segunda-feira, 25 de julho de 2016

Ex-General Israelense critica ajuda dos EUA

Enquanto as autoridades israelenses e norte-americanas se dirigem para outra rodada de negociações, possivelmente a última sobre um novo pacote de ajuda militar de 10 anos, um ex-general das Forças de Defesa de Israel (IDF) disse que seu país estaria muito melhor sem a parceria, Israel estaria mais forte ao longo do tempo se Israel busca-se uma maneira de afastar-se da generosidade dos Estados Unidos.

Insistindo em que a ajuda dos EUA "causa danos e nos corrompe", segundo o Maj. Gen. (Res) Gershon Hacohen, um ex-chefe da escola de guerra da IDF e comandante do Corpo militar do Norte, disse que o governo de Israel deve acolher reduções graduais, em vez de aumentar a ajuda militar não reembolsável .

"Ela exige liderança, mas isso poderia ser feito de uma maneira calculada, bem planejada, seria restaurar a nossa soberania, a nossa auto-suficiência militar e a nossa capacidade industrial", disse Hacohen.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou que Jacob Nagel, o chefe em exercício do Conselho de Segurança Nacional de Israel, estava sendo enviado para Washington "com o objetivo de assinar um novo Memorando de Entendimento entre os dois países o mais rápido possível."

Nagel está programando para se encontrar com Susan Rice da Segurança Nacional dos EUA em primeiro de agosto, na tentativa de concluir a renovação do atual acordo de 30 bilhões de dólares que expira no ano fiscal de 2018.

As negociações bilaterais falharam ao longo dos últimos meses em relação aos termos, condições e ao pacote. De acordo com fontes em Israel e Washington, a oferta dos EUA agora está em 3,8 bilhões anuais, que inclui cerca de 400 milhões para ser gasto por Israel com o sistema de defesa antimísseis e outros programas conjuntos pré-acordados.

Como condição para a expansão da linha de credito á Israel de 30 bilhões para 38 bilhões nos próximos dez anos, Washington insiste em remover um privilégio de 30 anos em que Israel é capaz de converter uma parte significativa de dólares de subsídios para shekels para a pesquisa local, desenvolvimento e aquisições.

"Israel dá grande valor à previsibilidade e segurança da assistência militar que recebe dos EUA e em honrar acordos bilaterais", disse a declaração de Netanyahu. "Portanto, não é do interesse de Israel que haja quaisquer alterações nos níveis de investimentos anuais fixos sem o acordo tanto da administração dos Estados Unidos como do governo israelense".

Mas Hacohen, um ex-membro do Estado-Maior da IDF que se aposentou depois da Guerra de Gaza em2014, insistiu em que os interesses dos EUA e não os interesses de Israel estão melhor servidos pela necessidade contínua de Israel a longo prazo pela ajuda militar dos EUA.

Em uma entrevista em 24 de julho, o ex-oficial insistiu que a"dependência total" de Israel da ajuda dos EUA apenas institucionaliza a dependência da IDF dos meios militares de defesa dos EUA.

"Israel é tão viciado em plataformas avançadas dos EUA, e o armamento dos EUA, que temos de parado de pensar criativamente em termos de conceitos operacionais. Por gerações, estamos presos em pensar sobre como melhorar tecnologicamente; e isso não é necessariamente o pensamento correto ao lidar com inimigos constantemente inovadores em conflitos assimétricos ", disse ele.

Hacohen, um homem secular com formação em filosofia e literatura, ofereceu uma analogia do conto bíblico da arca de Noé, quando a pomba retornou trazendo uma folha de oliveira sinalizou que as águas da inundação tinha diminuído.

"De acordo com Rashi, que foi um dos mais importantes pilares do pensamento judaico, esta história nos ensina que a liberdade tem um preço; que é melhor ter uma folha extraída diretamente da mão de Deus do que ser dado algo doce como o mel por homens mortais ", disse Hacohen.

"A lição aqui é que o gosto amargo das coisas, que nós realizamos com nossas próprias mãos é preferível aos privilégios doces do que pode nos aprisionar."

Hacohen prontamente reconheceu que nenhum de seus ex-colegas do Estado-Maior do IDF ou aqueles em posições de influência no estabelecimento de defesa de hoje estão propensos a compartilhar seus pontos de vista.

No entanto, ele insistiu que a eventual liberdade da ajuda dos EUA poderia remover uma fonte de tensão constante nos laços estratégicos entre os Estados Unidos e Israel.

"Como vimos a partir desta história em curso no acordo de ajuda, esta não é a maneira como dois verdadeiros parceiros devem se comportar. Não deve haver toda essa negociação acontecendo. Uma vez que não são economicamente dependentes deles, a parceria pode florescer em seus próprios méritos ", disse Hacohen.

A aposentadoria de Hacohen depois de 42 anos de serviços marcou a saída do último dos que generais da IDF que teriam lutado na guerra do "Yom Kippur" em 1973.

GBN seu Canal de informação e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário