sábado, 25 de abril de 2015

O que impede a Rússia, Estados Unidos na luta contra o Estado Islâmico juntos?

Para Rússia o arqui-inimigo nos dias de hoje é o Estado islâmico. Washington afirma que a pior ameaça à paz mundial é o que invariavelmente se refere como "agressão" da Rússia a Europa e as operações por terroristas na Síria e nos próprios Estados Unidos. Ambos os países tiveram e ainda têm prioridades diferentes o tempo todo, dizem os especialistas russos. Quanto à luta contra o islamismo radical, a atitude dos Estados Unidos tem sido sempre bastante duvidosa.

O principal inimigo da Rússia hoje é o Estado islâmico, disse o chanceler russo, Sergey Lavrov em uma entrevista transmitida ao vivo em três grandes estações de rádio na quarta-feira (22). "Nós sugerimos incluir o Estado islâmico na lista de organizações terroristas do Conselho de Segurança da ONU. Os americanos se recusaram a fazê-lo. Eles disseram que não é uma organização separada, mas o mesmo que a Al-Qaeda", disse Lavrov, acrescentando que Al -Qaeda foi uma ideia dos Estados Unidos.

O presidente dos EUA, Barack Obama quando se dirigiu a sessão 69ª da Assembleia Geral da ONU em 24 de setembro de 2014 disse que as piores ameaças à paz foram o vírus Ebola, a "agressão"  da Rússia a Europa e terroristas na Síria e no Iraque.

"Os norte-americanos desejam ser líderes mundiais, e isso explica tudo o que eles têm feito", disse Sergey Mikheyev. "Todo mundo é considerado por eles como um concorrente, eles simplesmente não sentem que precisam de qualquer tipo de cooperação com os outros e a atitude da Rússia é fundamentalmente diferente. Não quer influenciar o resto do mundo, ela só protege o seu interesse, a Rússia gostaria de ter um diálogo de parceria semelhante equitativa, enquanto os EUA tende a nos ver como potenciais vassalos. "

Na medida em que o Estado islâmico está em causa, Mikheyev sente fortes dúvidas se os Estados Unidos querem realmente lutar contra isso a sério. "Houve suspeitas de que os Estados Unidos desempenharam um papel na sua emergência e ainda suspeita-se. Se tivesse realmente desejo de fazer algo sobre isso, os EUA teriam longo feito."


Um professor na academia presidencial russa RANEPA, Kira Sazonova, aponta para uma outra espiral de confrontação óbvia de geopolítica, estratégia e militar entre a Rússia e os Estados Unidos. "É bastante indicativo de que nem o afastamento da ideologia socialista na década de 1990, nem a redefinição das relações na década de 2000 ter levantado as contradições fundamentais entre as formas como os dois países vêem a ordem do mundo moderno". A essência de suas controvérsias é clara, diz Sazonova.
"A Rússia sai da supremacia do direito internacional e ao princípio da não-uso da força nas relações internacionais, enquanto os Estados Unidos em primeiro lugar pressiona para dominar o mundo e para a eliminação de todos aqueles que podem ousar discordar desta estratégia, e em segundo lugar, argumentam que os seus interesses e as leis nacionais têm prioridade sobre o direito internacional em vigor ", acredita.

Sazonova recorda que o fator islâmico tradicionalmente evocou uma grande controvérsia na política mundial. O papel dos Estados Unidos no Oriente Médio é bastante ambíguo.

"Por um lado, é os Estados Unidos que continuam desenhando a maior atenção a essa região no contexto da luta contra o terrorismo internacional, em particular, na esteira do 11 de setembro. Por outro lado, os Estados Unidos desempenharam um importante papel na criação da Al-Qaeda e no financiamento de grupos radicais na Líbia, Síria, Iêmen e no Afeganistão, o que acabaria formando a espinha dorsal do Estado Islâmico. Isso é um segredo aberto. É essa duplicidade de políticas de Washington que prejudica a cooperação construtiva na resistência ao Estado Islâmico ", disse ela.

Fonte: Itar Tass
Tradução: Angelo Nicolaci  - GBN

0 comentários:

Postar um comentário