segunda-feira, 30 de maio de 2016

O enviado russo à OTAN diz: "Mar Negro nunca será lago da OTAN"

Bruxelas entende perfeitamente que o Mar Negro nunca será um "lago da OTAN", disse o representante permanente da Rússia na OTAN Alexander Grushko em uma entrevista.

"Hoje, a OTAN está tentando transferir os regimes de confronto para as águas do Mar Negro", disse ele. "O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan disse recentemente que o Mar Negro está quase se transformando em um" lago russo " por causa da ausência da OTAN lá. Mas a OTAN entende perfeitamente que o Mar Negro nunca será um lago da OTAN, e nós estamos fazendo nosso melhor para neutralizar possíveis ameaças e tentativas de exercer pressão sobre a Rússia".

Ele lembrou que Frota da Rússia no Mar Negro "estava envolvida nos esforços internacionais para estabilizar a situação na região do Mediterrâneo e ao sul." "Assim, os navios da frota tomaram parte ativa em operações anti-pirataria em coordenação com a OTAN e a União Europeia", observou ele. "Agora, a OTAN tem denunciado isso."

Falando sobre a situação atual nas relações Rússia-OTAN, Grushko chamou a atenção para o fato que a "tendência para o agravamento das relações ainda não se esgotou."

"A julgar pelos resultados da recente reunião de chanceleres da Otan, a aliança deve continuar a política de 'contenção' da Rússia, apesar das suas próprias chamadas de diálogo político", disse o diplomata russo. "Eu não quero dizer que temos uma "guerra fria" em nossas relações com a OTAN, mas a aliança parece estar optando por regimes de segurança que remetem a era da Guerra-Fria. E isso faz com que soe o alarme porque implica não só a política, mas o acúmulo militar ".

"As políticas são materializados em hardware e as numerosas medidas tomadas hoje pelos Estados Unidos e seus aliados na Europa são voltadas para apertar esse modelo de confronto," disse Grushko . "E este modelo terá impacto de novas políticas."

Demolição do acordo Rússia-OTAN é muito perigoso


De acordo com o diplomata, cancelar o acordo Rússia-OTAN seria muito perigoso, pois levaria a uma nova espiral na corrida armamentista.

"O acordo Rússia-OTAN continua sendo um dos poucos meios de dissuasão", disse o diplomata. "É por isso que acreditamos que a sua importância não deve, de forma alguma, ser subestimada", acrescentou.

O embaixador da OTAN chamou a atenção para "as forças políticas existentes em uma série de países da OTAN que saem em favor da renúncia do documento". "Isso seria extremamente perigoso. Então, provavelmente, seria possível dizer que a Europa está em risco de perder os instrumentos restantes para garantir a segurança de que não seria baseado em um equilíbrio de ameaças e contra-ameaças", disse Grushko.

"Com a renúncia do Acordo, as suas disposições sobre restrição na esfera militar se tornarão um convite direto a uma nova fase da corrida armamentista", o diplomata sublinhou. "Esta evolução da situação vai desestabilizar substancialmente a situação na Europa, e não é do interesse da Europa", acrescentou.

As relações Rússia-OTAN é apenas um dos fatores que determinam a segurança europeia


Grushko também salientou que a ausência de tensões nas relações Rússia-OTAN não é o único fator da segurança europeia.

"A qualidade da segurança europeia dependerá não só da nossa capacidade de neutralizar as atuais tensões nas relações entre a OTAN e a Rússia em termos militares, mas também sobre a nossa capacidade de estabelecer uma cooperação coletiva real na luta contra as ameaças à segurança comum", disse o diplomata.

"A situação parece mais encorajadora aqui porque interesses pragmáticos estão levando a mão superior. Vemos que apesar das tentativas de usar uma organização como a OTAN como um instrumento para isolar a Rússia, a cooperação prática sobre os principais problemas internacionais e os desafios de segurança desenvolve outros formatos", o autoridade russa ressaltou.

Segundo ele, nas últimas décadas a comunidade internacional e os países europeus criaram um sistema bastante avançado de controle de armas no âmbito da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) e essas medidas desenvolvidas, permitiu prevenir e contrariar a ameaça do surgimento de incidentes militares deliberados e outros instrumentos, incluindo "linhas quentes" entre os militares.

"A Rússia concluiu um número inteiro de acordos bilaterais, inclusive com alguns países da OTAN", disse o diplomata. "Eles têm provado ser bom, especialmente nas relações russo-norueguesa, e têm sido aplicados de forma bastante eficaz no norte da Europa," segundo Grushko .

Grushko também nomeou outros formatos, incluindo o "quarteto" do Oriente Médio, o Grupo Internacional de Apoio a Síria. "Portanto, os países, que participam em tais esforços e que estão pronto para cooperar com a Rússia com base coletiva genuína; na base da igualdade e respeito aos nossos interesses de segurança legítimos devem aparentemente rever a política das organizações de que são membros. Quero dizer, não só OTAN, mas também a União Europeia ", concluiu o Representante Permanente da Rússia na OTAN.


GBN seu canal de informações e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário