãos de segurança pública e agências governamentais de todos os níveis, em uma clara demonstração de profissionalismo e sentimento de cumprimento do dever.


Fonte: Exame
Continue Lendo...

Colômbia membro da OTAN?

0 comentários
No último fim de semana uma notícia tem levantado várias reações nas redes sociais brasileiras, tal fato se deu após o anúncio colombiano de que irão formalizar em breve um acordo com a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), mas nós do GBN News resolvemos tirar algumas dúvidas e responder alguns questionamentos quanto a este acordo.


A primeira coisa a respeito deste acordo que a Colômbia formalizará com a OTAN, é que não trata-se desta se tornar um membro efetivo da OTAN, conforme se dá com seus signatários, mas o país entra na aliança como "parceiro global", sendo o primeiro país latino-americano a integrar essa categoria na aliança.


O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, que foi agraciado com o prêmio Nobel da Paz em 2016 por seus esforços para acabar com meio século de conflito armado no país, onde as FARC finalmente depuseram a luta armada, afirmou que ao assinar este acordo vai "melhorar a imagem da Colômbia" e "permitir ter muito mais peso no cenário internacional".

Há outros países fora do eixo da OTAN que também participam com status de "Parceiro Global", dentre os quais constam o Afeganistão, Austrália, Iraque, Japão, Coreia do Sul, Mongólia, Nova Zelândia e Paquistão.

O governo colombiano nos passo pós-acordo com as FARC, tem buscado maior integração do país á organizações internacionais, além do acorde que deverá ser formalizado em breve com a OTAN, o país também assinou um acordo de parceria com a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Segundo o presidente Juan Manuel Santos, ser membro da OCDE permitirá ao país melhores condições de pavimentar os caminhos da nação, analisar o que deu errado e o que funcionou em outros países membros da OCDE e adaptar as experiências á realidade colombiana. Com isso o governo acredita poder melhorar as políticas públicas.



A Colômbia aceitou o convite a integrar a OTAN em dezembro de 2016, tendo como objetivo obter uma cooperação militar "maior" com a organização para administrar a situação pós-conflito, que se definiu após o acordo que transformou em partido político a antiga guerrilha das Farc.

O acordo entre a Colômbia e a OTAN levou a uma forte oposição do governo venezuelano de Nicolás Maduro, que considerou "uma tentativa de introduzir fatores externos com capacidade nuclear" na região. 

É de conhecimento geral que a relações entre os dois países não é das melhores. Onde a Colômbia exerce um dos pontos de pressão internacional contra o governo de Maduro.

O anuncio realizado por Juan Manuel Santos, ocorreu as vésperas das eleições presidenciais, o que poderá influenciar o resultado em favor do seu sucessor, visto que deixará a presidência em agosto, depois de dois mandatos consecutivos de quatro anos.

O que significa ser um "Parceiro Global"?

A "Parceria" com a OTAN, não tem o mesmo atributo que possui os membros signatários do Tratado, ser um parceiro global da Otan significa que o pais integrará o quadro de cooperação militar e estratégica da aliança, não obrigando o país a integrar as operações do âmbito da OTAN, como se dá com os países signatários com envio de tropas e material para colaborar com operações.

O acordo é mais um meio de garantir a oportunidade da Colômbia obter maior sinergia em termos de treinamento e capacidades operacionais, além de estabelecer um sistema mais capaz de coleta e análise de informações. Neste sentido, a Colômbia já possui um acordo que prevê a troca de informações entre o país e a OTAN, tendo sido assinado ainda no primeiro mandato de Juan Manuel Santos, o que na ocasião levantou a preocupação de países vizinhos como Brasil, Equador, Bolívia, Nicarágua e especialmente na Venezuela, que interpretaram o acordo como uma ameaça a estabilidade regional.

Não temos um conhecimento mais profundo do que esta envolvido neste acordo entre a Colômbia e a OTAN, mas podemos especular que tal posicionamento como "Parceiro Global" garanta ao governo colombiano maior acesso a linhas de crédito e facilidades para aquisição de novos sistemas e meios de defesa, algo que será de grande valia tendo em vista a vindoura necessidade do país em modernizar suas forças armadas.

O Cmte Robinson Farinazzo lançou uma interessante análise sobre o assunto no nosso parceiro "Canal Arte da Guerra", e que corrobora com nossa análise a acrescenta alguns pontos importantes aos quais temos de atentar, além de responder a pergunta de alguns de nossos leitores. Para acessar basta clicar no link: "COLÔMBIA NA OTAN ? ARTE DA GUERRA RESPONDE", não esqueça de dar seu like e se inscrever no canal.



GBN News - A informação começa aqui


Continue Lendo...
 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger