terça-feira, 11 de julho de 2017

Após saída da Boeing, SAAB abandona concorrência belga


A Suécia não apresentará mais sua oferta para fornecer o SAAB Gripen E para disputar o contrato de reaparelhamento da Força Aérea da Bélgica, contrato que visa a aquisição de 34 novas aeronaves para substituir a atual frota de 54 aeronaves F-16.

O anunciou foi feito pela ministra da Defesa do país na segunda-feira (10), segundo a justificativa para decisão da Administração Sueca de Materiais de Defesa, o governo não estaria preparado para fornecer o apoio operacional exigido pelo governo belga. 


A decisão é um golpe para a Saab, pois a empresa esperava oferecer a nova versão do seu caça Gripen, o Gripen E, aeronave que vem cumprindo suas avaliações para certificação e que fez seu primeiro voo no mês passado. 




As aeronaves F-35 da Lockheed Martin, o Eurofighter Typhoon e o Dassault Rafale seguem na disputa pelo contrato belga. 


O F-35 é apontado como provável vencedor do contrato e poderia ser a única nova venda da aeronave este ano, disse Byron Callan, diretor da Capital Alpha Partners, uma empresa de consultoria de investimento. 



"Como um dos quatro países que compraram F-16 fazendo parte do "negócio do século" em 1975, a Bélgica é o único país que ainda não chegou a uma decisão. Dinamarca, Holanda e Noruega optaram pelo Lockheed Martin F-35", disse ele. 



A Saab é a segunda grande empresa a sair da competição. A Boeing retirou o F/A-18 E/F Super Hornet da disputa em abril, descrevendo que os requisitos impostos pela Bélgica injustamente inclinam a decisão em direção ao F-35. 


GBN News - A informação começa aqui
com agências

0 comentários:

Postar um comentário