domingo, 13 de dezembro de 2015

Incidente aumentam tensão entre Rússia e Turquia no Mar Egeu

Uma embarcação de pesca turca violou os regulamentos internacionais ao se aproximar de maneira perigosa do destróier russo "Smetlivy" , as duas embarcações quase colidiram no Mar Egeu. Tendo o destróier russo que efetuar disparos de aviso para que a colisão fosse evitada.

Autoridades russas se pronunciaram sobre o caso e alertaram para que os tratados e regulamentos internacionais sejam seguidos afim de evitar um incidente mais grave. 

Segundo pronunciamento realizado, a Rússia, advertiu que tal ocorrência não deve se repetir, pois garantiram que vão seguir as medidas previstas nos acordos e leis internacionais e responderam a tais atos de forma enérgica e efetiva.

De acordo com Kalashnikov, tais ações só agravam a relação entre a Rússia e a Turquia, que já é tensa no momento.

Hoje cedo, a tripulação do destróier "Smetlivy" foi forçada a usar armas de fogo para evitar uma colisão com uma embarcação de pesca turca na parte norte do Mar Egeu, de acordo com o Ministério da Defesa da Rússia.

A tripulação do destróier avistou a embarcação turca que se aproximou a uma distância de aproximadamente um quilômetro. O pesqueiro não tentou estabelecer contato por rádio com o navio russo e não respondeu a sinalização de lâmpadas ou flairs.

Após perigosa aproximação do pesqueiro Turco do "Smetlivy" a uma distância de 600 metros , o navio russo disparou para evitar a colisão.

De acordo com o Ministério da Defesa russo, o navio turco imediatamente mudou seu curso e, sem entrar em contato com a tripulação russa, continuou navegando proximo ao "Smetlivy", mantendo  uma distância de 540 metros.

Após o incidente, um adido militar na embaixada turca em Moscou foi urgentemente convocado ao Ministério da Defesa russo pelo ministro da Defesa Anatoly Antonov.

O incidente acontece em meio a tensões russo-turca após o abate de um caça bombardeiro Su-24 da Força Aérea da Rússia pela força aérea turca sobre a Síria em 24 de novembro.

Fonte: GBN com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário