domingo, 22 de outubro de 2017

Trump vai tornar públicos arquivos sobre morte de JFK

O presidente americano, Donald Trump, anunciou neste sábado (21) que vai tornar públicos os arquivos secretos sobre o assassinato de John F. Kennedy, morto a tiros em Dallas, Texas, em 22 de novembro de 1963.
Ao todo, são mais de 3 mil documentos ainda pendentes de publicação, em sua maioria da CIA, FBI e Departamento de Justiça. Uma lei de 1992 diz que eles têm que ser publicados até a próxima quinta-feira, a não ser que Trump decida o contrário.
"Dependendo do recebimento de mais informação, permitirei, como presidente, que sejam abertos os arquivos-JFK que durante muito tempo permaneceram bloqueados e confidenciais", escreveu o presidente no Twitter.
Segundo informou a Casa Branca à revista Politico, o governo está trabalhando para assegurar a publicação da maior quantidade de documentos possível, mas há a preocupação de que, como alguns papéis são da década de 1990, possam ter informações que ponham em risco a segurança nacional.
A pressão é feita sobretudo por parte da CIA, a agência inteligência americana, que argumenta que alguns espiões mencionados nos arquivos continuam vivos.
A divulgação destes documentos é possibilitada graças à lei JFK Records, aprovada em 1992 devido ao grande interesse pelo caso após a estreia do filme JFK: a pergunta que não quer calar (1991), no qual o cineasta Oliver Stone dava outra visão sobre o assassinato.
No longa, Stone delineou uma hipótese defendida pelos investigadores Jim Garrison e Jim Marrs que alimentava as velhas teorias conspiratórias. A tese descartava o relatório oficial da famosa Comissão Warren, que apontou um só homem como responsável: Lee Harvey Oswald.
O escritor Gerald Posner, que em 1993 foi finalista do Pulitzer de História com o livro Case closed (caso encerrado, em tradução livre), disse à CNN que os documentos com potencial mais revelador são os relacionados à viagem de Oswald ao México sete semanas antes do assassinato.
Posner considera que as conclusões da chamada Comissão Warren são corretas e que não houve nenhuma conspiração.

Após a tragédia, com o país ainda perturbado, foi criada uma comissão de investigação liderada pelo então presidente do Supremo Tribunal, Earl Warren, que determinou, não sem controvérsias, que Oswald cometera o crime por conta própria e sem ajuda.

Caso não autorize a divulgação dos documentos, como é a sua prerrogativa como presidente, Trump pode ordenar que eles não sejam revelados durante outros 25 anos.
Barack Obama, enquanto estava no poder, decidiu adiar a divulgação dos documentos da CIA relacionados a outro polêmico caso da época, a invasão da Baía dos Porcos, o que impossibilita esclarecer, por exemplo, o compromisso de Kennedy de ajudar os exilados cubanos que em 1961 tentaram derrubar Fidel Castro.

Fonte: Deutsche Welle

0 comentários:

Postar um comentário