quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Ex-chanceler francês: França deve fornecer navios Mistral à Rússia.

O antigo ministro do Exterior francês Roland Dumas disse que o seu país deve fornecer os porta-helicópteros Mistral encomendados pela Rússia.

Falando nesta segunda-feira (16) na rádio RMC, o ex-político chamou às sanções antirrussas impostas por França de “grande erro”. 
Roland Dumas é um advogado e político socialista francês que ocupou o cargo do ministro do Exterior sob o presidente da França François Mitterrand desde 1984 até 1986 e desde 1988 até 1993. Foi também presidente do Conselho Constitucional entre os anos 1995 e 1999. 
Anteriormente nesta segunda-feira (16) o ministro da Defesa da França Jean-Yves Le Drian disse à mesma emissora RMC que a questão da entrega dos Mistral à Rússia não está na agenda. 
Em Janeiro, o ministro da Defesa tinha afirmado que o cessar-fogo completamente respeitado na Ucrânia e um roteiro de regularização política no país são as condições necessárias para o cumprimento do contrato entre a França e Rússia. 
O presidente francês Francois Hollande disse, após as negociações em Minsk, que ainda não tem condições para o fornecimento dos navios à Rússia apesar dos novos acordos sobre a regularização da crise ucraniana.
A companhia russa de exportação e importação de armamentos Rosoboronexport assinou com a companhia francesa DCNS um contrato para a construção de dois navios deste tipo em junho de 2011. As partes posteriores dos porta-helicópteros foram construídas no estaleiro russo Baltiysky (que faz parte da Corporação Unida de Construção Naval) em São Petersburgo. O acoplamento com as partes anteriores e as obras de acabamento foram efetuadas no estaleiro da companhia STX France, em Saint-Nazaire.
O primeiro navio de desembarque Vladivostok a França deveria ter sido entregado em 14 novembro de 2014. O segundo navio deverá ser entregue até o final de 2015.
Mais cedo o presidente francês, François Hollande, disse que decidiu suspender a entrega do primeiro dos navios (Vladivostok) por causa da situação na Ucrânia. Por sua vez, a Rússia declarou que está à espera do navio ou da restituição do dinheiro.

Fonte: Sputniknews


0 comentários:

Postar um comentário