sexta-feira, 1 de julho de 2016

Índia introduz Tejas em esquadrão operacional

Após cerca de 30 anos de espera, a Força Aérea Indiana (IAF) nesta sexta-feira  (1) reativou seus MiG-21 Bis  desativados do esquadrão Flying Daggers empossados ​​de duas aeronaves nacionais Tejas (LCA) mais uma aeronave de treinamento construído pela estatal Hindustan Aeronautics Limited (HAL) em Bangalore.

O esquadrão "Adagas Voadoras" vai alcançar a sua força total de 20 aeronaves, incluindo quatro aeronaves de treinamento nos próximos dois anos, de acordo com um alto oficial da IAF.

As aeronaves Tejas irão substituir as aeronave MiG-21 Bis, disse ele.

O ministro da Defesa Manohar Parrikar disse que as aeronaves serão um multiplicador de força. "Momento de orgulho nacional. Autonomamente desenvolvido o Tejas, um avião de combate introduzido na Força Aérea. O Tejas levará a nossa força aérea a novos patamares", escreveu Parrikar no Twitter.

"O Tejas é a primeira aeronaves de combate avançada projetado com Fly-by-wire (FBW) , desenvolvido e fabricado na Índia. Concebido como um substituto do MiG-21, o avião foi projetado e desenvolvido pela Agência de Desenvolvimento Aeronáutico (ADA) e produzido por HAL ", disse um comunicado da IAF a imprensa.

O Tejas é uma aeronave de 4ª geração ++ com um cockpit de digital, e está equipado com um sistema de navegação inercial auxiliado por satélite no "estado da arte".

Ele tem um sistema de ataque baseado em computador digital e piloto automático. Ele pode disparar mísseis ar-ar, bombas e munições guiadas com precisão, de acordo com o comunicado da IAF.

Até agora o Tejas tem configuração operacional inicial (initial operational clearance), que alcançou em 2013, e a configuração operacional final (final operational clearance) é susceptível de ser alcançada em março de 2017.

A aeronave Tejas está equipada para combate com mísseis ar-ar, um display montado no capacete e armas guiadas de precisão. Ele é capaz de lançar bombas não guiadas com precisão, devido à seu altamente avançado computador de missão nacional.

A aeronave Tejas vai incorporar mísseis BVR, e terá capacidade de reabastecimento aéreo.

A IAF também está busca implantar o Tejas Mk 1A, que incorporaria o novo radar de varredura eletrônica (AESA) com capacidades simultânea ar-ar e ar-terra, um avançado conjunto de guerra eletrônica integrado e melhorias de manutenção.

Os dois Tejas fazem parte do primeiro esquadrão de 20 aeronaves Tejas, a partir daí um outro lote de mais 20 aeronaves Tejas com a mesma configuração será produzida. Uma vez que 40 aeronaves Tejas estejam totalmente operacionais e comprovando seu sucesso, um adicional de 80 Tejas Mk-1 será encomendado com características adicionais.

O Tejas modificado Mk-1 terá 43 melhorias, mais notavelmente um radar AESA, que a HAL irá co-desenvolver com a empresa israelense Elta Sistemas; uma facilidade de reabastecimento aéreo; um jammer para auto-proteção montado externamente para evitar mísseis inimigos e melhorias inerciais, aviônicos e sistemas de trem de pouso para resolver problemas de manutenção da aeronave.

Além disso, a aeronave melhorada terá 27 modificações numa variedade de subsistemas para melhorar o desempenho de manutenção da aeronave.


GBN seu canal de informações e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário