quinta-feira, 21 de setembro de 2017

A evolução do Estado Islâmico no Iraque

Seguem abaixo as principais datas do grupo extremista Estado Islâmico (EI) no Iraque:
- Criação do EIIL -
- 9 de abril de 2013: O líder extremista Abu al-Baghdadi anuncia uma fusão de seu grupo Estado Islâmico no Iraque (EII) com a Frente al-Nusra, que combate o governo Bashar al-Assad na Síria, para formar o Estado Islâmico no Iraque e no Levante (EIIL).
Al-Nusra rejeita, porém, a liderança de Baghdadi e declara fidelidade ao chefe da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri. A Al-Qaeda se nega a reconhecer o EIIL no início de 2014.
- Avanço fulgurante -
- 9 de junho de 2014: no noroeste do Iraque, o EIIL lança uma forte ofensiva e se apodera de Mossul, segunda cidade do país.
Posteriormente, durante o verão, conquista grandes territórios nos confins do Curdistão iraquiano autônomo, expulsando milhares de integrantes das minorias cristã e yazidi.
Contando com o apoio de ex-oficiais do ditador Saddam Hussein, de grupos salafistas e de algumas tribos, desde janeiro, o EIIL já controlava Fallujah e zonas da província ocidental de Al-Anbar, vizinha de Nínive.
- 'Califado' -
- 29 de junho de 2014: O EIIL proclama um "califado" dirigido por seu chefe Al-Baghdadi, convertido em "califa Ibrahim" dos territórios conquistados no Iraque e na Síria, e muda o nome do grupo para "Estado Islâmico" (EI).
Em 5 de julho, Al-Baghdadi aparece pela primeira vez em um vídeo publicado nos sites extremistas e convoca os muçulmanos a lhe obedecer.
- Destruição de monumentos -
Em julho de 2014, o EI dinamita em Mossul o túmulo do profeta Jonas, também conhecido como Nabi Yunes. Saqueia tesouros pré-islâmicos do museu local e incendeia a biblioteca.
O sítio arqueológico de Nimrud, joia do império assírio, e a cidade de Hatra, do período romano, também são seriamente danificados.
- Coalizão dirigida por Washington -
- 8 de agosto de 2014: os Estados Unidos lançam bombardeios anti-EI no Iraque e, depois, constituem uma coalizão internacional. Com a colaboração de aliados árabes, em setembro, Washington realiza os primeiros bombardeios contra os extremistas na Síria.
- Derrotas -
- 31 de março de 2015: As forças iraquianas recuperam Tikrit (norte de Bagdá) das mãos do EI, que controlava a cidade há dez meses.
Nos 12 meses seguintes, as forças iraquianas, ou curdas, recuperam várias das localidades que o EI havia conseguido controlar após sua ofensiva, entre elas Sinjar (norte), Ramadi (capital da província de Al-Anbar, fronteiriça com a Síria), ou Fallujah, primeira cidade iraquiana tomada pelos extremistas.
- Sangrentos atentados -
- Em 11 de maio de 2016, três carros-bomba matam mais de 90 pessoas em Bagdá. Em 3 de julho de 2016, mais de 320 pessoas morrem em um atentado suicida em um bairro xiita da capital. O EI reivindica os dois ataques.
O grupo extremista sunita continua atacando os xiitas, maioria no Iraque, por considerá-los hereges.
- Reconquista de Mossul -
- 17 de outubro de 2016: As forças iraquianas lançam uma ampla operação para expulsar os extremistas de Mossul, cidade tomada pelo grupo em junho de 2014. Após três meses, conseguem reconquistar sua parte leste.
- 19 de fevereiro de 2017: o primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, anuncia o lançamento das "operações de libertação" da parte oeste de Mossul.
- Em 10 de julho, Al-Abadi proclama a vitória.
- Tal-Afar e Nínive -
- Em 20 de agosto de 2017, as forças iraquianas lançam o ataque ao reduto extremista de Tal-Afar (norte).
- Em 31 de agosto, anunciam sua reconquista, juntamente com toda província de Nínive.
- Batalha de Al-Qaim -
- Em 19 de setembro, as forças iraquianas, apoiadas por unidades paramilitares e pela coalizão, lançam a ofensiva em Al-Anbar.
O objetivo é retomar os redutos remanescentes do EI nesta província: Anna, Rawa e Al-Qaim, última localidade antes da fronteira com a Síria.
- Batalha de Hawija -
- Em 1º de setembro, forças do governo e paramilitares anunciam que a batalha para recuperar Hawija, na província de Kirkuk, será lançada em breve.
- Em 21 de setembro, Al-Abadi anuncia o início da operação.

Fonte: AFP

0 comentários:

Postar um comentário