sábado, 7 de maio de 2016

Finmeccanica vê boom de vendas do Eurofighter e registra queda no setor de helicópteros

Como se desenvolve a nova marca Leonardo, Finmeccanica da Itália está em boa forma graças a um novo acordo de venda do Eurofighter. No entanto, um declínio nas vendas de helicópteros estão a afetando negativamente a empresa.

A empresa, que atualmente é conhecida como Leonardo-Finmeccanica, divulgou os resultados do primeiro trimestre quinta-feira (5) que mostrou lucros antes dos juros, impostos e amortização (EBITA) que subiram 4,5%, para € 164 milhões (US$ 187 milhões).

Isso levou o CEO Mauro Moretti a dizer que a empresa "tinha o vento soprando em suas vendas."

Também se espera que as encomendas de 2016 venham a crescer rapidamente a partir de uma previsão de € 12,2-12,7 bilhões de euros para € 20 bilhões de euros em resposta ao acordo de € 8 bilhões que foi conquistado em abril com o Kuwait para a venda de 28 jatos Eurofighter, o  maior acordo já realizado pela empresa.

Moretti disse que a participação no negócio da Leonardo-Finmeccanica seria de 60%, enquanto o diretor financeiro Gian Piero Cutillo disse a analistas que a empresa seria "a única interface com o cliente", significando que não haveria um papel direto para os outros parceiros do Eurofighter, empresas como a BAE Systems ou Airbus.

O contrato de oito anos compreendido entre 2016-2023, com entregas começando em 2019 e com todos os procedimentos de produção, entrega e aceitação realizadas na Itália.

Questionado por analistas, Cutillo disse que € 8 bilhões, não cobria ofertas de apoio a longo prazo. Armamentos também estão ainda sendo negociados.

As receitas do negócio vão começar a partir de 2017 e executado através de 2021 em cerca de € 2 bilhões por ano.

Mas, apesar do resultado "incrível" apresentado por Moretti, o preço das ações da empresa caiu na sexta-feira (6) devido a preocupações com as encomendas de helicópteros, por muito tempo um pilar no balanço da empresa.

Enquanto as encomendas aeronáuticas aumentaram € 664 milhões no primeiro trimestre, graças às obras de construção civil com a Boeing e a venda das aeronaves de treinamento para a Itália, as vendas de eletrônicos aumentaram € 215 milhões sobre as vendas de sistemas de controle de tráfego aéreo, as encomendas de helicópteros registrou uma enorme queda, de € 1,35 bilhões no primeiro trimestre do ano passado para € 964 milhões no primeiro trimestre de 2016, uma queda de aproximadamente € 384 milhões.

O problema, disse os gerentes, estava no setor de petróleo e gás, que está comprando menos helicópteros para chegar as plataformas de petróleo, enquanto o preço do petróleo continua tão baixo.

As vendas totais caíram 4,4%, inferior à previsão média dos analistas.

Cutillo disse que as compras de helicóptero na segunda metade do ano seria mais elevada do que nos primeiros seis meses e que a rentabilidade final do ano no setor seria de dois dígitos, similar ao ano passado.

A empresa teria sido pré-selecionados, ao lado da Airbus, para o fornecimento de 12 helicópteros a Singapura, em um acordo de US $ 1 bilhão para substituir os envelhecidos Super Pumas.

Moretti foi levado a cortar custos, transformando unidades semi-autônomas da Leonardo-Finmeccanica em divisões mais bem coordenadas, e ele disse a uma comissão parlamentar italiana em 4 de maio que ele ainda estava lutando contra o desperdício de dinheiro  em contratos com fornecedores mal geridos.

"Estamos passando por uma grande dificuldade em programas estratégicos devido a problemas com o fornecimento, algo que não podemos permitir, porque pode levar ao fracasso de programas inteiros", disse ele. "No passado, a Finmeccanica perdeu cerca de € 1,4 bilhões com algumas instalações e não podemos permitir isso."

Um movimento que parece estar em espera é o plano para a empresa Avio, o construtor de satélites italiano, que conta com 14% até agora realizada.

A gestão da Avio disse no ano passado que a Finmeccanica começou a assumir da empresa Cinven de sede no Reino Unido, que passou a deter 86%.

A Cinven anteriormente propriedade de uma empresa maior, também chamada de Avio, que compreendia a atividade espacial e propulsão. O fundo vendeu a atividade de propulsão a General Electric em 2013, que a renomeou de Avio Aero, mantendo a atividade espacial.

Mas os movimentos para ceder o controle do negócio espacial para a Finmeccanica parecem ter parado.

"Nosso acionista disse que há muitas manifestações de interesse, mas eles continuam interessados na empresa e não veem nenhuma urgência para vender", disse o CEO da Avio Giulio Ranzo.

"A Cinven é flexível e considera que vale a pena manter o seu investimento", acrescentou. "Eles têm uma mente aberta e não há prazo e continuam vendo valor na empresa."

GBN seu canal de informações e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário