sexta-feira, 20 de maio de 2016

Rafale enfrenta burocracia na Índia

Apenas duas semanas atrás a compra de 36 caças Dassault Rafale pela Índia foi considerada eminente, mas o negócio tem desde então sido congelados e o diretor-geral de aquisição de defesa forçado a se afastar. os funcionários do Ministério da Defesa agora estão tomando "uma abordagem muito cautelosa quanto ao negócio de 8,9 bilhões de dólares para compra de 36 caças Rafale, disse uma fonte do Ministério da Defesa.

No começo do mês, por razões que não estão claras, o diretor de aquisição de defesa geral Smita Nagaraj foi involuntariamente colocado em licença por diferenças com os líderes Ministério da Defesa sobre as negociações envolvendo a aquisição dos caças Rafale, disse a fonte.

No início deste mês, os funcionários do Ministério da Defesa realizaram negociações sobre o acordo de compra dos caças Rafale com autoridades de defesa franceses e decidiu-se que a Índia para atender as suas necessidades imediatas faria um número indeterminado de compras de armamento, incluindo mísseis ar-ar Mica , mísseis ar-terra Scalp e o Meteor além de armas de precisão guiadas , a um custo de 1 bilhão de dólares. As negociações também incluiram um contrato de suporte, manutenção e engenharia durante cinco anos a um custo de 500 milhões.

O presidente Dassault, Eric Trappier, disse em 13 de abril  que esperava que um contrato fosse assinado "nos próximos dias", acrescentando: "Tenho grandes esperanças que o presente contrato poderá ser assinado com bastante rapidez."

O ministro da Defesa Manohar Parrikar informou ao Parlamento em 3 de maio que o Ministério revisou o Acordo Inter-Governamental (IGA) sobre o negócio do Rafale e que os resultados seriam tomados em consideração ao finalizar o IGA sobre o negócio Rafale.

A comissão permanente parlamentar de defesa expressou descontentamento com o fato de que o negócio não foi concluído.

"O comitê está infeliz ao notar que, embora um tempo considerável tenha decorrido, as negociações com a França sobre os Rafale não chegaram a um fim lógico", disse o relatório.

Mais cedo, uma fonte da embaixada francesa disse que houve um acordo esperado de 50% de compensações no negócio dos Rafale. A fonte disse que 30% das compensações serão destinadas a programas de pesquisa e desenvolvimento da aviação militar e os 20% restantes para as indústrias de defesa indiana que irão fornecer componentes para o Rafale.

Para executar as compensações, várias empresas francesas, incluindo a Safran e Thales, irão juntar-se a Dassault no fornecimento de tecnologias, radar, motorização para mísseis, e os materiais para eletrônica e micro-eletrônica, segundo a embaixada francesa.

A Índia pretende comprar todos os 36 caças Rafale na condição de fly-away, com a primeira entrega do Rafale dentro de 20 meses após a assinatura do contrato.

A França também vai fornecer cinco anos de manutenção e peças de reposição e suporte para as aeronaves Rafale.

GBN seu canal de informação e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário