sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Homem se declara culpado por enviar dados do F-35 ao Irã

Um homem se declarou culpado de roubar dados técnicos sobre os motores do F-22 Raptor e F-35 com a intenção de enviá-los para o Irã, anunciou quinta-feira o FBI. Mozaffar Khazaee de 60 anos, será sentenciado em maio e pode pegar até 20 anos de prisão e uma multa de 1 milhão de dólares.

"Enquanto trabalhava com as indústrias de defesa dos EUA, Mozaffar Khazaee roubou tecnologia sensível para enviá-la ao Irã", disse o anúncio. "A exportação ilegal de nossa tecnologia militar compromete a segurança nacional dos EUA e reduz as vantagens  que nossas forças armadas possuem atualmente."

Segundo o comunicado, os pesquisadores descobriram que entre 2009 e 2013, Khazaee tentou transferir informações de indústria de defesa para o Irã. Durante esse tempo, ele foi contratado por três indústrias de defesa diferentes, mas aparentemente estava à procura de um emprego no Irã, freqüentemente entrava em contato com universidades técnicas controladas pelo Estado que ofereciam acesso aos seus dados.

Em um ponto, Khazaee aparentemente escreveu a um contato no Irã, que como "engenheiro nesses projetos aprendi um pouco das técnicas chave que poderiam ser transferidas para a nossa própria indústria e as universidades", acrescentando que ele estava "procurando uma oportunidade de trabalhar no Irã, e continuou: “... transferindo minhas  habilidades e conhecimentos para a minha nação. "

Apesar de seus empregadores não serem divulgados no anúncio, o fabricante de motores Pratt & Whitney confirmou que Khazaee era um empregado deles durante este período. A Pratt & Whitney fabrica os motores para o F-22 e F-35.

Os agentes federais começaram a investigar Khazaee em novembro de 2013, quando ele tentou enviar um grande carregamento de documentos de Connecticut para a cidade iraniana de Hamadan. Quando os agentes inspecionaram o embarque, eles descobriram numerosas caixas de documentos que consistem de manuais sensíveis, folhas de especificações técnicas, e outros materiais relacionados com o Programa do caça F-35.

No geral, a carga incluía milhares de páginas de documentos, incluindo os diagramas e esquemas de motor de alta tecnologia do caça americano. Algumas das informações foram marcadas como sendo restritas e informações controladas.

Ele foi preso em 9 de janeiro de 2014, enquanto estava a caminho de Teerã,  ele tinha mais dados técnicos em sua posse quando foi detido.

Porém este não é o único caso conhecido de segredos industriais sendo roubados de indústrias de defesa americana que estão sendo investigados.

Em outro caso, um chinês que ra funcionário da UCRT, uma empresa irmã da Pratt & Whitney, foi preso em novembro depois que ele tentou transferir informações sensíveis sobre o titânio usado em um programa da Força Aérea dos Estados Unidos, provavelmente o F-35, para a China.


A China tem sido suspeita de espionagem corporativa sobre o programa JSF norte americano, algo que só é reforçado pela impressionante semelhança entre o seu novo caça J-31 e o americano F-35.

A China é conhecida pela prática de engenharia reversa em diversos campos indústrias e no campo de defesa, envolvendo grande parte de seus programas atuais e recentes.

Fonte: GBN GeoPolítica Brasil com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário