terça-feira, 10 de outubro de 2017

Coreia do Sul desenvolve “bomba do apagão” para usar contra Kim Jong-un

A Coreia do Sul desenvolveu uma bomba tipo grafite, capaz de paralisar o fornecimento de energia na Coreia do Norte, impedindo que Kim Jong-un provoque uma guerra nuclear.
A agência de notícias Yonhap, em Seul, informa que a bomba “apagão” causa curto circuito nas redes de eletricidade, espalhando filamentos de grafite feitos com carbono quimicamente modificado.
Na primeira vez que uma bomba desse tipo foi disparada, o alvo foi o Iraque, durante a Guerra do Golfo. Em seguida, em 1999, a OTAN usou uma tecnologia parecida contra a Sérvia, causando uma queda de energia em 75 a 80 por cento do país.
De acordo com relatos, as armas foram desenvolvidas pela Agência para o Desenvolvimento de Defesa da Coreia do Sul, como parte de um programa de ataque preventivo.
“Todas as tecnologias para o desenvolvimento de uma bomba de gravite pela ADD foram asseguradas”, disse um oficial militar.
“Estamos num estágio em que podemos construir as bombas a qualquer momento”.
No mês passado, a Coreia do Sul efetuou um ataque simulado no local de testes nucleares da Coreia do Norte, seguido por exercícios militares dos Estados Unidos, em agosto.
Ao mesmo tempo, Seul aprovou a instalação de um sistema antimísseis americano.
As notícias da bomba apagão chegam enquanto Donald Trump continua sua guerra de palavras com a Coreia do Norte, twitando que “apenas uma coisa irá funcionar” contra o regime.
No Twitter, o presidente americano disse que os acordos feitos com os presidentes americanos anteriores foram violados “antes da tinta neles secar”.
“Presidentes e seus gabinetes têm negociado com a Coreia do Norte há 25 anos. Acordos foram feitos e grandes quantidades de dinheiro foram liberadas…”, escreveu ele.
E acrescentou: “… não funcionou. Os acordos foram violados antes da tinta neles secar, fazendo os americanos de bobos. Sinto muito, negociadores, Mas apenas uma coisa funcionará!
Esses comentários vieram poucos dias depois do Presidente americano afirmar a repórteres e militares de alta patente que eles estão passando pela “calmaria antes da tempestade”.
No mês passado, James Mattis, Secretário de Defesa americano, avisou que qualquer ameaça aos Estados Unidos, seus territórios ou aliados, “será respondida com uma massiva ação militar”.
Nas Nações Unidas, Trump se refere a Kim Jong-un como “homem foguete” e ameaça “destruir totalmente” a Coreia do Norte.
“O flagelo de nosso planeta é um pequeno grupo de regimes desonestos. Se os homens justos, de bem, não enfrentarem os perversos, o mal triunfará”, disse ele.
Em setembro, a Coreia do Norte testou sua mais poderosa arma nuclear até esta data, causando um terremoto de magnitude 6.3 no seu local de testes, em Punggye-ri.

Fonte: Yahoo

0 comentários:

Postar um comentário