segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Bombardeio de coalizão mata soldados em campo do exército sírio

O ministério sírio das Relações Exteriores condenou nesta segunda-feira o bombardeio da coalizão liderada pelos Estados Unidos contra um campo militar que matou vários soldados, classificando-o de "agressão flagrante", segundo a imprensa estatal.
"A República Árabe Síria condena esta agressão flagrante da coalizão liderada pelos Estados Unidos que viola abertamente a Carta da ONU", disse o ministério em uma carta enviada ao Conselho de Segurança e ao secretário-geral das Nações Unidas.
Segundo o ministério, três soldados sírios morreram e 13 ficaram feridos por quatro aviões da coalizão em um campo militar da província de Deir Ezzor, no leste da Síria.
A coalizão desmentiu, minutos depois, ter bombardeado estas instalações militares.
"Estamos cientes destas informações publicadas na imprensa, mas não realizamos nenhum bombardeio nesta parte da (província) de Deir Ezzor, e sim a 55 quilômetros dali", indicou à AFP o porta-voz da coalizão, o coronel Steve Warren.
Breet McGurk, enviado especial do presidente americano Barack Obama ante a coalizão, também desmentiu no Twitter a versão do governo sírio.
"As informações sobre o envolvimento da coalizão são falsas", escreveu.
O ministério sírio das Relações Exteriores pediu "ao Conselho de Segurança da ONU que atue imediatamente ante esta agressão e tome as medidas apropriadas para evitar que se reproduzam", disse em sua carta.
O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) indicou pouco antes que os bombardeios deixaram quatro soldados sírios mortos e 13 feridos.
Esta ONG com sede no Reino Unido, que conta com uma rede de colaboradores na Síria, explicou que os ataques ocorreram no oeste de Deir Ezzor, a dois quilômetros de uma área controlada pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI).
Segundo o OSDH, é a primeira vez em que a coalizão antijihadista internacional matou soldados sírios em um de seus bombardeios.
Grande parte de Deir Ezzor está sob o controle do EI, mas o regime segue presente em pequenas zonas da província, incluindo a capital.
A coalizão realiza bombardeios contra o EI desde setembro de 2014, e não coordena seus ataques com o governo de Bashar al-Assad.
Damasco criticou com frequência os bombardeios da coalizão, ao considerar que são ineficazes e ilegais, já que não são coordenados com as tropas governamentais.
"A coalizão americana carece de seriedade e credibilidade para combater o terrorismo de forma efetiva", afirmou o ministério sírio das Relações Exteriores.
Fonte: AFP

0 comentários:

Postar um comentário