sexta-feira, 13 de maio de 2016

EUA e OTAN ativam sistema antimíssil na Romênia e criam desconforto na Rússia

Os Estados Unidos declararam como operacional o sistema antimíssil instalado na Romênia, que integra o escudo de defesa da NATO na Europa de Leste, vivamente contestado pela Rússia.
O secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, participou na cerimônia de ativação do sistema na base de Devesel, que Washington diz estar destinado a ameaças como o Irão e a Coreia do Norte.
O vice-secretário da Defesa dos Estados Unidos, Robert Work, afirmou que “nunca se tratou da Rússia”, mas de “mísseis vindos do Médio Oriente, em direção a aliados da NATO e forças norte-americanas na Europa. Os russos podem analisar as características técnicas”.
Mas Moscovo considera que a ativação do sistema em solo romeno constitui “uma ameaça à segurança” do território russo e que o escudo da NATO visa “as capacidades de dissuasão nuclear” da Rússia.
A porta-voz do ministério russo dos Negócios Estrangeiros, Maria Zakharova, afirmou que “a instalação deste tipo de plataformas em terra firme contradiz uma das disposições chave do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio. O que significa que os Estados Unidos violaram o tratado e isso precisa de ser dito abertamente e sem quaisquer expressões diplomáticas adicionais”.
O tratado a que Zakharova faz referência foi assinado entre os Estados Unidos e a então União Soviética, em 1987, e previa a eliminação de mísseis balísticos e de cruzeiro, lançados de plataformas terrestres, com um alcance de 500 a 5500 quilômetros.

5 razões pelas quais o escudo antimísseis dos EUA É uma ameaça para a Rússia

Moscou opôs-se ao longo de décadas aos planos norte-americanos de implantar um escudo antimísseis perto das fronteiras russas. Washington alega que o sistema não ameaça a segurança da Rússia, mas Moscou tem um número de razões para pensar o contrário.

Sistema na Romênia e Polónia poderiam ser usados disparar Tomahawks

O sistema operado na Europa é o Aegis, uma versão terrestre derivada do sistema de defesa antimísseis naval. Os mísseis Interceptores SM-3 padrão são lançados por uma variante do sistema de lançamento MK-41, o mesmo sistema de lançamento vertical, usado pela Marinha dos EUA para lançar mísseis de cruzeiro Tomahawk.
Os especialistas de defesa russos acreditam que o sistema instalado na Romênia e na Polônia pode ser convertido secretamente para permitir o lançamento de mísseis de cruzeiro contra alvos na Rússia. É proibido a instalação de mísseis Tomahawk de médio alcance na Europa pelo Tratado Forças Nucleares (INF) que Moscou e Washington assinaram em 1987. 

O sistemas constantemente monitora o espaço aéreo russo

Para operar os interceptadores de mísseis balísticos devem possuir uma estação de radar poderosa, e as instalações dos EUA na Europa têm este tipo de estações. Estes sistemas podem ser usados ​​para monitorar uma grande parte do espaço aéreo russo e o exército russo não está feliz que a OTAN possa obter informações adicionais sobre teste de mísseis e movimentos de suas aeronaves.
A China expressou preocupação semelhante quando critica os planos dos EUA para implantar o sistema anti-míssil de longo alcance THAAD na Coreia do Sul para combater as ameaças de Pyongyang.
Ele vai limitar a capacidade da Rússia em um suposto conflito de pequena escala
Enquanto os EUA dizem a verdade quando afirma que os poucos interceptores colocados na Europa não iriam deter um ataque estratégico de mísseis nucleares russos, em um conflito convencional em uma escala menor instalações europeias poderiam minar a capacidade da Rússia de usar aviões de combate e mísseis táticos.

O escudo anti-míssil viola o tratado

Os EUA desenvolveram vários foguetes para uso como alvos e testar suas tecnologias de mísseis balísticos, incluindo o Hera, LRT e MRT. A Rússia acredita que esses mísseis violam o espírito do tratado INF, porque, tendo ogivas, foram proibidos.
O raciocínio não é diferente do que empunha os EUA quando diz que os lançamentos de satélites da Coreia do Norte são realmente testes de mísseis balísticos de longo alcance camuflados.

EUA rejeitou todas as propostas para reduzir as preocupações da Rússia

Durante décadas, a Rússia sugeriu uma série de maneiras para reduzir a tensão gerada pela implantação dos sistemas antimísseis dos EUA.
Foi proposto, por exemplo, a alternativa supervisionar não a Rússia, mas o Irã com sistema radarfoi sugerido mecanismos de fiscalização que permitiriam que os militares russos garantissem que nenhum jogo sujo estava ocorrendo nas instalações de mísseisTambém propôs um novo tratado que iria comprometer os EUA legalmente de não usar o sistema contra a Rússia. Mas Washington rejeitou todas as propostas e disse que as garantias verbais eram suficientes.
Moscou recebeu uma promessa verbal, quando ele foi assegurado que a OTAN não se expandiria para o leste após a retirada da Alemanha Oriental pela União SoviéticaEsta promessa não foi cumprida, de modo que o ceticismo da Rússia parece ter fundamento.
O escudo de mísseis é um sistema de defesa projetado para interceptar mísseis inimigos antes que eles atinjam o seu objetivo. Os elementos de defesa antimísseis dos EUA estão instalados em 19 países.

GBN seu canal de informações e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário