sábado, 28 de fevereiro de 2015

Arabia Saudita estuda renovação de sua marinha


A segunda carta de intenções do governo saudita detalhando os requisitos para o programa de substituição da sua esquadra oriental foi entregue à Marinha dos Estados Unidos em fevereiro, apenas um mês depois de uma primeira ser enviada de acordo com informações.

O movimento destaca um ritmo elevado em relação aos Programas de Expansão Naval da Arábia, um projeto que pode chegar a cifra de 16 bilhões de dólares.

A competição tem sido feroz entre os fornecedores franceses, que detêm a preponderância dos contratos de apoio à frota do Mar Vermelho da Arábia Saudita e os EUA. O envio da carta de intenções ao Escritório do Programa Internacional da Marinha os EUA poderiam indicar que os sauditas estão inclinando-se fortemente em direção a uma compra com os EUA.

Se assim for, o plano de frota oriental oferece também um forte potencial para a primeira venda externa de uma versão do LCS (Littoral Combat Ship) da Marinha os EUA.

Em fevereiro os sauditas apresentaram mais alguns detalhes e esclareceu algumas questões a partir do documento janeiro, disseram fontes. Na primeira carta de intenção, os sauditas não listaram projetos específicos de navios, mas sim deu orientações para as suas necessidades. Entre os destaques:



4 Fragatas de 3.500 ton com capacidade de guerra anti-aérea:
- Armado com 8 a 16 células do sistema de lançamento vertical (VLS) capaz de lançar  mísseis Standard SM-2
- Equipado com um sistema "Aegis" usando radares  "SPY-1F" ou similar
- Capaz de operar helicópteros Sikorsky MH-60R
- Possuir  velocidade de 35 nós.


6 Navios de guerra de 2.500 toneladas 
- Com sistemas de combate compatíveis com as fragatas
- Capazes de operar helicópteros MH-60R


Navios de patrulha rápidos cerca de 20-24 unidades 
- Com 40 a 45 metros de comprimento.
- Dois motores movidos a diesel.

10 Helicópteros navais com características idênticas ao MH-60R.

3 Aeronaves de patrulha marítima para a vigilância costeira.

30 a 50 UAVs, voltados a aplicação naval e de solo.

Os sauditas não estão interessados no desenvolvimento de novos projetos, mas sim buscam meios com capacidade comprovada em suas compras.

Alguns relatórios indicaram que os sauditas possuem interesse na Lockheed Martin, fabricante dos LCS da Classe Freedom.

A Lockheed Martin e Austal ofereceram versões de seus navios de combate litorais equipados com VLS e radares phased-array, incluindo o SPY-1F, para exportação e recentemente, ofereceram o navio vencedor do programa SSC (Small Surface Combatant) da US Navy anunciado em dezembro de 2014. Em dezembro, a Marinha dos EUA escolheu renunciar aos sistemas Aegis e VLS em seu novo programa SSC, agora designados como fragatas.

Não existem outros projetos em produção além das fragatas SSC e do LCS nos EUA que se encaixam nos parâmetros sauditas para um navio de superficie de 3.500 toneladas.

Os sauditas têm demonstrado interesse no LCS da Lockheed, equipados com Aegis, SPY-1F e VLS, e os detalhes expostos na carta de intenções coincidem com as características da plataforma Multimissão da Lockheed do programa  Surface Combatant Ship (SCS) , utilizando os mesmos 118 metros de casco que os LCS atuais da Marinha dos EUA.

Não está claro o que os sauditas tem em mente quanto aos seus navios de guerra de 2.500 toneladas, embora um despojado LCS poderia atender a esses parâmetros. Há algum informações de que os navios poderiam ser versões dos LCS, mas sem Aegis. Relatos iniciais indicaram que os sauditas estavam pedindo 12 desses navios, mas esses relatórios estavam errados ou o número foi modificado.

Também não está claro quais poderiam ser as embarcações de patrulha rápida. A Marinha dos EUA começou a comprar o patrulha Mark VI, que se encaixa em muitos dos parâmetros da Arábia Saudita, mas aqueles são nitidamente menores, com 25 metros.

Outro ponto de interrogação é a aeronave de patrulha marítima. Os sauditas podem estar interessados no Boeing P-8A Poseidon agora sendo entregues a Marinha dos Estados Unidos, ou de alguma outra aeronave.

Em acordo com a aparente urgência da Arábia Saudita, disseram fontes, que já se encaminha a aprovação de 3,5 bilhões para a Frota Oriental no orçamento de defesa para 2015. Os sauditas supostamente desejam decidir sobre as quatro fragatas este ano e utilizar os recursos já aprovados para 2015 como pagamento; o resto do programa seguiria nos anos seguintes.

A primeira carta de intenções foi transmitida aos EUA pouco antes do dia 23 de janeiro, antes da morte do monarca saudita, o rei Abdullah. Seu sucessor, o rei Salman, no entanto, foi o ministro da Defesa, no momento da transmissão da carta de intenções, e fontes dizem que o novo regime continua a favorecer fortemente o plano de renovação da Frota Oriental.

Não está claro a partir da carta de intenções onde se espera que os navios sejam construídos, embora as fragatas provavelmente seriam construídas nos EUA.

O único outro projeto significativo dos EUA construído nos últimos anos para um cliente estrangeiro é das corvetas da Classe Ambassador Mark III de 500-ton  vendidas ao Egito.

Fonte: GBN com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário