quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Por uma intervenção na Venezuela?

As ameaças discursivas e algumas ações, como o envio de tropas para a fronteira, que o governo venezuelano historicamente realizou contra a Colômbia, não foram, nem parecem ser agora, mais do que recursos para o próprio tributo e seus seguidores fanáticos na Colômbia, a esquerda latino-americana. No entanto, há um aspecto que vem mudando nos últimos tempos e que torna a ameaça à Colômbia não apenas mais real, mas muito mais séria. E esse é o apoio cada vez mais direto que o governo chavista oferece aos grupos narcoterroristas das FARC e ELN, não apenas aceitando o uso da Venezuela como seu santuário, mas agora treinando e associando-os aos negócio do narcotráfico, mineração ilegal e outras atividades criminosas.

Por sua vez, o que já era visível quando os acordos de paz entre as FARC e o governo de Juan Manuel Santos foram assinados, mas muitos, em seu idealismo, preferiram ignorar, são claramente evidentes: As FARC nunca quiseram a paz, mas ganhar tempo para se reorganizar, reconstruir seu poder e ganhar espaço político, numa época em que foram dizimadas. Agora, que já estavam reorganizados, a maioria de seus líderes foi à clandestinidade para retomar o comando de suas tropas, que nunca terminaram de desarmar.

Chavismo sempre fez vista grossa para a presença de guerrilheiros em seu território, mas nos últimos tempos eles começaram a vê-los como aliados, tanto em seus negócios quanto no apoio ao próprio chavismo na Venezuela e enfraquecer seu principal rival, o Governo colombiano de Iván Duque. Isso foi evidenciado nos documentos obtidos recentemente pela Colômbia e publicados pela revista colombiana Semana (), que detalha não apenas a relação entre o governo venezuelano e os terroristas, mas também a atividade e alguns planos conjuntos que eles desenvolveram, principalmente contra o estado colombiano.

Os guerrilheiros na Colômbia recuperaram força, principalmente devido ao completo fracasso do processo de paz e ao crescente financiamento por meio de atividades criminosas. Por sua vez, ela foi formada como parceira do governo Chavista em alguns desses negócios, encontrando na Venezuela uma saída mais segura para a droga e o produto da mineração ilegal.

Por outro lado, o problema humanitário causado pelo êxodo dos venezuelanos, principalmente para a Colômbia, longe de ser resolvido, continua a piorar e ameaça ser fonte de conflitos em toda a região. Já no Peru, Equador, Panamá e Brasil, houve diferentes tipos de conflitos com imigrantes, em muitos casos porque muitos venezuelanos acabaram no crime. Na ausência de oportunidades nesses países e na Colômbia, muitos imigrantes acabam sendo presas fáceis de organizações criminosas, tanto para adicioná-las às suas fileiras quanto para serem exploradas.

Em 2 de agosto de 2019, estima-se que haja mais de 4 milhões de migrantes venezuelanos, dos quais 1,4 milhões estão na Colômbia e 768.000 no Peru, os países que mais receberam. Esse número cresce de forma alarmante desde 2015, quando pouco mais de 600.000 venezuelanos deixaram seu país, embora os anos com mais movimentos tenham sido 2016 (com um milhão de pessoas deixando o país) e 2017 (mais de um milhão e meio) .

Isso gera nos países receptores uma demanda crescente para que a situação na Venezuela seja resolvida e o êxodo alcançado seja revertido, uma vez que é difícil prever a dimensão dos problemas sociais que podem levar a uma maior migração.

Enquanto isso, esse relacionamento cada vez mais estreito entre o governo chavista e os guerrilheiros, em um momento de ressurgimento do conflito interno colombiano, é acrescentado o anúncio do governo chavista para enviar 150.000 soldados à fronteira com a Colômbia, para o exercício “Soberania e Paz”, justificado por Maduro, alegando uma suposta ameaça colombiana contra a Venezuela. Isso justificou a invocação, pelo governo da Colômbia, e com o apoio do autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), que aumenta a assistência dos Estados americanos quando um estado do continente é atacado.

Em 11 de setembro, a Organização dos Estados Americanos aprovou, por 12 votos a favor, 5 abstenções e 2 ausentes, a aplicação do TIAR, cujo progresso será feito atualmente na definição de quais medidas podem ser tomadas contra o governo de Venezuela. Por sua vez, o governo colombiano denuncia à ONU esse apoio do Chavismo a grupos terroristas.

Ao longo do tempo, especialmente nos últimos anos, tem havido conversas crescentes sobre uma possível intervenção militar na Venezuela, a aprovação da aplicação do TIAR, como também pode ser a aceitação pela ONU da reclamação colombiana, dar apoio legal a uma ação militar contra o governo chavista. Este ponto é um passo fundamental em direção a essa possibilidade e abre, pela primeira vez, o jogo para um passeio militar com apoio internacional.

Embora a saída militar nunca seja a melhor opção e possa levar a uma perda significativa de vidas, além de maiores danos à infraestrutura já agredida e à economia venezuelana, hoje você pode ver que todas as tentativas de uma saída sem sangue e negociada da ditadura chavista ocorreram sem resultado, sendo completamente inútil. Por outro lado, a possibilidade de que haja uma ação interna contra o Chavismo já está praticamente descartada, devido ao forte controle exercido pelo regime sobre os oponentes e sobre qualquer dissidência em suas Forças Armadas, o que levou à captura e tortura de milhares de cidadãos e a morte extrajudicial de pelo menos 6700 pessoas apenas entre 2018 e o primeiro semestre de 2019, de acordo com o relatório divulgado pela Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

A Colômbia tem principalmente o apoio dos Estados Unidos e do Brasil, embora grande parte do resto da América, como visto na votação do TIAR, mantenha sua posição. No caso do Brasil, o presidente Bolsonaro sempre foi um fervoroso oponente do governo chavista, embora tenha sido negado por seus porta-vozes, várias vezes ele indicou que seria a favor de uma intervenção militar. O resto dos governos pretende continuar tentando encontrar uma saída pacífica, mas parecem ser declarações de boas intenções que não têm efeito.

Por outro lado, o Chavismo continuou com sua retórica de que lutaria contra qualquer invasão, embora a realidade indique que, embora as Forças Armadas Bolivarianas pudessem exercer resistência contra um ataque das forças latino-americanas, não poderiam fazê-lo no caso de uma intervenção dos Estados Unidos, um país que tem capacidade para suprimir todo o sistema defensivo, de comando, controle e comunicação, em questão de minutos e com um mínimo de perdas próprias.

Acredito que uma ação militar direta somente pelos Estados Unidos é improvável, mas vejo mais provável a possibilidade de apoiar uma ação da Colômbia, possivelmente com a participação do Brasil e talvez de outros países, além do apoio interno da Venezuela.

Por outro lado, como indicado pelos documentos citados pela revista colombiana Semana, o Chavismo planeja, antes de uma possível intervenção, empregar grupos terroristas das FARC e ELN para executar ações na Colômbia, gerando ali uma frente interna que força a distração das forças na fronteira com a Venezuela. Nesses documentos, fica claro que o Chavismo tem essas organizações como parte integrante de seu esquema militar, fornecendo treinamento, ao mesmo tempo em que recebe informações de inteligência, como o referido documento indica, os terroristas teriam a missão de “Destruir, capturar ou neutralizar unidades, meios ou instalações do FF.MM. com a capacidade de neutralizar nossas ações estratégicas ofensivas e, ao mesmo tempo, realizar ações estratégicas ofensivas contra a RBV (República Bolivariana da Venezuela). ”

Militarmente, embora as Forças Armadas colombianas tenham se concentrado ao longo do tempo na guerra contra a insurgência, na última década isso mudou para uma abordagem que inclui a guerra convencional, prevendo a possibilidade de um conflito com a Venezuela. Embora tenha como objetivo principal ter capacidade defensiva diante de um ataque venezuelano, muitos elementos das Forças Armadas colombianas são úteis no caso de uma ação ofensiva ser necessária.

Por mar, é improvável que haja alguma ação, deixando os teatros terrestres e aéreos como os eixos de qualquer ação militar. No ar, embora nominalmente a aviação militar venezuelana esteja melhor equipada, principalmente com o Sukhoi Su-30 e o F-16, a operacionalidade de ambos é muito reduzida, além de que seus equipamentos e armamentos eletrônicos estão desatualizados e seus pilotos mantêm um nível muito baixo de treinamento, de modo que sua real capacidade de enfrentar o Kfir colombiano, equipado com sistemas e armas mais modernos e com equipes muito melhor treinadas, é muito duvidosa. O mesmo vale para a aviação de transporte, helicópteros e outros segmentos.

Em terra, o exército venezuelano é o local onde está melhor equipado com relação a seus vizinhos, mas o nível de preparação de seu pessoal e o grau de aderência que ele teria antes da possibilidade de ter que travar uma guerra em defesa do Chavismo é desconhecido.

De qualquer forma, é improvável que uma ação contra a Venezuela leve a um conflito prolongado e em larga escala, mas que seja tomada uma ação rápida para destruir seu sistema defensivo, ataques específicos contra o chefe do regime e o estabelecimento de Guaidó, como único governo da Venezuela, protegido pelas nações envolvidas, além de algum apoio local de unidades militares.

Da mesma forma, é difícil prever o que poderia acontecer e a possibilidade de uma intervenção depende além do possível apoio da OEA e até da ONU, da posição de outros países, especialmente a Rússia, que apóia abertamente o governo Maduro e a queda dele pode significar um revés em sua projeção para ganhar espaço na América Latina.



Por: Santiago Rivas - Jornalista e Fotógrafo renomado no campo de Defesa, articulista de inúmeras publicações especializadas, Argentino e grande conhecedor do cenário geopolítico Latino Americano. Jornalista responsável na Pucará Comunicações. Autorizou ao GBN Defense News a traduzir e publicar sua interessante análise. Conheça o trabalho do nosso parceiro clicando aqui


GBN Defense News - A informação começa aqui
Share this article :

1 comentários:

  1. A falha dos governos da regiao em reconhecer o perigo que uma ditadura de esquerda tolerada tras para suas populações vai nos custar muito caro, esse movimento de "refugiados" nao faz o menor sentido, mais parece um momento de infiltração que cedo ou tarde vai mostrar a que veio.

    ResponderExcluir

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger