quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Pentágono inicia profunda revisão de custos do F-35

O Departamento de Defesa dos EUA iniciou uma intensiva revisão nos custos do programa F-35 JSF, enquanto uma equipe de funcionários do Pentágono avalia a enorme cadeia de suprimentos do caça, segundo fora noticiado na última segunda-feira (23).

O Pentágono sabe o quanto está pagando pelo F-35, mas um mergulho profundo nos custos ajudará as autoridades a entender o verdadeiro custo da nova aeronave, além de estudar o que pode ser feito para diminuir ainda mais o custo do bilionário programa, disse Shay Assad, diretor do departamento de custos de defesa.

Durante as próximas semanas, a equipe de avaliação se reunirá com os três principais fornecedores do Lockheed Martin F-35, bem como da BAE Systems e da Northrop Grumman, que fazem grande parte da fuselagem e apresentam os parâmetros para revisão.

"A Lockheed está familiarizada com este processo, porque já fizemos isso antes com eles, então isso não é algo novo", disse Assad. "Muitas das coisas que estamos falando são apenas práticas que ocorreram no passado, isso será muito mais rigoroso. Então, vamos executa-lo com as empresas. E nós também apresentamos para eles: Aqui está nosso plano em termos de base de fornecedores, e isso é o que queremos fazer, e depois saia e realize o trabalho".

A revisão levará cerca de um ano para ser concluída.

"É um esforço muito intenso", disse ele.

Enquanto Assad tem um objetivo de redução de custos em mente, ele se recusou a compartilhar esse número, dizendo que quer garantir que seja viável antes de divulgar publicamente o quanto ele espera que o preço de produção e operação do F-35 diminua.

"Quais são as oportunidades que eles acreditam que podem implementar realisticamente? Não tem sentido criar metas que sejam ficção. Eu não acredito nesse tipo de coisas ", disse ele.

No entanto, Assad observou que ele pensa que a Lockheed pode reduzir os custos unitários além do seu objetivo atual: um modelo de decolagem e pouso convencional F-35A de 80 milhões até 2020.

"Eu acho que nossa visão é que acreditamos que há uma oportunidade em toda a cadeia, da Lockheed Martin, a Northrop até a BAE e seus fornecedores. Queremos trabalhar com as empresas em colaboração para chegar nesse caminho para melhorias ", afirmou.

Assad anunciou a revisão profunda em março, dizendo que esperava que ajudasse o departamento a saber onde alterar a cadeia de suprimentos e empurrar as empresas a investir seus próprios fundos nas melhorias e redução de custos no processo de fabricação.

Em setembro, o Vice-Adm. Mat Winter, chefe do escritório conjunto do programa F-35, disse que o trabalho de Assad já começou a influenciar as negociações do contrato para compras internacionais que englobam os lotes 12, 13 e 14.

GBN News - A informação começa aqui
com agências

0 comentários:

Postar um comentário