quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Russos advertem EUA contra ataques do SDF à forças do governo na Síria

Moscou advertiu os EUA que se os rebeldes sob seu apoio no nordeste da Síria novamente atacarem posições das forças pró-governo apoiadas pela Rússia, os militares russos usarão toda a sua força para retaliar.
As tropas da Força Democrática da Síria (SDF), uma milícia predominantemente curda que recebe apoio do exército dos EUA, atacaram duas vezes posições do exército sírio na província de Deir ez-Zor com artilharia, de acordo com porta voz do Ministério da Defesa russo , o major-geral Igor Konashenkov.
"A Rússia declarou inequivocamente aos comandantes das forças dos EUA na base aérea de Al Udeid (Qatar) que não tolerará qualquer bombardeio nas áreas onde o SDF está estacionado", disse Konashenkov, acrescentando que os ataques colocam em risco os conselheiros militares russos que atuam em estreita colaboração com as tropas do governo sírio .
"O ataque as nossas posições nas regiões controladas pelo SDF serão suprimidos por todos os meios necessários" , ressaltou.
Konashenkov disse que Moscou suspeita que o SDF esteja de conluio com o grupo do EI em Deir ez-Zor, em vez de lutar contra ele, como afirmam. Ele disse que a Rússia detectou a transferência de combatentes do SDF para fortaleza do EI em Raqqa, supostamente unindo forças com os jihadistas.
"Os militantes do SDF trabalham com os mesmos objetivos que os terroristas do EI. Os drones e a inteligência russa não registraram confrontos entre o EI e a "terceira força", o SDF ", disse o general russo.
O comunicado disse que o cerco de Raqqa pelo SDF foi interrompido, aparentemente em resposta aos últimos avanços das forças do governo sírio em Deir ez-Zor, que está localizado a leste a partir de Raqqa ao longo do rio Eufrates.
"As partes centrais da antiga capital do EI, que representam cerca de 25% da cidade, continuam sob o controle total dos terroristas", observou Konashenkov.
De acordo com o comunicado, nas últimas 24 horas as tropas do governo sírio "continuaram sua operação ofensiva" para destruir a última "cabeça de ponte do EI" perto da cidade de Deir ez-Zor, capital da província. As tropas lideradas pelo exército sírio, Suheil al-Hassan, liberaram cerca de 16 quilômetros quadrados de território e dois assentamentos na margem ocidental do rio Eufrates.
"Mais de 85% do território de Deir ez-Zor está sob o controle total das tropas sírias. Na próxima semana, a cidade será totalmente libertada", disse Konashenkov.
A cidade de Deir ez-Zor no leste da Síria foi sitiada pelo Estado islâmico em 2014. As forças do governo sírio romperam o bloqueio a cidade no início de setembro.
No entanto, a libertação de Deir ez-Zor também desencadeou um confronto entre as forças do governo sírio e os militantes do SDF apoiados pelos EUA, o ponto de disputa sendo o controle dos campos petrolíferos de Deir ez-Zor.
Após a vitória estratégica de Damasco, alimentos, remédios e outros itens essenciais começaram a chegar à cidade através de comboios, onde anteriormente os habitantes tinham que confiar na ajuda que vinha por via aérea, sendo a ajuda insuficiente para atender a demanda da cidade sitiada.
A escalada de tensão no leste da Síria é refletida no governador ocidental de Idlib, onde forças militantes nesta semana atacaram posições sírias em uma zona desmilitarizada. A ofensiva ameaçou uma unidade da polícia militar russa, que estava estacionada na área para monitorar o cessar-fogo. A Rússia montou uma operação de resgate emergencial nesta quarta-feira (20), na qual três operadores da força de operações especiais russas foram feridos. O Ministério da Defesa russo afirmou que a ofensiva dos militantes havia sido instigada pelos serviços especiais dos EUA.
As tensões entre as forças do governo apoiadas pela Rússia e a oposição síria apoiada pelos EUA, tem aumentado a medida que a luta contra o EI vai chegando ao fim com a retomada dos redutos outrora dominados pelo grupo terrorista, o que reacende a disputa entre o Governo Legítimo da Síria e os rebeldes apoiados pelos EUA.

GBN News - A informação começa aqui
com agências

0 comentários:

Postar um comentário