sábado, 5 de agosto de 2017

FAB recebe primeiro SC-105 "SAR"

Após realizar um tour de demonstração por cerca de 15 países, finalmente pousou na última quinta-feira (3) na ALA 5 em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, a primeira aeronave SC-105 (Airbus C-295 SAR) da Força Aérea Brasileira. A aeronave que foi entregue em 16 de junho, em uma cerimônia realizada em Sevilha na Espanha, participou do "Paris Air Show" em Le Bourget, onde foi exposta aos visitantes. Após o evento na França a aeronave iniciou um tour de exibição visitando diversos países, os quais puderam conhecer as qualidades na nova aeronave espacialmente projetada para realização de missões SAR (Busca e Resgate) e irá operar com o "Esquadrão Pelicano".

A Força Aérea Brasileira opera hoje com 12 aeronaves C-105 "Amazonas" (C-295), com a chegada do SC-105, esse número sobe para 13 aeronaves e deverá aumentar com a entrega da segunda aeronave do tipo encomendada junto a Airbus que deverá ocorrer em 2019.

A nova aquisição da FAB custou 225 milhões de dólares com um pacote de suporte de serviço por cinco anos como parte do programa CL-X2 em contrato assinado em abril de 2014 com a Airbus, possui equipamentos de bordo voltados para missão de busca e resgate, os quais aumentam as possibilidades de localizar aeronaves, embarcações ou pessoas desaparecidas, inclusive no período noturno.
O SC-105 conta com sistema eletro-óptico de busca por imagem e por espectro infra-vermelho. Isso permitirá realizar buscas por "calor", permitindo detectar, por exemplo, uma aeronave encoberta pela vegetação, ou uma pessoa perdida no mar.
A aeronave foi equipada com um radar EL/M-2022A(V)3, capaz de realizar buscas sobre terra ou mar, com alcance de cerca de 360 Km. O sistema de comunicação via satélite também permite o contato com outras aeronaves ou centros de coordenação de salvamento (Salvaero), mesmo quando os SC-105 estiverem voando a baixa altitude.
O SC-105 possui uma tripulação de oito pessoas: piloto, co-piloto, mecânico, dois operadores de sistemas de missão (Radar e FLIR) e quatro observadores que ficam em quatro janelas em formato de bolha para realizar busca visual. Tal tripulação pode ser aumentada de acordo com a necessidade da missão, a qual pode ser realizada em voos de até dez horas.
A aeronave possui grande flexibilidade, podendo operar com paraquedistas e um mestre de carga (loadmaster), sendo capaz de realizar o lançamento de botes salva-vidas ou de mantimentos para os sobreviventes localizados. 
O SC-105 é capaz não só de cumprir com sua missão primaria SAR, mas uma série de outras missões que são cumpridas pela versão C-105 "Amazonas", como transporte de carga, lançamento de paraquedistas, evacuação aeromédica e vigilância.

GBN News - A informação começa aqui
com agências

0 comentários:

Postar um comentário