quarta-feira, 20 de abril de 2016

Israel confiante em ser único operador do F-35 no Oriente Médio

Enquanto o Qatar e o Kuwait aguardam ansiosamente a decisão da Casa Branca para comprar novos caças de quarta geração ++, as preocupações israelenses sobre a manutenção de sua vantagem militar na região esta ligada a uma simples crença: a de que Israel manter exclusividade regional, através da aquisição de caças de quinta geração F-35.

Para as nações do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) não seria permitido a aquisição do F-35 até que Israel tenha incorporado o caça em seu arsenal e tenha um amplo domínio de sua operação é uma das crença que por algum tempo tem circulado na comunidade de defesa.

Mas as autoridades de ambas as nações pareciam reconhecer a realidade até a visita do presidente norte-americano Barack Obama a região.

Perguntado se ele achava que o F-35 deverá ser vendido para países do Golfo em algum momento da próxima década, o vice-secretário de Defesa Bob Work, indicou que tal movimento era improvável.

"Neste momento, não temos qualquer expectativa pela venda do F-35 no curto prazo, além dos países que já participam no programa" disse o vice-secretário.

Tão amplo como o comentário é, representa que a declaração esta mais voltada para o futuro, com o compromisso de Washington de manter um fosso nas capacidades de combate entre Israel e os Estados do CCG.

Altos funcionários norte-americanos anteriormente informaram sobre a presente situação, em que Israel "é a única nação do Oriente Médio para o qual os EUA já vendeu esta aeronave de quinta geração", como Obama observou em uma carta de Agosto de 2015.

Os comentários de Work foram recebidos em Israel na quarta-feira (13) em meio a especulações de que Obama na Arábia Saudita para uma reunião de cúpula com os líderes do CCG - anunciaria aprovação da venda de F-15 silent Eagles para o Qatar e F/A-18 para o Kuwait.

As vendas tinha sido adiadas por dois anos, em parte, dizem as fontes, devido as preocupações de Israel sobre o seu impacto sobre o compromisso legalmente respaldado por Washington para preservar á Israel a chamada qualitativa vantagem Militar (QME).

"Sabemos que a política dos EUA não irá fornecer F-35 para outros países da região por muitos anos, mas é bom ouvir isso expresso publicamente e explicitamente", segundo o Maj. Gen. Yair Golan, vice-chefe das Forças de Defesa de Israel (IDF).

Em  uma conferência de imprensa em Jerusalém, Golan disse duvidar que os Estados do CCG sequer estarão interessados na próxima década, em adquirir um caça de quinta geração, dada a complexidade do sistema.

"Este é um sistema muito complexo, que requer um conceito totalmente novo, completamente novo de manutenção e, é claro, a rede para conectar tudo. Nossa hipótese de trabalho e nossa esperança é que vamos ter, pelo menos, o salto de uma década em relação aos nossos vizinhos no que diz respeito a esta aeronave ".

Quando perguntado se as vendas pendentes de caça de quarta geração para o Golfo iria corroer o QME de Israel, Golan disse que há sempre a preocupação de mudar alianças ou perturbações na estrutura do poder regional, mas que a IDF é tranquilizado por um espectro completo e a expansão das relações EUA-Israel no que diz respeito a cooperação estratégica, incluindo a exclusividade sobre o F-35.

"Nós trabalhamos duro e muito estreitamente com os nossos homólogos americanos, a fim de permitir que a América tenha um bom negócio na região do Golfo e melhorar os seus interesses nesta região", disse Golan. Ele observou que Israel e os EUA "basicamente compartilham os mesmos interesses" quando se trata de Estados do Golfo.

Mas, ao mesmo tempo, ele disse que os dois países mantêm contatos regulares e íntimos para garantir que as ações dos EUA na região não prejudiquem a segurança a longo prazo de Israel.

"As discussões com os nossos homólogos americanos são muito produtivas. Há um entendimento profundo dos nossos desafios e até agora, nós encontramos o equilíbrio certo, a fim de torná-lo um risco calculado a partir da perspectiva de Israel ", disse Golan.

O senador Joe Donnelly, líder democrata na subcomissão de Forças Estratégicas do Senado, disse que as vendas de armas dos EUA para a região e seu impacto sobre o QME de Israel era um item da agenda quando ele e outros legisladores se reuniram no mês passado com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

"O que saiu é que o primeiro-ministro Netanyahu quer sempre manter o QME, e a vantagem militar", disse Donnelly.

No entanto, Donnelly observou que os laços parecem estar ficando mais forte entre os países do CCG e Israel. "Eu acho que o inimigo do meu inimigo realmente trouxe um elo comum de se certificar que o Irã não avançará em qualquer frente", disse ele.

Donnelly disse que seu recente balanço sobre o Oriente Médio também abordou o interesse regional no F-35.

"Todo mundo quer o mais novo avião, por isso veio para cima ... em uma série de lugares onde eles estavam falando sobre as capacidades do avião", reconheceu Donnelly.

Em uma entrevista na semana passada, Rep. Steve Israel, da subcomissão de defesa, disse que também, recentemente se encontrou com Netanyahu em Israel para discutir o QME de Israel e do envolvimento dos EUA na região. Preservar o QME de Israel é "uma grande preocupação", disse o legislador.

"Em um novo ambiente de ameaças que o Irã pode acelerar as suas capacidades de mísseis balísticos, temos a responsabilidade de fornecer tecnologias defensivas para nossos aliados. Mas o aliado de hoje pode ser o inimigo de amanhã, porque eles eram o adversário de ontem. Então eu acho que vai exigir um pouco mais de calibração e pensamento de longo prazo ".

GBN seu canal de informações e notícias

com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário