sábado, 28 de maio de 2016

França segue inflexível diante de greves por reforma trabalhista

O governo francês mantém-se inflexível neste sábado (28) diante da revolta social contra a reforma trabalhista, em meio a uma nova semana de mobilizações convocadas pelos sindicatos, que querem manter a pressão sobre as autoridades para obter a retirada do projeto.

"Minha porta segue aberta, continuo disposto a discutir. Mas quando um texto foi discutido, gerou compromissos com as partes sociais, foi adotado pela Assembleia Nacional [câmara baixa], considero que minha responsabilidade é ir até o fim", declarou o primeiro-ministro, Manuel Valls, aos leitores do jornal "Aujourd'hui en France".
Há quase três meses, o texto, atualmente em discussão no Parlamento, divide a maioria socialista no poder, ao mesmo tempo em que seus detratores tentam paralisar o país para forçar sua retirada.
"Permanecerei firme porque é uma boa reforma", disse na sexta-feira (27) o chefe de Estado, François Hollande, ao fim da cúpula do G7 no Japão, reiterando seu apoio ao seu primeiro-ministro.
"Retirar o texto de lei seria uma coisa ruim para os trabalhadores", insistiu neste sábado Manuel Valls.
Valls se reunia neste sábado com os grupos petrolíferos e de transportes, dois dos setores mais afetados pelos bloqueios organizados pelos opositores da reforma.
O objetivo desta reunião é analisar o fornecimento atual de combustível, perturbado nos últimos dias após a paralisação total ou parcial de seis das oito refinarias francesas.
As forças de ordem desbloquearam na sexta-feira 15 depósitos petrolíferos (dos 100 que o país tem), mas 20% dos postos de combustível seguiam com dificuldades de fornecimento, segundo o governo.
'Determinação'

"Seguiremos liberando esses locais com determinação", insistiu Valls, diante do alerta do setor hoteleiro e de restaurantes, que apontaram "cancelamentos importantes" em Paris e no oeste da França por culpa das greves e dos problemas de combustível.

Diante do racionamento de combustível, os franceses, reagiram de forma contraditória. Queixam-se nas filas para obter combustível, mas ao mesmo tempo são cada vez mais partidários da suspensão do texto. Sete em cada dez franceses querem a retirada do projeto "para evitar a paralisação do país", segundo uma pesquisa.
Na quinta-feira (26), dezenas de milhares de manifestantes (300 mil, segundo o sindicato CGT, 153 mil segundo as autoridades) saíram novamente às ruas de toda a França. Os oito sindicatos contrários à lei, que a consideram excessivamente liberal, convocaram na sexta-feira a "continuar e amplificar a mobilização".
O conflito pode se propagar na próxima semana aos transportes.
Na terça-feira (32), em um dia que se anuncia crucial, a menos de duas semanas do início da Eurocopa de futebol, estão convocadas greves na rede ferroviária, no metrô parisiense e na aviação civil.
No dia 14 de junho está previsto um novo dia de mobilização, com uma "importante manifestação nacional" em Paris.
Fonte: AFP

0 comentários:

Postar um comentário