quinta-feira, 2 de junho de 2016

Itália mantém programas de defesa apesar de cortes no orçamento

Os gastos com defesa da Itália em 2016 devem a cair 3%, ficando em 4,72 bilhões de euros, segundo revela o novo orçamento , embora recursos sejam destinado para lançar um programa para desenvolvimento de uma nova aeronave de instrução a jato e a parceira com a França no novo programa de mísseis.

A queda no orçamento de defesa devido ao aperto no cinto, com a Itália lutando para escapar da recessão, pode soar o alarme para os militares, dada a instabilidade atualmente na África do Norte e a ameaça renovada da Rússia.

A tendência de gastos, o que tende a continuar nos próximos dois anos, é contrária a uma escalada europeia nos gastos de defesa em andamento.

O financiamento de aquisições para este ano combina 2,18 bilhões do Ministério da Defesa e 2,54 bilhões destinados ao Ministério da Indústria, um declínio com relação aos 4,87 bilhões disponibilizados no ano passado, embora o financiamento do Ministério da Defesa esteja acima dos 1,95 bilhões de euros inicialmente previsto para 2016 em um documento da previsão de orçamento lançado em dezembro.

O documento latestl, que foi enviado ao Parlamento italiano e divulgado á imprensa, é um orçamento de três anos, compreendendo os anos de 2016-2018, como é habitual, o que indica que o financiamento de aquisição do Ministério da Defesa deverá cair para 1,93 bilhões no próximo ano e em 2018.

Mas há uma boa notícia para a Itália, 9 milhões de euros foram liberados este ano para a Leonardo-Finmeccanica para o financiamento do desenvolvimento do novo treinador M-345 da empresa, que foi concebido em conjunto com a Força Aérea Italiana para substituir as aeronaves MB-339 da Itália e agir como um lead-in para o M-346, que a força aérea está voando agora.

O orçamento deste ano inclui 235 milhões em financiamento adicional para  o combate ao terrorismo após os ataques do grupo Estado Islâmico á Paris em novembro passado.

Oito milhões de euros vai para o aumento das operações e manutenção de sensores na frota de UAV Predator, que agora estão autorizados a patrulhar os céus sobre a Itália nas operações de aplicação da lei na Itália. Embora a Itália tenha dado permissão para armar também seus UAVs comprados junto aos EUA, há armamentos que foram adquiridos, porém que o Parlamento italiano ainda tem que votar sobre o assunto.

Em outras partes do orçamento, a decisão da Itália que em parceria com a França para a modernização dos mísseis Aster 30 através do programa Aster Block 1 New Tech é feito com um financiamento de 15 milhões.

O programa de atualização para o míssil multi-nacional, que a França lançou em dezembro, vai alargar a sua gama de intercepção de mísseis balísticos. O documento de financiamento prevê a contribuição da Itália no programa em 237,4 milhões.

Outro novo embora pequeno programa, envolve a montagem de kits para os KC-767 da Itália realizar missões de evacuação médica, a um custo de 4,6 milhões de euros.

Conforme revelado por uma fonte no mês passado, o plano da Itália de construir uma segunda brigada de veículos blindados Freccia recém-adquiridos parece ser um processo lento depois que apenas 21 milhões dos 2,65 bilhões necessários foram fornecidos este ano.

Outros fundos listados para o programa são necessários para cobrir os pagamentos para a primeira brigada, disse uma fonte do programa. "Neste ritmo pode demorar 20 anos para completar a segunda brigada", disse ele.

O financiamento para uma nova viatura sobre rodas Centauro II situa-se em 9,4 milhões, muito aquém dos 160 milhões previstos no mês passado, embora a fonte tenha informado que era a primeira parcela em um fluxo de financiamento plurianual que deve chegar a 160 milhões.

O Ministério da Defesa em seu financiamento global, inclui a aquisição, manutenção, operações e pessoal, chegando ao custo de 13,36 bilhões este ano, acima dos 13,19 bilhões do ano passado, graças a um aumento no financiamento M & S.

Mas o documento disse que o aumento deveu-se as patrulhas adicionais anti-terrorismo por soldados nas ruas italianas.

Além dos novos programas, os itens caros, como novos meios multi-missão, submarinos U-212, Eurofighters, aeronaves Gulfstream de alerta antecipado e novos helicópteros AW101 para a força aérea continuará a receber financiamento.

A aquisição em curso na Itália do F-35 é financiada no montante de 630 milhões. Seguindo os votos parlamentares em 2014 que exigiram uma redução nos gastos com o programa, o documento afirma que 1 bilhão será cortado nos gastos entre 2016 e 2019, e que os gastos no ano passado foram reduzido de  583 milhões para 370 milhões.

Nenhuma explicação de onde os cortes estão sendo feitos é dada, por isso não está claro se as economias estão relacionados com a decisão provisória da Itália para cortar sua encomenda de F-35, de 131 para 90 aeronaves.

O documento apresenta uma lista de programas que estão sendo colocados em espera, devido à falta de fundos, incluindo a compra planejada há muito tempo de uma nova aeronave SIGINT para substituir os G222.

Isso significa que a Itália esta, sem uma capacidade SIGINT após a locação de uma plataforma Gulfstream SIGINT, alugada junto a Lockheed Martin, que ocorreu no início deste ano.

A decisão de deixar o lapso de arrendamento, alegadamente devido à falta de fundos, vem com forças especiais ocidentais assumindo a luta contra o EI na Líbia, e contrasta com o anúncio da Itália de um novo Livro Branco, publicado este ano, que quer assumir um papel central na assuntos militares do Mediterrâneo.

GBN seu canal de informação e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário