sábado, 14 de setembro de 2019

S-400 - Turquia ainda pode ser alvo de sanções pelos EUA, alerta diplomata

Os EUA ainda estão ponderando se devem impor sanções contra a Turquia pela compra do sistema de defesa aérea S-400 fabricado na Rússia, alertou quinta-feira (12) uma importante autoridade do Departamento de Estado dos EUA.

A Turquia “não está fora de perigo da imposição de sanções. Isso ainda está em jogo”, disse R. Clarke Cooper, secretário de Estado assistente para assuntos político-militares, durante um evento organizado pelo Grupo de Escritores de Defesa.

A decisão da Turquia em adquirir o S-400 de fabricação russa levou à retirada de Ancara do programa F-35 JSFDe acordo com a Lei de Combate aos Adversários da América através de Sanções, ou CAATSA, aprovada em 2017, qualquer país que adquirir um artigo importante de defesa da Rússia deve enfrentar grandes sanções.

Os membros do Congresso esperavam que essas sanções fossem aplicadas em julho após a aceitação do S-400 pela Turquia, mas o presidente Donald Trump demorou a agir e manifestou simpatia pela Turquia nessa situação.

A decisão de implementar sanções contra a Turquia não está vinculada a um cronograma específico, mas "baseada em condições", disse Cooper.

"Não há prazo finito, eu diria, "cronograma" por estatuto no que diz respeito às sanções", acrescentou o funcionário. "Todas as opções estão sobre a mesa sobre como lidar com isso. É algo que não foi completamente resolvido.”

Curiosamente, Cooper também indicou uma divisão dentro da Turquia com relação a questão do S-400, dizendo que “dependendo com quem se fala no governo turco, há aqueles que estão profundamente conscientes e sensíveis e apreciam que isso não acabou e estão querendo que volte ao modo como as coisas poderiam ter acontecido em um momento diferente, e as decisões que saem de Ancara não são necessariamente representativas da instituição militar ou do ministério das Relações Exteriores.”

O diplomata também mencionou por si próprio a importância da Turquia como uma espécie de teste para a determinação americana de impedir que os principais sistemas russos entrem no inventário de aliados e parceiros. "A Turquia é um caso interessante, porque temos vários parceiros com quem mantemos um relacionamento crescente que acompanham de perto como a Turquia é administrada e como eles podem buscar ou optar por não buscar a aquisição de um adversário próximo".

Questionado sobre se ele estava se referindo à Índia, que está pensando em comprar o S-400, Cooper reconheceu que Nova Délhi está em mente, mas que "existem outros estados que também estão assistindo".

“Fomos muito claros com a Índia, que queremos investir mais em nosso relacionamento com a Índia e suas capacidades, mas eles não podem se expandir para o que eu diria que são artigos de defesa maiores com o relacionamento anterior ”, disse Cooper. “Não estamos dizendo para se livrar de seus Kalashnikovs amanhã. Não é disso que estamos falando. Estamos falando de aquisições significativas. O S-400 é um exemplo perfeito de uma aquisição significativa. ”

No dia 27 de agosto, a Turquia recebeu o segundo lote dos sistemas de defesa aérea S-400 da Rússia. A entrega da primeira bateria foi concluída entre 12 e 25 de julho.
Cumprindo o acordo firmado entre a Turquia e a Rússia como resultado das negociações bilaterais iniciadas em novembro de 2016, as quais resultaram na aquisição do sistema de defesa aérea S-400, tendo a Turquia recebido em 12 de julho o primeiro carregamento de S-400. Desde então, os vôos de carga da Rússia chegam à Base Aérea de Mürted, na capital Ancara.
A implantação do primeiro lote dos sistemas será concluída até o final do ano, e a implantação total será concluída em abril de 2020, afirmou o presidente Recep Tayyip Erdoğan.
As tensões entre os Estados Unidos e a Turquia aumentaram nos últimos meses com a compra dos S-400, o que poderá desencadear sanções.
Lei de Combate aos Adversários da América através de Sanções, ou CAATSA, que foi aprovada em 2017 visa impor sanções ao Irã, Coréia do Norte e Rússia, combatendo a influência desses países em todo o mundo.
O governo Trump sustentou que o sistema S-400 poderia expor o caça avançado a possíveis subterfúgios russos e é incompatível com os sistemas da OTAN.      
A Turquia, no entanto, responde que o S-400 não seria integrado aos sistemas da OTAN e não representaria uma ameaça à aliança.      
Trump culpa o governo Obama pela disputa atual por sua recusa em assinar um acordo com a Turquia para vendê-lo o sistema de mísseis Patriot produzido pela Raytheon.      
Espera-se que a Turquia seja totalmente removida do programa F-35 "daqui a um ano, enquanto trabalhamos no memorando de entendimento de produção, manutenção e desenvolvimento subsequente, que é o documento geral da parceria", disse Ellen Lord , chefe de compras do Pentágono.    
Os dois F-35 turcos permanecem na Luke AFB, no Arizona, disse Lord, acrescentando que "estamos trabalhando em uma variedade de diferentes cursos de ação agora sobre a questão turca".

GBN Defense News  - A informação começa aqui
com agências de notícias

Nota do Editor: É preocupante a postura adotada pelos EUA, onde claramente interferem nas decisões tomadas pelos seus aliados e parceiros no que diz respeito a decisões estratégicas e de compra de materiais. Pois a tentativa de coibir a compra de material de defesa de outra origem por seus parceiros e aliados, como é o caso da Turquia e agora também da Índia, fere completamente uma série de fundamentos das relações internacionais e do reconhecimento da soberania e direito cabível as nações. 

Sinceramente, espero que Donald Trump abra os olhos para o futuro que se desenha para EUA diante da postura que tem sido adotada pelo seu país nas últimas décadas, o que tem levado ao afastamento político e que pode resultar em futuro isolamento em algumas décadas. Basta observar que nações historicamente aliadas e clientes fiéis aos produtos de defesa norte americano, tem optado por buscar novos caminhos e se tornar menos dependentes tecnologicamente dos EUA, como estados europeus que tem se unido para conceber aeronaves de próxima geração de forma independente dos EUA, sendo um claro reflexo da posição adotada em relação à Turquia e outros aliados, quando estes optam por outra fonte de material de defesa que não os "chancelados" por Washington, levando a situações como a recusa de entrega dos caças F-35 à Turquia.
Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger