sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Os sistemas de defesa aérea estão prontos para enfrentar enxames de drones?


O ataque às instalações petrolíferas de Abqaiq e Khurais, na Arábia Saudita no dia 14 de setembro, serviu como uma amostra da realidade para países que lutam para definir o nível da ameaça representada por enxames de drones e mísseis de cruzeiro de baixa altitude. Agora, em uma região onde essa ameaça é particularmente efetiva, os países devem reexaminar a tecnologia de defesa aérea existente.

Segundo o Ministério da Defesa da Arábia Saudita, 18 drones e sete mísseis de cruzeiro foram disparados contra o reino nas primeiras horas do dia, em meados de setembro.

Os drones atingiram Abqaiq, uma instalação que o Center for Strategic and International Studies alertou no mês anterior como um potencial alvo de infraestrutura crítica. Vários mísseis de cruzeiro ficaram aquém e não atingiram a instalação. Quatro mísseis de cruzeiro atingiram Khurais.  Os governos da Arábia Saudita e dos EUA culpam o Irã , mas o governo de Teerã nega qualquer envolvimento. O que ficou claro é o fracasso dos sistemas de defesa aérea existentes para deter o ataque .

As defesas aéreas da instalação de Abqaiq incluem o sistema Patriot de fabricação norte americana, canhões Oerlikon GDF 35mm equipados com o radar Skyguard e uma versão do francês Crotale chamado Shahine. Imagens de satélite postadas por Michael Duitsman, pesquisador associado do James Martin Center for Nonproliferation Studies, mostram uma análise do ocorrido: Impedida pelo posicionamento do radar e pelas próprias instalações, assim como pela velocidade e trajetória de voo dos drones e mísseis, a defesa aérea saudita aparentemente não foi capaz de engajar os drones e conseguir uma solução de tiro.

“Se as defesas aéreas fornecidas pelos EUA não foram orientadas para se defender de um ataque do Irã, isso é incompreensível. Se eles estavam, mas não estavam ligados, isso é incompetência. Se eles simplesmente não tinham a tarefa de impedir ataques de precisão, isso é preocupante”, disse Daniel Shapiro, ex-embaixador dos EUA em Israel e membro do Institute for National Security Studies. "E parece validar as preocupações israelenses de que mesmo sistemas de defesa aérea e de mísseis eficazes, como os operados por Israel, podem ser sobrecarregados por uma quantidade suficiente de mísseis de precisão".

Há um debate sobre o nível dessa ameaça. O general Pini Yungman, ex-comandante de defesa aérea da Força Aérea Israelense e atual chefe da divisão de sistemas de defesa aérea da Rafael, contrasta o enxame de drones com um míssil de cruzeiro com alcance de 1.000 quilômetros e equipado com uma grande ogiva. “Drones, mesmo enxames de drones, não são uma ameaça estratégica, mesmo se você lançar dezenas para um ataque. Eles carregam um peso muito baixo de bomba ou munição”, disse Yungman.

Uzi Rubin, ex-diretor da Organização Israelense de Defesa contra Mísseis, não acha que o que aconteceu na Arábia Saudita poderia acontecer em Israel. "Temos uma área menor e isso tem uma vantagem em muitos aspectos, porque é uma vantagem no controle de nosso espaço aéreo."

Ele disse que o principal desafio para interromper um ataque como o da Arábia Saudita não é a capacidade de derrubar as ameaças, mas de detectar as ameaças de baixa altitude. “Quando se trata de mísseis, os sensores de defesa antimísseis miram acima do horizonte, porque o míssil está acima dele e você não quer desordem. Então, quando se trata de detecção, a questão é que as ameaças podem se infiltrar voando perto do solo”, explicou ele.

A chave, então, é fechar a lacuna que existe potencialmente perto do solo.

“Não é muito difícil fechar a lacuna; os sauditas podem fazer isso com as defesas locais ”, afirmou. Mas ele reconheceu que quanto maior a área, mais difícil pode ser manter o controle.

Rubin disse que abater enxames de drones pode ser realizado com armas antiaéreas, observando que o Iraque derrubou vários mísseis de cruzeiro Tomahawk em 1991, depois de descobrir sua trajetória de voo.

"Você não precisa de nada sofisticado", disse ele, o sistema russo SA-22 ou Pantsir, com canhões de 30 mm, mísseis e indicadores de direção por infravermelho fariam.

“Acho que uma vez que a surpresa do ataque se esvai; então, deve-se sentar e ver que não é um ataque muito devastador.” Como Yungman, ele disse que um míssil de precisão de longo alcance destinado a uma instalação estratégica como um reator nuclear em um país europeu seria uma ameaça mais séria.

No entanto, Thomas Karako, um membro sênior do think tank do CSIS, disse que o ataque sugere uma escalada dramática. "De um modo geral, é sobre o que venho falando: o espectro de ataques aéreos e mísseis complexos e integrados não é teórico, chegou."

Ele argumenta que o ataque de Abqaiq traça uma "linha vermelha brilhante sob o conjunto de problemas" e que "precisamos de uma mistura de medidas ativas e passivas, cinéticas e não cinéticas para combater".
"Não é um problema tecnológico, é um problema de engenharia", disse ele. “Você precisa olhar além do horizonte e olhar em todas as direções.” Isso incluiria cobertura de 360 ​​por radar e sensores elevados.

Israel, o campo de provas

Yungman considera o Oriente Médio, particularmente Israel, um campo de provas. Desde a década de 1940, vários sistemas de armas diferentes, muitos fabricados nos países ocidentais ou na União Soviética, foram usados ​​em combate regional.

“Nesta região, a ameaça assimétrica se tornou maior. Portanto, no norte, existem quase 200.000 foguetes de curto alcance, mísseis e mísseis de precisão como uma ameaça do "Hezbollah",” disse ele. Assim, a defesa aérea e a defesa antimísseis se tornaram, do ponto de vista assimétrico, cada vez maiores, e o sistema de defesa aérea se tornou uma questão em que precisamos investir e desenvolver o mais rápido possível ".

Com o apoio dos Estados Unidos, Israel construiu e testou o sistema Arrow na década de 1990, tornando-se uma camada do sistema multicamada do país que eventualmente incluiu o Arrow 2, Iron Dome e David's Sling.

Com falta de ataques aéreos preventivos contra fabricantes de drones e equipes de lançamento, Israel está atualizando sua defesa aérea "diariamente", observou Yungman.

“A principal ameaça não são as ameaças de combate corpo a corpo, são foguetes, drones, mísseis de cruzeiro, mísseis balísticos com ogivas grandes e pequenas. Quando estamos falando de milhares ou dezenas de milhares ou mais, é muito complicado, mas pode ser neutralizado ”, afirmou.

Uma maneira de enfrentar os enxames de drones, envolve medidas de abate suave. Como os drones são operados por GPS e controle de rádio, bloquear ou controlar o drone é uma solução.

Mas Rubin disse que o que mais se destaca no incidente de Abqaiq é que o sistema direcional dos drones parecia ser óptico, não guiado por GPS.

Também digno de nota, as evidências indicam que alguns dos UAVs não estavam carregando ogivas, pois nem todos explodiram.

Como alternativa, uma abordagem pesada pode envolver o uso de um laser de 5 a 10 quilowatts . Os lasers podem destruir drones a até 2,5 quilômetros de distância, de acordo com Yungman.

Os EUA avaliaram os lasers em seus veículos blindados Stryker, e Alemanha, Rússia e Turquia estão entre os países que desenvolvem essa tecnologia. A Rafael de Israel, trabalha com interceptores a laser há anos, incluindo o sistema de interceptação a laser Drone Dome.

"Posso dizer que a partir de 2 quilômetros eu poderia atingir um drone do tamanho de um centavo", afirmou Yungman.

Outra opção poderia ser o combate drone contra drone, embora essa capacidade ainda esteja em desenvolvimento.

Embora sistemas como o Iron Dome sejam comprovados em combate, ainda restam dúvidas sobre sua capacidade de enfrentar um enxame de drones. Em teoria, ao usar radar e eletro-óptica, um sistema de defesa aérea deve poder cobrir as bandas necessárias para rastrear os drones usando vários sistemas e cobertura de arranjo faseado em 360º graus.

"Em nossa pesquisa e tecnologia, temos o radar, eletro-óptico e interferência, recursos que negam o GPS", disse Yungman. "E nós temos a capacidade de neutralizá-lo."

Rubin descreveu o ataque à Arábia Saudita como uma espécie de "Pearl Harbor", e lembrou-o de um ataque de 17 de agosto no campo petrolífero de Shaybah, na Arábia Saudita, por rebeldes houthis envolvendo 10 drones.

"A surpresa não estava no ataque, mas na audácia", lembrou Rubin, acrescentando que um ataque de precisão por drones não torna a aeronave menos vulnerável aos sistemas de defesa aérea.

O míssil interceptador Stunner do David's Sling, por exemplo, tem a capacidade de interceptar drones, mísseis e outras munições, incluindo mísseis de cruzeiro de voo baixo. Mas, para que isso funcione, não pode haver uma lacuna na cobertura do radar, observou Rubin.

Certamente, o recente ataque na Arábia Saudita impactará a indústria e estimulará o desenvolvimento dos principais atores nessa área de defesa, segundo Karako do CSIS.

"Acho que você verá a demanda global por uma variedade de meios para combater essas ameaças", disse ele. "Isso vai desencadear muitas soluções."



Fonte: Defense News

Tradução e Adaptação: Angelo Nicolaci - GBN Defense News
Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger