segunda-feira, 25 de abril de 2016

EUA e Reino Unido buscam soluções para o GAP britânico de capacidade ASW.

Os Estados Unidos e o Reino Unido ainda estão pesando nas opções para lidar com o chamado "GAP" na capacidade de guerra anti-submarino aérea do Reino Unido.

Durante os dias 14 e 15 de abril foram discutidas tais capacidades entre o ministro Philip Dunne do Reino Unido e o vice-secretário de Defesa Bob Work  dos EUA, reconhecendo que os dois países continuam a discutir como o Pentágono pode fornecer sua cobertura aos homólogos britânicos até a primeira aeronave britânica P-8 fique operacional.

"Neste momento, esta é uma das coisas que Philip me pediu, quais são as alternativas que podem ser capazes de se considerar", disse Work. "Então, nós estamos indo falar com a Marinha e ver o que pode ser capaz de ser trabalhado. Mas não há nada firme neste momento. "

O Reino Unido segue sem possuir aeronaves de patrulha marítima própria, resultado de uma decisão em 2010 de cortar sua frota de aeronaves Nimrod por razões orçamentais. No entanto, isso tem sido amplamente visto como um erro, da Revisão de Segurança e Defesa Estratégica de novembro (SDSR) incluiu uma decisão de adquirir nove  aeronaves P-8 para restabelecer essa capacidade.

Esses aviões não estarão operacionais até 2019, momento em que a crescente presença de submarinos nucleares russos no Atlântico Norte tem assustado alguns em Londres.

Vários avistamentos de possíveis submarinos russos nas proximidades da base de submarinos nucleares da Marinha Real em Faslane, na Escócia, resultaram do monitoramento de outros aliados da OTAN.

Durante uma visita a Washington em dezembro, o secretário britânico de Estado da Defesa Michael Fallon levantou a questão de como os EUA poderiam ajudar o Reino Unido, com a vigilância marítima com o secretário de Defesa Ash Carter. Na época, Fallon disse que "precisamos" dessa capacidade, citando o "aumento da atividade de submarinos russos" durante o ano passado.

Em comparação com Fallon, Dunne minimizou a diferença durante sua turnê pelos Estados Unidos, que, além de abordar a questão envolvendo o P-8 e voar a aeronave, incluiu uma visita ao F-35B e as instalações de mísseis Trident no sul dos Estados Unidos.

"Estamos preocupados para nos certificar de que temos capacidade para o momento em que o nosso navio aeródromo entrar em serviço ... que na verdade será 2020", disse Dunne. "Portanto, o tempo hábil está diminuindo muito rapidamente agora e a aeronave vai ter um dos seus principais papéis, manter nossos navios seguros. Então nós achamos que não haverá uma lacuna no que diz respeito, como nosso porta aviões não vai estar operacional até os P-8 chegarem.

Embora o Work tenha evitado entrar em detalhes, ele deu uma dica sobre qual solução pode ser apontada, como a Iniciativa Europeia, um fundo de US$ 3,4 bilhões de dólares, entre os EUA e a defesa europeia, inclui oo financiamento para equipar uma base em Keflavik, Islândia para operar aeronaves P-8.

Esse projeto, com um investimento de US$ 21,4 milhões, inclui fazer modificações nos hangares existentes para permitir que o P-8A possam receber manutenção, bem como reforçar o chão do hangar para acomodar o peso do avião e outras correções.

Se os EUA estabelecerem seus P-8 para missões de vigilância a partir de Keflavik, seria dar-lhes uma chance de localizar e acompanhar quaisquer submarinos russos que naveguem para o Reino Unido.

Work também disse que os EUA estão "comprometidos" com certificar-se de que não haja interrupções para a linha de P-8 que poderia levar a atrasos na entrega das aeronaves do Reino Unido. Esse compromisso também significa assegurar que os pilotos do Reino Unido e operadores de sensores serão treinados e estarão prontos para a operação quando esses aviões finalmente chegarem.

As tripulações britânicas têm realizado treinamento com os P-8 da US Navy e outras aeronaves marítimas na sequência do cancelamento do programa Nimrod.

O programa, conhecido como seedcorn, visa a manutenção da capacidade anti-submarino e anti-superfície britânicos. Com muitos dos 20 tripulantes têm sido incorporados as operações da USN com P-8.

Dunne também confirmou que o Reino Unido ainda tem planos para aquisição de armas para sua frota de P-8, quando os aviões chegarem, antes da potencial transição para armas britânicas no futuro, a cabeça da nação de aquisição de material militar confirmou.

O equipamento dos P-8 britânico será "inicialmente" o mesmo que opera a Marinha dos EUA, disse Dunne. "O P-8, estamos com uma visão essencialmente, como compra de prateleira. Nós estamos fazendo um aquisição do mesmo conjunto de capacidades que opera a Marinha dos EUA.


Perguntado se havia um calendário para quando o equipamento do Reino Unido pode ser incorporado na sua frota de P-8, Dunne simplesmente disse "não".


GBN seu canal de informação e  notícias

com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário