terça-feira, 10 de outubro de 2017

US Navy perderá capacidades importantes a partir de 2020

A frota de superfície da Marinha dos Estados Unidos começará a perder alguns de seus mais importantes meios em 2020 a uma taxa de dois navios por ano.

Em 2020, os cruzadores “Mobile Bay” e “Bunker Hill” alcançarão o fim da sua vida após 35 anos de intenso serviço, e estão programados para o desmantelamento. Mas, apesar da idade dos cascos, alguns observadores detestam ver os cruzadores desativados, especialmente porque não há substituição imediata para navios de sua categoria, os quais possuem a capacidade de lançamento vertical de 122.

"Eu acho que a ideia certa é colocá-los em um Programa de Extensão de Vida e mantê-los na frota", disse Jerry Hendrix, um capitão da reserva da US Navy e analista. “É mais barato fazer isso do que uma nova embarcação para substitui-los”.

"Além disso, você tem 122 tubos VLS lá, e se você está substituindo estes por DDGs Arleigh Burke, você esta perdendo 25% da capacidade de mísseis. Nós realmente precisamos desses tubos. Precisamos desta capacidade".

De acordo com o plano de construção naval dos próximos 30 anos da US Navy, a marinha continuará a ter entre 98 e 100 grandes navios de superfície na frota durante o período em que os cruzadores serão desativados. A US Navy está colocando sistematicamente os 11 cruzadores mais novos em espera para modernizá-los e ampliar sua vida útil até o final da década de 2030. Mas um cronograma de desmantelamento divulgado recentemente mostra que os 11 cruzadores mais antigos estarão fora da frota até o final de 2026.

Bryan McGrath, analista e consultor que administra The FerryBridge Group, disse que o desmantelamento dos cruzadores prejudicaria a capacidade de superfície da US Navy e que colocá-los em um Programa de Extensão de Vida é uma alternativa melhor.

"É um sinal do problema do orçamento da US Navy", disse McGrath. "A fim de apresentar um programa equilibrado de modernização, manutenção, aquisição, pessoal e tudo o que a marinha tem que pagar: Eles estão cortando tudo, já não há mais gordura ou o que cortar e agora chegaram aos ossos".

"A administração pode falar sobre a necessidade de uma marinha de 350 navios, e depois sobre a conservação da capacidade atual para atender às necessidades atuais. É triste, é irresponsável e precisa parar."

Os cruzadores, no entanto, foram construídos para operar apenas por 35 anos, e os navios da frota passaram por décadas. A superestrutura de alumínio, por exemplo, tem constantemente problemas de fadiga.




Uma marinha de 355 navios

O que não está claro é o efeito que o desmantelamento dos cruzadores mais antigos teria no objetivo declarado, mas não financiado, de 355 navios.

Nenhuma das avaliações da estrutura da força levam a frota de 355 navios o que exige que  se mantenha os 11 cruzadores mais antigos da frota após o fim de sua vida útil, de acordo com uma fonte do programa de construção naval da marinha.

O que esta claro é que o desmantelamento de cruzadores tem sido politicamente complicado para a Marinha há anos.

Em 2012 e 2013, a administração Obama propôs o desmantelamento de nove dos cruzadores como uma medida de redução de custos, mas foi repetidamente bloqueado pelo Congresso, um esforço liderado pelo então representante da Virgínia, Randy Forbes. Mas os cruzadores que a Marinha planejava desmantelar tinham cerca de uma década de vida útil restante, e os cruzadores que agora estão sendo planejados para o desmantelamento estão todos no limite.

A Marinha está atualmente executando o que é conhecido como o plano 2-4-6, um compromisso estabelecido entre o Congresso e a US Navy para manter pelo menos 11 cruzadores na frota para prover a defesa aérea dos 11 porta-aviões da frota até 2040.

O plano 2-4-6 determina que dois navios de cada vez passarão por modernização, que não dure mais de quatro anos e que mais de seis navios estarão nesse status inativo ao mesmo tempo.

Em um comunicado a US Navy afirmou que o atual plano de desmantelamento cumpre o plano 2-4-6 exigido pelo Congresso e mantém a marinha dentro do seu orçamento.

"O plano de modernização dos cruzadores fornece o equilíbrio mais efetivo dos requisitos de combate, legislação e restrições fiscais", disse o tenente Seth Clarke, porta-voz da US Navy.

De acordo com o cronograma, o último cruzador, o Cape St. George, deixaria a frota em 2038, com 40 anos de serviço, fora os quatro anos que gastaria em modernização ".

Quanto ao problema com o número reduzido de tubos VLS, a troca de um cruzador por um novo destroier reduziria os VLS disponíveis na US Navy em cerca de 300 tubos. Mas o que não está claro é como, por exemplo, o novo módulo e um novo programa de fragata de mísseis guiados podem compensar o número reduzido de células atualmente com a saída dos cruzadores.

O que esta claro é que não há escassez na demanda pela capacidade VLS da marinha, especialmente devido as missões de defesa contra mísseis balísticos, que se tornam cada vez mais importantes e colocam uma pressão cada vez maior sobre os navios de superfície da frota.


Atualmente, a US Navy possui 34 navios capazes de prover defesa contra  mísseis balísticos (32 se você subtrair os dois navios que estão atualmente inoperantes devido as colisões). A Marinha propõe continuar atualizando e estendendo a vida dos destroier em seu inventário para cobrir suas missões de BMD, o que pode afetar a capacidade da Marinha de usar o navio em vários cenários porque tem que ficar em um determinado local para garantir que ele possa ter uma solução de tiro contra um míssil balístico disparado pela Coréia do Norte ou pelo Irã.

GBN News -  informação começa aqui
com agências

0 comentários:

Postar um comentário