sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Opinião: 197 anos da Independência do Brasil, mas que rumo estamos dando ao Brasil?

Neste sábado, dia 7 de setembro de 2019, nós brasileiros comemoramos o 197º aniversário de nossa independência. Uma data que nos remonta o momento histórico em que efetivamente surge o Brasil como país, tendo um príncipe da coroa portuguesa assumindo a postura de “libertador” e assumindo o papel de primeiro Imperador da nova nação que emergia na América do Sul.

Como é tradição no GBN Defense News, aproveitamos a importante data para propor uma importante reflexão à nossa sociedade, me permitindo a sair um pouco da abordagem histórica e jornalística afim de propor ao nosso público a seguinte reflexão: Qual rumo estamos dando ao nosso Brasil? Pessoal essa pergunta é bastante pertinente diante de tantas ebulições na vida política de nosso país.

Há um ano atrás, assistíamos uma verdadeira polarização político-ideológica em nosso país, a qual resultou na eleição de Jair Messias Bolsonaro como novo Presidente do Brasil. Tal vitória marcou um giro de 180º graus em vários aspectos de nossa política interna e externa. Mas o que mais preocupa, é que embora estejamos há mais de nove meses sob o novo governo, ainda assistimos uma grande disputa ideológica pelo poder, com ambos os lados se mantendo em confrontação direta. Apesar de vivermos sob uma democracia, o lado derrotado (a saber a esquerda), insiste em uma postura agressiva, atacando constantemente o governo, tentando de todas as formas criar desgastes desnecessários, buscando de todas as formas dificultar a governabilidade do país. E essa disputa “burra” pelo poder, usando não apenas de fake News e do apoio da classe artística e grandes mídias, para tentar atingir a imagem do governo e mesmo do país, tendo como único interesse derrubar o governo eleito com intuito de se restabelecer no topo do poder a qualquer custo. Tal postura, somada a falta de expertise do presidente eleito para lidar com questões sensíveis, declarações equivocadas e posicionamentos contraditórios, cria uma verdadeira problemática ao crescimento de nosso país. Antes que o leitor tente defender algum dos lados aqui elencado, proponho que adotemos uma visão “fora da caixa”, e analisemos o país como estado, não com visão partidária ou ideológica.

Há muito que necessita ser feito por nosso país, e enquanto se perde tempo em discussões estéreis nessa verdadeira disputa infantil pelo poder, perdemos oportunidades e tempo imprescindível ao desenvolvimento de nosso país. A crise econômica que está emperrando o avanço de nosso país e massacrando nosso povo continua, mesmo com várias medidas já tendo sido adotadas, o amargo remédio levará alguns anos até surtir efeito. 

Como há 197 anos atrás, o Brasil precisa de lideranças, precisa de uma posição consolidada internamente para que possa se impor lá fora, mas enquanto houver uma postura infantil da oposição e uma postura imatura com relação as declarações de nosso governo, a situação continuará difícil de se suportar. Temos um presidente democraticamente eleito e ponto, se há objeções a essa escolha, que se prepare para 2022 apresentar um candidato a altura de sucedê-lo. O momento é de trabalhar por um Brasil melhor, e isso é dever de cada um de nós, independente de ideologia ou filiação partidária, temos de tirar os antolhos e agir como uma nação madura e civilizada que com certeza nós somos, é preciso unir o país e agregar novas ideias e determinar rumos para o crescimento, e isso é um fato, o qual cobra de cada um de nós uma postura cívica e patriótica. Não estamos numa partida de futebol onde cabe a rivalidade e a torcida contrária ao adversário, estamos dentro um enorme cargueiro chamado Brasil, e este cargueiro com trilhões de dólares está fazendo água, e precisamos trabalhar juntos para que este possa manter suas características de flutuabilidade e navegabilidade, para que possamos seguir nosso rumo com sucesso e segurança. Mas o que eu assisto nos noticiários e leio por aí, é a mais absurda falta de respeito ao nosso povo e a nossa pátria. Onde está o espírito aguerrido do povo brasileiro? Onde está o amor a pátria? Digo pátria e não seleção de futebol, pois o país é muito mais que 11 homens correndo atrás de uma bola de futebol.  

Nossa soberania está em jogo, tudo que conquistamos nesses 197 anos pode ir por água abaixo por falta de bom senso e respeito a nossa nação. Tivemos há poucos dias uma rusga com franceses e alguns europeus que usaram o problema de queimadas de nossa Amazônia Legal para tentar jogar por terra um dos mais importantes acordos comerciais de todos os tempos, e nossa mídia, ao invés de fazer seu papel de levar a verdade e manter imparcialidade, se posicionou de maneira inconsequente em uma preocupante postura de oposição ao governo, algo que não cabe a imprensa, violando a ética e postura que nos cabe, além de contribuir para negativação da imagem de nossa nação no exterior. Houve falhas, sim houveram inúmeras falhas, as quais devem ser sim denunciadas para que sejam sanadas, mas também houve respostas, as quais devem ser igualmente divulgadas. A defesa de nossa nação deve estar acima de qualquer interesse comercial ou financeiro, a moral não tem preço, a honra e valores não são e não devem ser negociáveis, algo que tem sido tão comum há décadas nos corredores do congresso e senado brasileiro. 

Precisamos de mudar, precisamos de reinventar o nosso estado, de finalmente aprender e tomar nossa posição como cidadãos conscientes dessa grande nação. O Brasil tem uma enorme carência de Brasileiros, sim, isso mesmo que eu disse, carecemos de Brasileiros, pessoas que honrem a solo em que nasceram, pessoas que entendam que o Brasil é muito mais que um hino ou uma bandeira, nós somos um povo, uma só nação e temos que agir como tal, temos que participar das decisões de nosso governo, temos que pensar e definir com responsabilidade nossos representantes, lembrem que o governo é reflexo da sociedade, e essa mesma sociedade é responsável por definir os rumos adotados por esse governo.

Há 197 anos nos tornamos uma nação, onde precisamos da atitude de um príncipe português para dar um basta na condição de colônia e dar início ao que se chama país. Mas que país temos nos tornado nestes 197 anos desde a independência? Qual tem sido nosso protagonismo em nossa história? Me refiro a nós como povo, enquanto cidadãos brasileiros, os quais temos cada vez mais nos perdido diante de tantas crises políticas e mesmo de identidade como povo.

Ontem mesmo fui forçado a remover dois membros de um grupo de discussão que administro no Whatsapp devido a intolerância, a qual tem sido uma constante que tenho combatido, a qual se instala em nossa sociedade de maneira sorrateira, sob a máscara de "justiça social" ou "dividas históricas", as quais tem segregado nosso povo, criando abismos onde antes haviam laços de amizade, plantando um radicalismo e um nocivo pensamento de divisão, seja ela racial, regional, ideológica ou social. Esse "radicalismo" tem sido acentuado pela postura irresponsável dos pseudos defensores de determinadas ideologias, lembrando que o ideologismo nunca levou ninguém a lugar algum, pois vivemos uma grande diversidade, a qual não precisa ter beneficiada essa ou aquela classe, e isso está muito longe do que eu chamaria de aceitável hoje, uma vez que tentam de todas as formas nos impor regras, vender o dito “politicamente correto”, defender os pseudos direitos de quem na verdade quer a liberdade e os direitos cabíveis a qualquer um, como é o caso vivido por muitos de nossos indígenas. Há uma série de interesses de grupos e estados interesses em semear a divisão no seio de nossa nação, afim de manter o Brasil fraco, para que através das mais variadas artimanhas se apoderem de nossas riquezas e recursos naturais.

O que eu observo e me preocupa, é que nesses 197 anos de independência pouca coisa efetivamente mudou no seio de nossa sociedade, onde insistimos em manter as raízes herdadas dos idos tempos de colônia, uma postura servil e acomodada, onde mantemos a postura de assistir a tudo sem que tenhamos qualquer atitude para propiciar uma mudança em nós e em nossa cultura, sim eu disse cultura, uma cultura onde não respeitamos nossos irmãos, onde preferimos criar "castas" à aceitar a individualidade de cada um, onde tentamos impor o que julgamos ser o "politicamente correto" ao invés de respeitar o espaço de cada um enquanto indivíduo. Castas onde assumimos através de cotas entre nós brasileiros, o que indiretamente nos divide em classes e sub-classes, pois já não vemos mais nosso próximo como iguais, as "vitimas" somos nós mesmos dessas retrógradas políticas incoerentes, as quais tem de ser combatidas e cobrado uma postura séria do governo em promover um verdadeiro equilíbrio, é defender os direitos e a igualdade a todos os cidadãos, independentemente de qualquer coisa. É preciso combater o abismo criado no seio de nossa sociedade, é preciso mudar o tom do discurso, é preciso unificar a nação e não polarizar ainda mais. 

Nesses 197 anos, eu critico a cultura que se encontra arraigada em nossa sociedade, onde mesmo que involuntariamente nos deixamos iludir pelos "jeitinhos" e "esquemas" para facilitar, o que na verdade gera um problema muito maior, culminando em uma grave crise moral e ética, onde colhemos como fruto sórdidos esquemas de corrupção, corrupção essa que se alastrou de forma endêmica por todos os meandros políticos e sociais. E te pergunto, que brasileiro é você?

Hoje não precisamos declarar independência de uma nação, mas sim de valores corrompidos, de atos e posturas que destroem nosso país dia após dia, precisamos declarar independência da corrupção, do partidarismo, de ideologias baratas, da hipocrisia e nossa falta de atitude como vetor de mudanças. É chegada a hora de analisarmos quem somos nós, o que nos tornamos e o que queremos do futuro deste país, pois nós somos o Brasil.

Chega de ficar esperando que alguém vá fazer tudo por nós, chega de esperar um "salvador", chega de esperar que um "príncipe" venha as margens do Ipiranga declarar nossa independência destes valores corrompidos, destas políticas tão incoerentes, desta disputa insana entre ideologias e facções políticas que disputam o poder e governam para seus interesses. Somos Brasileiros!!! Somos uma só nação, somos um só povo, seja sulista ou nordestino, branco, negro, mestiço ou indígena, seja de esquerda ou direita, somos irmãos, temos que juntos, ombro a ombro conduzir os rumos deste gigante, pois existem muitos desafios e barreiras a serem vencidos, estamos em guerra contra nós mesmos, contra a corrupção, contra o radicalismo, contra a imposição de valores que não são os de nossa nação. 

A omissão nos custou parte de nossa história, e todos os dias vejo a sociedade sucumbir na lama ideológica, nas divisões impostas por pseudo defensores de direitos humanos, direitos estes que na verdade travestem interesses escusos de um determinado grupo. Chega de ser massa de manobra de movimentos "pseudo-sociais", chega de esmolas, nós temos que fazer valer o que reza nossa Constituição Federal.

Acorda Brasil!!! Independência ou Morte!!!



Agora se você quer conhecer um pouco sobre nossa independência, temos um rico acervo de artigos publicados em anos anteriores, os quais poderá acessar nos links abaixo:

A Independência do Brasil, como se deu?

Por Angelo Nicolaci - Jornalista, editor do GBN News, graduando em Relações Internacionais pela UCAM, especialista em geopolítica do oriente médio e leste europeu, especialista em assuntos de defesa e segurança

GBN News - A informação começa aqui

Share this article :

1 comentários:

  1. Parabéns pelo Belo, Real e Patriótico texto nesse lindo dia 7/9/19. Brasileiros, juntos venceremos todas as adversidades, temos tudo para ser a potência que desejamos. Avante Brasil, UNAMO-NOS!

    ResponderExcluir

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger