quinta-feira, 5 de maio de 2016

Beltrame quer R$ 9 bilhões para planejamento de segurança no RJ

O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, disse, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), nesta quinta-feira (5), que precisa do orçamento total da pasta para poder trabalhar. Ou seja, um valor de R$ 9 bilhões. Sem esse montante, Beltrame acredita que seja difícil planejar os próximos três meses, que terminam no período das Olimpíadas.

"Não quero nada a mais e nada a menos do que isso. Ele foi aprovado por essa casa e que me vem sendo dado de forma parcelada, impedindo que eu consiga fazer esse planejamento", disse Beltrame, após receber um cheque no valor de R$ 3,5 milhões para que a Polícia Militar consiga manter a duração do Curso de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP). "As aulas já foram retomadas", acrescentou o secretário.

De acordo com Beltrame, carros da Polícia Militar, atualmente com aluguéis atrasados, ainda não serão retiradas das ruas. O secretário disse que os repasses não estão sendo feitos, mas que o contrato atual está em vigor até em junho, e que só depois disso estariam autorizados a retirar recolher os carros.

Uma reunião técnica será feita com os deputados Edson Albertassi e Marta Rocha para ver o que a Assembleia pode oferecer em dinheiro para as polícias civil e militar, além do valor repassado nesta quinta. "Vamos discutir a prioridade da prioridade. Gostaria inclusive de pagar os nossos atrasados. Fazendo um cálculo preliminar por cima, um valor de R$ 20, R$ 25 milhões.

Cheques

Nesta quinta feira (5), a Alerj entregou oito cheques no valor total de R$ 16 milhões, para ajudar várias instituições em tempos de crise. O maior valor foi destinado à Polícia Militar, com R$ 3,5 milhões.

O presidente da Alerj, Jorge Picciani, disse que as doações vão ajudar a manter programas importantes do estado. "A Alerj diminuiu 11% do seu custeio do ano passado para cá, e precisamos diminuir esse valor para ampliar as parcerias na área de segurança, e talvez tiremos um valor mais substancial do nosso fundo", explicou Picciani.
Outros cinco cheques, no valor de R$ 2 milhões, foram distribuídos para a Fundação para a Infância e Adolescência, Programa de prevenção à dependência química, programa Rio sem Homofobia, Secretarias de Esportes e Hemorio.
Um cheque no valor de R$ 1,5 milhões foi entregue para a Fundação Centro Universitário da Zona Oeste e outro de R$ 1milhão para o Conselho Estadual dos Direitos da Mulher.
Outras doações

Em reunião em 19 de abril, a Mesa Diretora da  Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) havia aprovado repasse de R$ 15 milhões de seu orçamento para diferentes áreas do estado, como órgãos e programas do governo estadual, inclusive a PM.

A expectativa é de que o valor seja utilizado para para custear a alimentação de alunos e professores do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP), que teve sua carga horária reduzida em 50% devido à crise. PMs temiam que, com isso, a formação de novos policiais fosse atrasada.
Já o Instituto Estadual de Hematologia (Hemorio), que chegou a paralisar os serviços de coleta de sangue, vai ganhar um reforço de R$ 2 milhões do caixa da Alerj. A Fundação da Infância e Adolescência (FIA) e o Programa Rio Sem Homofobia, ambos ligados à Secretaria de Estado de Direitos Humanos, vão receber outros R$ 2 milhões cada um.
A Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude também receberá R$ 2 milhões para realizar os Jogos Estudantis Estaduais, que mobilizam escolas dos 92 municípios do estado. A competição estava ameaçada, em pleno ano de Olimpíadas, por falta de recursos. A Mesa Diretora da Alerj também decidiu doar R$ 2 milhões para o Programa de Prevenção à Dependência Química e R$ 1 milhão para o Conselho Estadual de Direitos da Mulher (Cedim).
Segundo a assessoria de comunicação da Alerj, os R$ 15 milhões sairão do orçamento da Casa, que, desde o início do ano passado, tem cortado despesas de custeio e já economizou mais de R$ 169 milhões.

Fonte: G1 Notícias

0 comentários:

Postar um comentário