quinta-feira, 2 de junho de 2016

Paquistão busca maior nacionalização de sua Força Aérea com futuro caça

O comando da Força Aérea do Paquistão (PAF) traçou planos para uma maior nacionalização e contribuição técnica-industrial em seu próximo caça, e espera que o programa do caça de 5ª geração esteja pronto em 2030.

Em entrevista o Marechal do Ar Sohail Aman disse que as previsões apontam que em 2030 haverá maior índice de nacionalização dos aviônicos, sistemas de comunicação e outros subsistemas e componentes para um caça de quinta geração.

Ele aceitou que há desafios orçamentais e de desenvolvimento, mas disse que os recursos humanos e a infraestrutura esta sendo desenvolvida para garantir que nos próximo 10-15 anos esses objetivos possam ser alcançados.

Um aspecto importante disso é a Aviation City perto do complexo industrial da Pakistan Aeronautical em Kamra, a casa da indústria de aviação do Paquistão, que terá as suas próprias instalações de ensino superior para nutrir talentos para o processo de nacionalização.

O caça chinês Shenyang J-31, ou alguma aeronave oriunda do desenvolvimento do mesmo, é fortemente especulado para ser a escolha do Paquistão como seu caça de quinta geração. No entanto, o autor, analista e ex-piloto da Força Aérea Kaiser Tufail acredita que isso ainda não está claro, mas a "ênfase sobre um design nacional" é grande.

O comando da Força Aérea está ciente das limitações no exercício da autonomia operacional total sobre sistemas de armas estrangeiras. Além disso, a questão perene de sanções tem prejudicado a linha de frente da Forças Aérea do Paquistão continuamente, algo que uma pequena força aérea mal pode pagar ", disse ele.

Como se refere também em relação ao programa do JF-17, Tufail acredita que o programa JF-17 lançou as bases e confiança suficiente para considerar uma parceria 50-50, como foi no caso do JF-17, para uma com talvez 70% a 80% de participação "local no design e produção.

Tufail acha que a infraestrutura existente e mão de obra altamente qualificada e cultura bem treinada de engenheiros e técnicos, a indústria aeronáutica do Paquistão esta pronta para assumir o desafio e pode formar o núcleo de um conhecimento mais amplo e técnico para fornecer "os meios de base, que podem ser adaptados para o novo os requisitos sem muita dificuldade. "

No entanto, ele disse que uma falha na economia nacional do Paquistão e recursos mal geridos e a tributação efetivamente poderá condenar o programa com um aumento nos gastos de defesa "que não atende aos interesses políticos do governo cujo foco permanece sempre em projetos de desenvolvimento vistosos.

GBN seu canal de informação e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário