domingo, 8 de setembro de 2019

Paquistão pede ação na Caxemira "antes que seja tarde demais"

A Índia pretende retirar as terras das pessoas da Caxemira, alterando a composição demográfica da região com um movimento recente para acabar com o status especial da região, disse o enviado paquistanês neste sábado (8).
Em um discurso na Associação Internacional de Estudantes Asma Kopru, em Ancara, sobre a mais recente situação em Jammu e Caxemira, administrada pela Índia, o embaixador do Paquistão na Turquia, Syrus Sajjad Qazi, pediu à comunidade internacional que “intervenha para resolver esta situação antes que seja tarde demais para os caxemires e para a região ”.
Ele alegou que as "violações da Linha de Controle da Índia (uma fronteira de fato que divide a Caxemira entre o Paquistão e a Índia), atingindo civis paquistaneses aumentaram nos últimos dias" depois que Nova Délhi removeu o status especial de Jammu e Caxemira no mês passado.
"Os líderes indianos estão ameaçando usar armas nucleares contra o Paquistão - uma ameaça que os ajudou a vencer uma eleição há apenas alguns meses", acrescentou Qazi.
As tensões na Linha de Controle aumentaram nas últimas semanas depois que o governo indiano retirou o status especial de Jammu e Caxemira em 5 de agosto.
Desde então, a região de maioria muçulmana está sob um bloqueio quase completo, pois o governo bloqueou a comunicação e impôs restrições estritas para impedir qualquer rebelião, enquanto os líderes políticos da região foram detidos.
Vários grupos de direitos humanos, incluindo a Human Rights Watch e a Anistia Internacional, pediram repetidamente a Nova Délhi que levante as restrições e liberte os detidos políticos.
O enviado paquistanês afirmou que a região está enfrentando "uma tragédia humana e uma farsa da justiça que não precisa de introdução".
“Milhões de homens, mulheres e crianças caxemires continuam presos em suas próprias casas, em suas próprias terras '', acrescentou.
No entanto, as autoridades indianas afirmaram nesta semana que 90% da região disputada de Jammu e Caxemira estão livres de restrições durante o dia.
Qazi disse que as ações de Nova Délhi "violam descaradamente" as resoluções relevantes do Conselho de Segurança da ONU sobre Jammu e a Caxemira, que "garantem" que o futuro da região seja decidido através do "método democrático de um plebiscito livre e imparcial conduzido sob os auspícios da ONU".
"Essas resoluções alertam contra qualquer mudança material até a solução final da disputa", observou ele.
O "caminho altamente provocativo" escolhido pela Índia foi "uma tentativa de concluir a ocupação física dos caxemires", disse ele, acrescentando que a decisão de 5 de agosto "fortalecerá ainda mais a legítima luta caxemira contra a ocupação indiana".
De 1954 até 5 de agosto, Jammu e Caxemira tinham disposições especiais sob as quais promulgavam suas próprias leis. As disposições também protegiam a lei de cidadania da região, que proibia os estrangeiros de se estabelecerem e possuírem terras no território.
A Índia e o Paquistão detêm a Caxemira em partes e a reivindicam na íntegra. A China também controla parte da região contestada, mas foram a Índia e o Paquistão que travaram duas guerras pela Caxemira.


GBN News - A informação começa aqui
com Agência de Notícias Anadolu

Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger