sexta-feira, 15 de abril de 2016

O navio invisível a radares encomendado pela Marinha dos EUA

O navio é maior e pode armazenar mais munição do que as embarcações de guerra usadas até agora pela Marinha americana. Ao mesmo tempo, ele é identificado pelos radares como se fosse um mero barco de pesca.

Trata-se do USS Zumwalt (modelo DDG 1000), que começou a ser projetado na década de 1990 e é o primeiro de uma "nova geração de navios de guerra que devem se ajustar ao atual cenário político mundial", afirma o fabricante, Bath Iron Works, em seu site.
A embarcação de 14,5 mil toneladas e 185 metros passou por uma primeira prova em dezembro de 2015, navegando pelo rio Kennebec, no Estado do Maine.
Lawrence Pye, pescador de lagostas no local, disse à agência de notícias AP que seu radar captou a presença de um barco pesqueiro de apenas 12 a 15 metros de comprimento.
"(Mas) quando você começa a se aproximar (do navio), vê que é simplesmente gigantesco", disse o pescador.

Clandestino

Getty
Image captionO casco angular do navio é a chave para que a grande embarcação não seja detectada pelos radares (Foto: Getty)
O USS Zumwalt é 29 metros maior que outro navio de guerra semelhante, o Arleigh Burke (DDG 51).
Mas ele também é 50 vezes mais difícil de ser detectado em comparação aos atuais navios de guerra graças à sua forma angular, declarou o capitão James Downey ao jornal Portland Press Herald. Downey é o chefe do programa DDG 1000 para o Departamento de Defesa dos Estados Unidos.
O objetivo desse design "oculto" é que o navio possa navegar sem ser facilmente detectado em águas menos profundas, perto da costa.
"Isto permite que ele chegue em segurança onde os DDG 51 não conseguiam, como o Golfo Pérsico, perto do Irã, ou o Mar Amarelo, perto da Coreia do Norte", disse em janeiro de 2015 Ben Freeman, especialista em política externa e assessor da consultoria Third Way, em um artigo publicado na revista especializada National Defense.
Getty
Image captionO navio de guerra foi batizado em homenagem ao almirante Elmo Zumwalt, chefe de operações navais dos EUA durante a guerra do Vietnã (Foto: Getty)
Fabricar um navio bélico com essa capacidade custou cerca de US$ 3,4 bilhões, ou US$ 1 bilhão a mais do que o DDG 51.
De acordo com alguns especialistas em engenharia naval, é por isso que o governo dos Estados Unidos desistiu de encomendar 32 navios e reduziu o pedido para apenas três.
Mas seu design pontiagudo, de casco mais parecido aos navios de guerra franceses e soviéticos dos séculos 19 e 20, gerou preocupação entre vários especialistas que questionam a estabilidade do Zumwalt.

Instável?

Em 2007, três membros da Marinha dos Estados Unidos e uma engenheira da Universidade Virginia Tech publicaram um relatório que alertava sobre a instabilidade dos cascos estreitos com uma maior distância por cima da linha de flutuação, como é o caso do Zumwalt.
Getty
Image captionEquipado com tecnologia de ponta, o Zumwalt é campas de lançar projéteis a 7.242 quilômetros por hora (Foto: Getty)
"O aumento da altura das ondas (...) conduz a reduções drásticas na estabilidade do casco na parte superior", sugeriram as conclusões da investigação.
"Se as ondas vierem por trás, o navio poderá perder a estabilidade ao recuar e a popa começaria a sair da água, causando a virada (do navio)", disse o arquiteto civil com experiência naval Ken Brower, à revista National Defense.
O Departamento de Defesa dos Estados Unidos garante que todas as embarcações da Marinha são submetidas a uma análise detalhada e que o USS Zumwalt será testado de todas as formas necessárias.
Por enquanto, a preocupação do fabricante é que o navio de guerra não seja "oculto" demais.
O Zumwalt tem refletores para momentos em que o navio esteja navegando em meio a muita neblina, muito trânsito ou seja necessário que algum radar capte a enorme presença da embarcação.

Fonte: BBC Brasil

0 comentários:

Postar um comentário