sábado, 7 de maio de 2016

Treze conselheiros militares iranianos morrem na Síria

Treze conselheiros militares iranianos morreram e 21 ficaram feridos nos últimos dias em combates na região de Aleppo (norte da Síria), informam neste sábado os meios de comunicação iranianos.
Estes conselheiros, membros dos Guardiões da Revolução, exército de elite do Irã, eram todos originários da província de Mazandaran (norte), declarou às agências de notícias Isna e Fars Hossein Ali Rezayi, porta-voz dos Guardiões da Revolução desta província.
A agência de notícias oficial Irna também confirmou a informação, afirmando que, de acordo com os Guardiães da Revolução de Mazandaran, os combatentes iranianos foram mortos ou feridos em Khan Tumane, uma cidade cerca de dez quilômetros ao sudoeste de Aleppo.
Na sexta-feira, o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) indicou que a Frente Al-Nosra (braço sírio da Al-Qaeda) e seus aliados haviam tomado durante a madrugada Khan Tumane e aldeias vizinhas após menos de 24 horas de combates que deixaram mais de 70 mortos.
"Pelo menos 43 combatentes da Al-Nosra e seus aliados, incluindo um comandante local, e 30 no lado do regime e das milícias aliadas morreram nesta batalha", informou o Observatório, que conta com uma ampla rede de fontes através de toda a Síria.
Uma trégua patrocinada por Moscou e Washington na cidade de Aleppo, que deveria expirar neste sábado às 01h01, foi prorrogada até terça-feira às 00h01, anunciou Moscou, aliado do presidente sírio Bashar al-Assad.
O Irã é outro grande aliado de Damasco, que ele apoia enviando "conselheiros militares" e "voluntários".
Dezenas de "conselheiros" iranianos morreram na Síria desde o final de 2015, incluindo comandantes dos Guardiões da Revolução.

Fonte: AFP

0 comentários:

Postar um comentário