segunda-feira, 13 de abril de 2015

Putin suspende embargo de venda para o S-300 ao Irã

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou um decreto para suspender o embargo sobre o fornecimento de sistemas de mísseis de defesa aérea S-300 ao Irã.

"O decreto anula a proibição de trânsito na Rússia (incluindo por via aérea), o transporte pelo território da Rússia para a República Islâmica do Irã e a utilização de navios e aeronaves voando sob a bandeira do estado russo para transferência rumo a República Islâmica do Irã dos sistemas de mísseis de defesa aérea S-300 ", disse o serviço de imprensa do Kremlin.

O decreto entra em vigor imediatamente.

O novo decreto introduz alterações ao decreto presidencial de 22 de Setembro de 2010 em medidas de execução da Resolução 1929 do Conselho de Segurança da ONU, de 09 de junho de 2010. O sub-item relacionado ao sistema S-300 foi removido a partir dele.

A execução do contrato russo-iraniano de 2007 para o fornecimento dos sistemas  S-300 foi suspenso após a introdução de sanções contra o Irã em setembro de 2010. Teerã depois protestou sobre a decisão.

Pouco depois de o ministro da Defesa russo Sergey Shoigu visitar o Irã em janeiro passado o Departamento de Estado dos EUA disse que os fornecimentos de sistemas de defesa aérea da Rússia para o Irã seria inaceitável. Nesse meio tempo, o Irã tem repetidamente manifestado a esperança de que a Rússia acabaria por concordar em fornecer os lançadores.

O chefe da corporação Rostech, Sergey Chemezov, em fevereiro, disse que a Rússia tinha oferecido a Teerã o fornecimento do sistema atualizado Antey-2500 em vez do S-300 e que o Irã ainda estava considerando essa opção e manteve-se indeciso. O Departamento de Estado dos EUA disse que não tinha objeções à proposta alternativa da Rússia ao Irã.

O sistema S-300 (conhecido como SA-10 Grumble na nomenclatura da OTAN) são projetados para defender as principais instalações de ataques aéreos. Eles são considerados como alguns dos sistemas de mísseis anti-aéreos mais capazes do mundo.

Fonte: GBN com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário