quarta-feira, 6 de julho de 2016

Projetos de Infraestrutura podem atrasar desdobramento de F-35 no exterior

A primeira base da Força Aérea dos Estados Unidos no exterior que irá operar o novo caça F-35 já está fazendo os preparativos para a chegada do caça no início de 2020, mas seu comandante está preocupado que não seja possível construir as novas instalações necessárias para o desdobramento das aeronaves tão rapidamente quanto o esperado.

O Coronel Robert Novotny, comandante da 48ª Ala de Caça da RAF em Lakenheath, Inglaterra, disse que está ansioso para receber os primeiros caças do programa Joint Strike Fighter, mas as novas instalações devem ser construídas e as velhas remodeladas a fim de apoiar a aeronave . Segundo anunciou realizado no início deste ano a base localizada em Suffolk, Inglaterra, tinha sido escolhida para receber 54 caças F-35 em 2020.

Esse cronograma já foi adiado para o período entre 2021-2022 , disse Novotny.

"Para mim, a preocupação que tenho quando olho para Lakenheath não é o F-35", disse ele em uma entrevista em 2 de julho. "Para mim, a preocupação que tenho é: Será que vamos ser capazes de construir a estrutura necessária rápido o suficiente?"

De acordo com Novotny, existem dois potenciais fatores de risco. Um problema é o dinheiro, ou seja, se os quase 200 milhões de dólares necessários para o trabalho de construção na base manifesta durante o processo orçamentário será disponibilizado como previsto. Os primeiros quatro grandes projetos de construção estão previstos para começar no ano fiscal de 2018.

A outra preocupação é com a alta demanda de trabalho de construção com base no volume de projetos de construção em curso na região, incluindo nas bases vizinhas, como a RAF Marham do Reino Unido, que receberá os seus primeiros F-35 dois anos antes de Lakenheath, disse ele.

"Tivemos cerca de três ou quatro reuniões formais com os representantes dos Estados Unidos, da Royal Air Force e do Ministério da Defesa. Estas são as grandes reuniões. Os engenheiros olham nossas necessidades de energia, nós olhamos nossos requisitos de conectividade. Nós olhamos o nosso espaço na linha de voo. E assim nós fizemos um pouco de concepção do projeto ", disse ele.

Grande parte da construção vai suportar os requisitos de manutenção exclusivos do F-35, incluindo os referentes ao seu motor e a ​​tecnologia stealth que contribuem para a discrição do avião, por exemplo.

"Há alguma construção que precisa ser feita para os requisitos de comunicação que não temos aqui, e há algumas melhorias de infraestrutura de energia porque vai ser uma grande demanda sobre o sistema de energia", disse ele.

Outras novas instalações serão necessárias para apoiar os 1.200 aviadores que irão apoiar os dois novos esquadrões de  F-35 , e também estamos estudando se poderá precisar trazer pessoal de relações públicas, advogados e a infraestrutura correspondente, disse ele.

No curto prazo, estamos focados nos esforços preliminares dp projeto  e estudos de impacto ambiental. também estamos atentos aos planos de desdobramento dos F-35 de Marham.

Caça de Quinta geração Integração

Além de ser o impulso para inúmeras mudanças em torno da base, a chegada do caça vai mudar a composição da 48th. Lakenheath é atualmente o lar de cinco HH-60 Pave Hawks, 55 F-15 E Strike Eagles e 21 F-15 C que são financiados através do programa de apoio a Europa. Os HH-60 estão programados para partir de Lakenheath rumo a Base Aérea de Aviano, na Itália em torno do período de tempo que os F-35 vão chegar, mas o futuro do esquadrão de F-15 C ainda está no ar.

"Nós gostaríamos de manter os F-15 C ao redor. Eu acho que muita gente pensa assim. A OTAN gostaria de mantê-los ao redor. Torna-se realmente uma questão de dinheiro ", disse ele. "E podemos, teoricamente, ter 55 F-15 E, 54 F-35. Isso é 109 aeronaves, em seguida, você poderia ter 21 F-15 C. Então você vai ter 130 aviões de combate. Isso seria incrível!  Isso é mais do que posso pensar sobre qualquer base plenamente capaz. "

Os pilotos de Lakenheath vão começar a treinar para voar o F-35 cerca de seis meses antes da chegada do avião, disse Novotny. Os maiores desafios serão provavelmente obter pleno uso das suas capacidades de quinta geração e integrar os F-35 com caças de quarta geração.

Os pilotos de F-15 tem vontade de operar com uma aeronave de quinta geração, no início deste ano quando 12 caças F-22 do 95th Esquadrão de Caça veio a Lakenheath para um exercício. A aeronave participou exercício  Iron Hand, treinou com todos os três esquadrões de F-15 da base, e seguiu para a Romênia e a Lituânia, de acordo com a Força Aérea.

Novotny disse que a utilidade de uma aeronave de quinta geração torna-se evidente durante operações como derrubar um sistema de defesa aérea, em parte porque um avião furtivo pode ser muito mais eficaz.

"Quando nós pilotamos um avião de quarta geração contra um sistema de defesa aérea, eles nos vêem, por isso temos de fazer certas táticas de forma diferente. Estamos em um risco muito maior quando fazemos essas coisas ", disse ele. "Mas quando temos, por exemplo, um avião de quinta geração, eles podem localizar os SAMs [mísseis terra-ar] muito mais rápido do que nós, eles podem se aproximar sem ser detectados, em seguida, pode destruí-los ou suprimi-los, permitindo-nos economizar uma grande quantidade de combustível, transportar mais armas para digamos uma área-alvo diferente. "


GBN seu canal de informações e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário