domingo, 8 de julho de 2018

Embraer e Boeing: Um acordo polêmico

A criação de uma nova empresa entre a norte americana Boeing e a brasileira Embraer, a qual absorveria o segmento de aviação comercial da empresa brasileira, esta muito próximo de um desfecho. Na última quinta-feira (5),  foi anunciado que as empresas chegaram á um entendimento,o que pode representar o fim da marca Embraer como nós a conhecemos. Embora esse acordo de entendimento entre as duas partes, ainda possa ser alterado e mesmo cancelado, algo que ao meu ver seria muito pouco provável.

O acordo entre a Embraer e a Boeing criará uma terceira empresa, a qual será responsável pela fabricação da linha de aeronaves comerciais hoje produzidas pela brasileira. Segundo o memorando de entendimento, a nova empresa será liderada por uma equipe de executivos sediados no Brasil, porém, a Boeing terá o controle operacional e de gestão da nova empresa.

A negociação entre as duas empresas deve prosseguir pelos próximos meses e só deve ser concluída no final de 2019. "Uma vez executados esses acordos definitivos de transação, a parceria estará, então, sujeita a aprovações regulatórias e de acionistas, incluindo a aprovação do governo brasileiro, bem como outras condições habituais pertinentes à conclusão de uma transação deste tipo", dizia o comunicado feito pela Embraer.

Apesar de ser hoje uma empresa privada, o governo brasileiro detém uma "golden share" sobre a Embraer, o que lhe dá poder de veto em decisões estratégicas ou impor precondições a acordos envolvendo a empresa que foi privatizada em 1994.

Desde que foi divulgado que a Boeing e a Embraer estavam em conversações sobre uma possível aquisição do segmento de aviação civil da brasileira, o assunto tem dividido as opiniões do mercado. Há duas posições claras em relação ao negócio, onde alguns economistas apontam que o negócio pode resultar na expansão da área brasileira, que poderá ver suas aeronaves ganhando o mercado mundial com o peso que representa a Boeing, do outro lado temos economistas e especialistas mais cépticos com relação ao negócio, apontando que a aquisição, mesmo que apenas da parte comercial da Embraer, representaria não apenas a perda da linha de produtos mais rentável da brasileira, mas comprometeria a soberania tecnológica brasileira no setor de fabricação de aeronaves comerciais, o que a médio-longo prazo, pode resultar em dificuldades econômicas á massa da empresa que estará fora do acordo, pondo em risca a perda não apenas da capacidade tecnológica que a Embraer representa ao Brasil hoje, mas pode atingir a continuidade de programas estratégicos de defesa, como a descontinuação do desenvolvimento e mesmo a produção de aeronaves e sistemas que são de grande valor ao Brasil, podendo por em cheque programas como o KC-390 e mesmo o Gripen BR no médio e longo prazo, estando a empresa mais suscetível as crises econômicas tão comuns aqui no Brasil.

Alguns analistas apontam que o negócio que resultará na aquisição de 80% da brasileira pela Boeing, seria vital para o futuro da Embraer, tendo em vista a recente aquisição pela Airbus da linha de aeronaves da Bombardier, a qual se torna assim concorrente direta da brasileira neste nicho do mercado, onde até então a Embraer detém o domínio do mercado.

Alguns defendem que a aquisição de 80% da Embraer, um negócio avaliado em 3,8 bilhões de dólares, que não incluirá os segmentos de defesa, serviços e o rentável segmento de aviação executiva. Para efeito de comparação, no ano de 2016 a brasileira registrou um lucro de 21,4 bilhões de reais. A aquisição pela Boeing representaria ganho de credibilidade a marca brasileira, além de representar uma importante ampliação em sua capacidade de pós-venda, alcançando novos mercados onde a Embraer enfrenta certa "resistência", segundo analistas.

Há quem tema que, com a aquisição da Embraer pela Boeing, resulte na futura migração das linhas de produção da Embraer para os EUA, o que levaria consigo grande parte da capacidade industrial e de pesquisa e desenvolvimento da empresa para o exterior, além de impactar diretamente nossa balança comercial com a perda das exportações de aeronaves.

É bem provável que a montagem das aeronaves ainda permaneça no Brasil por algum tempo, principalmente pelo custo baixo que apresenta a mão de obra especializada que desenvolvemos aqui no país. O problema é a perda do potencial de pesquisa e desenvolvimento, onde é bem provável que após a absorção do expertise brasileiro, a norte americana venha a deslocar o setor de projetos para os EUA, o Brasil arrisca perder centros de desenvolvimento tecnológico.

É um assunto bastante polêmico e preocupante, onde há muitas vertentes a variantes que devem ser analisadas e estudadas para que se tome uma posição acerca do acordo com os norte americanos da Boeing, algo que nos trás a memória imensuráveis perdas que já sofremos ao longo de nossa história.


GBN News - A informação começa aqui


Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger