domingo, 5 de junho de 2016

Alemanha e França negociam acordo para exportações de armas

Buscando um acordo intergovernamental sobre as exportações de armas, a França e Alemanha estão discutindo o nível de conteúdo nacional de  armas, bem como os países mutuamente aceitáveis ​​para vendas externas, disse Louis Gautier, chefe do Secretariado-Geral de la Defense e Sécurité Nationale.

Um pacto bilateral para as vendas externas de armas é visto como a chave para o futuro da holding, criada pela joint venture entre a estatal francesa Nexter e a Krauss-Maffei Wegmann (KMW) da Alemanha, dois especialistas em sistemas de terrestres e viaturas blindadas. Sendo uma parceria de 50-50.

"Esperamos que a nova empresa seja integrada e construa equipamentos comuns", disse Gautier. "Então, nós temos que encontrar uma simplificação da autorização."

A SGDSN, que reporta ao gabinete do primeiro-ministro, lidera a comissão interministerial que autoriza a exportação de armas. Uma das questões em discussão está em requerer autorização conjunta somente quando o conteúdo francês ou alemão em uma arma excede um determinado nível.

Outra abordagem seria uma comissão bilateral para estabelecer uma lista de países aceitáveis ​​para fornecer produtos da empresa. Cada país exportador tem suas próprias preocupações e objetivos.

"Na minha opinião haverá uma combinação de ambas as abordagens," disse Gautier.

"Esse acordo será de fundamental importância", disse Hélène Masson, pesquisador sênior da Fundação think tank para a Investigação Estratégica.

A parceria terá vendas anuais de quase 2,3 bilhões de dólares e um inventário da ordem de 10,2 bilhões, empregando mais de 6.000 funcionários, informaram as empresas.

A parceria visa reduzir os custos, tais como a compra de matérias-primas e fabricação de ferramentas, e impulsionar as vendas externas, ao concordar que produtos lançar. As exportações representam 56% das vendas anuais para a Nexter e cerca de 80% para KMW, disse um funcionário da Defesa francês.

A KMW e a Nexter fecharam o acordo para a joint venture em dezembro. Porque as negociações intergovernamentais tinham sido lentas, refletindo abordagens políticas altamente distintas para as exportações, a SGDNS tinha sugerido que deve continuar a negociar com o seu homólogo alemão, o Ministério da Economia, em vez de realiza negociações corporativas, disse Gautier.

Isso levou a um comunicado do governo de intenções quando o acordo da joint venture foi anunciado, mas o progresso tem sido lento.

A França vai continua negociando com a Alemanha, mas não vê necessidade de pressa como a KMW e Nexter continuarão oferecendo seus produtos de forma independente durante os próximos cinco anos, disse Gautier.

A KMW e a Nexter pretendem produzir conjuntamente um futuro MBT para substituir o "Leclerc" francês e "Leopard" alemão, e que a plataforma está previsto para incluir um alto nível de integração de conteúdo de cada empresa.

Como uma joint venture, no entanto, as duas empresas enfrentam desafios nas exportações de armas. A Alemanha, por exemplo, está de braços abertos para fazer negócios com a Arábia Saudita. O ministro da Alemanha para assuntos econômicos, Sigmar Gabriel, relatou a aprovação do governo para a entrega de 23 helicópteros da Airbus para a Arábia Saudita e outros negócios de armas para Omã, Emirados Árabes Unidos, Indonésia e Tailândia. Mas que a aprovação teve que ser arrancada quando Gabriel disse em janeiro que Berlim pode rever sua política para Ryad depois que as autoridades sauditas executaram 47 presos.

Para complicar as coisas o Parlamento Europeu votou pela proibição da venda de armas por parte de membros da União Europeia para a Arábia Saudita, respondendo as preocupações com as mortes de civis devido aos bombardeios realizados no Iêmen.

A França, por sua vez, diz que observa as convenções e embargos internacionais, e vê pouco ou nenhum problema em vender armas a Riad.

Paris simplificou o seu processo de autorização, cortando a burocracia e a instalação de um sistema on-line para aplicações, mas o timing de uma autorização pode sinalizar um julgamento político, refletindo as preocupações com os riscos nacionais e internacionais, e as sensibilidades de um vizinho para o país cliente. Se uma resposta não for concedido após 18 meses, poderia ser vista como uma rejeição política.

Mesmo quando uma aprovação for dada, a França pode restringir o desempenho das armas, dependendo se o cliente é um aliado próximo ou de um parceiro puramente comercial.

Uma das áreas obscuras é relacionada ao equipamento para uso dual civil-militar , onde a SGDNS não detém o papel decisivo. Funcionários da alfândega, defesa, economia, chancelarias e interior, e as agências de inteligência se reúnem para uma reunião mensal para discutir a autorização de exportações.

A França no ano passado ganhou suas maiores encomendas para exportações de armas, chegando aos 18 bilhões de dólares, acima dos 10,2 bilhões de 2014, e espera angariar um valor semelhante este ano.


GBN seu canal de informações e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário