quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Varshavyanka - O "Buraco Negro" da marinha russa

A Marinha da Rússia reforçou o potencial de combate da sua frota do Mar Negro com os novos submarinos diesel-elétricos Varshavyanka (projeto 636,6). Quatro submarinos deste tipo já estão em serviço no Mar Negro e mais dois estão prestes a juntar-se em novembro deste ano. No momento, eles estão em fase de testes no Golfo da Finlândia e no mar Báltico. Os submarinos desta classe possuem a fama de ser um dos mais silenciosos. Identificar um submarino Varshavyanka quando submerso é uma tarefa difícil. A OTAN refere-se ao s submarinos do projeto 636.6 submarinos como "buracos negros" no oceano.


Por trás do seu nome

O nome de toda a família de submarinos - Varshavyanka - remonta à década de 1970, quando não havia planos para fornecer grandes lotes de submarinos do projeto 877EKM, uma configuração de exportação dos submarinos de Projeto 877 "Paltus" para os países-membros da Organização do Tratado de Varsóvia. Tais submarinos ainda estão em serviço na Índia, China, Vietnã, Argélia e outros países.

O Projeto 636 pertence à terceira geração de submarinos diesel-elétricos. Eles foram desenvolvidos no departamento de projeto Rubin, que usou os submarinos "Paltus" como base. Seus sistemas eletrônicos foram atualizados e a eficiência de combate reforçada. Além disso, eles possuem os mais recentes sistemas de rádio-eletrônico e hidroacústica.

Ao lado dos submarinos da Classe "Borei" de propulsão nuclear, o Varshavyanka parece pequeno, o deslocamento de cada submarino estratégico do projeto 955 é seis vezes maior do que de um Varshavyanka. Cada "Borei" equivale á dois Varshavyankas e meio de comprimento. O Projeto 636 possui cerca de 74 metros de comprimento e dez metros de largura, com deslocamento não superior a 4.000 toneladas. A profundidade máxima de operação do casco é de 300 metros.

O submarino Varshavyanka tem dois geradores a diesel de 1.500hp, um motor elétrico  de propulsão e um motor elétrico de reserva. Além disso, o submarino tem dois motores a diesel de stand by e dois conjuntos de baterias elétricas. Uma hélice de sete lâminas garante a velocidade máxima do submarino de 17 nós (mais de 30Km/h) na superfície e até 20 nós submerso.

Arma principal

Os mísseis de cruzeiro Kalibr são a arma principal do Projeto 636,6. Na seção de proa do Varshavyanka existem seis tubos de torpedos de 533 mm. O conjunto padrão de munição é composto por 18 torpedos ou 24 minas e mísseis de cruzeiro Kalibr-PL, capazes de atingir alvos eficazmente há cerca de 2.000 Km de distância.

De acordo com o Ministério da Defesa russo, os mísseis desse tipo possuem baixa observabilidade. Capaz de seguir as características do terreno voando em um perfil de altitudes extra-baixas, os mísseis de cruzeiro são difíceis de ser identificados por qualquer defesa aérea. A sua precisão, independentemente do perfil de voo, é apenas de alguns metros. Cada míssil Kalibr está armado com uma ogiva de 500 kg. O sistema incorpora cinco mísseis diferentes com base no combate antinavio, guarnecido pelos misseis de cruzeiro 3M54E Granat. Sua versão de exportação (Club) pode transportar diferentes tipos de cargas úteis capaz de atingir alvos dentro de um alcance de até 300 quilômetros.

A faixa de detecção de alvos pelo Projeto 636 é muito grande. Os submarinos Varshavyanka são capazes de identificar os navios inimigos e outros alvos a uma distância máxima, aproximando-se e monitorado sem se expôr e se necessário é capaz de lançar seu armamento á uma distancia segura.

A principal tarefa do Varshavyanka é proteger as bases navais e rotas marítimas de submarinos de ataque e navios de superfície inimigos. Além disso, ele pode executar missões de reconhecimento e patrulha em alto mar e atacar a infraestruturas costeiras com seus mísseis de cruzeiro.


Mais Submarinos na Família

O estaleiro Admiralty Shipyards de São Petersburgo construiu uma família de seis submarinos para a Frota do Mar Negro. Todos levam o nome de cidades russas.

Os quatro primeiros submarinos foram nomeados com cidades do sul da Rússia: Novorossiysk, Rostov-on-Don, Stary Oskol e Krasnodar. O quinto (Veliki Novgorod) e o sexto (Kolpino) foram nomeados com uma antiga cidade russa no noroeste do país e um subúrbio de St. Petersburg.

No início de setembro 2016 foi assinado um contrato para outro lote de seis submarinos a ser construído para a Frota do Pacífico entre 2019-2021.

No Pacífico, os submarinos Varshavyanka irão adicionar um importante potencial de combate á Marinha da Rússia no Extremo Oriente. Eles serão capazes de patrulhar as águas internacionais do Mar da China Meridional e no Mar do Japão, e "silenciosamente" acompanhar os desenvolvimentos em curso na região.

Batismo de fogo

Os submarinos da Classe Varshavyanka exibiram as suas capacidades de combate em ação real em dezembro de 2015 durante a operação militar da Rússia na Síria. O submarino "Rostov-on-Don" (B-237) disparou uma salva de mísseis de cruzeiro Kalibr-PL contra as instalações do Estado Islâmico  na província de Raqqa na Síria.

Era o primeiro ataque de mísseis da frota de submarinos russa contra um inimigo real.


GBN seu canal de informações e notícias
com agências de notícias


0 comentários:

Postar um comentário