quarta-feira, 27 de abril de 2016

DCNS conquista maior contrato de defesa da história da França

A França comemora a escolha da Austrália no "histórico" contrato da DCNS de 50 bilhões para o programa do futuro submarino, o presidente François Hollande fez uma visita ao escritório do estaleiro naval na capital francesa.

"Este é um programa histórico, o maior programa de exportação de armas que nosso país já realizou", disse um comunicado. A seleção foi possível devido a um acordo de governo para governo em um "nível estratégico" de mais de 50 anos.

A seleção austráliana abre agora negociações para a assinatura do contrato do projeto de submarinos prevista para ser concluído no final deste ano ou início de 2017, disse um executivo da DCNS.

"Esta decisão marca o início de um processo de negociações exclusivas que deverá conduzir a uma assinatura do contrato em 2017", disse Hélène Masson, pesquisador sênior na Fundação de Investigação Estratégica think tank. "A França tem uma forte imagem de independência tecnológica e industrial, a pedra angular da política de armamento francesa ao longo dos últimos 50 anos, particularmente em submarinos."

A DCNS venceu com o seu submarino Classe "Barracuda", um derivado de propulsão convencional do submarino da Classe "Suffren" de propulsão nuclear em construção para a marinha francesa.

Ao contrário do "Suffrens", no entanto, os submarinos da Austrália serão armado com armas americanas e uma sistemas de combate integrado americano, da Raytheon ou Lockheed.

A Austrália espera em breve definir entre Raytheon ou Lockheed Martin, a DCNS vai trabalhar em conjunto com o vencedor dessa competição para integrar o sistema de combate dos submarinos.

O acordo também representa uma vitória da Thales, que detém 35% da DCNS, com o governo francês, segurando o restante. a parte do programa que cabe a Thales deve ser de aproximadamente 1 bilhão, com cerca de 100 milhões de Euros por submarino baseado na venda de sistemas de sonar, guerra eletrônica e periscópios, segundo um executivo da Thales.

O presidente da DCNS, Hervé Guillou, saudou o apoio da Direction Générale de l'Armement procurement office, Thales, Sagem, e Schneider Electric, uma empresa francesa de energia com uma presença comercial significativa na Austrália.

A seleção da DCNS refletiu a importância de uma "relação de trabalho próxima com a indústria", tal como estabelecido em 2016 no livro branco de defesa da Austrália, disse Robbin Laird da consultoria ICSA, com sede em Washington. A Austrália está procurando por um longo prazo, o sistema atualizável com um grande papel para a fabricação local.

O ministro da defesa Jean-Yves Le Drian disse em uma mensagem de mídia social que ele estava com o governador geral da Austrália em 25 de abril, o dia Anzac que marca a memória das tropas Australianas caídas na batalha do Somme, na Primeira Guerra Mundial.

A visita altamente visível de Hollande, com o conjunto da equipe, a defesa, os ministros do Interior e estrangeiros, ao escritório da DCNS marcou a importância política e econômica do negócio Australiano.

Enquanto todos os 12 submarinos serão construídos na Austrália, o contrato apoiará cerca de 4.000 postos de trabalho para DCNS e seus subcontratados, com trabalho em Brest, Cherbourg e Lorient, na costa do noroeste da França, disse um porta-voz da DCNS. O primeiro e últimos serão, na Bretanha, onde Le Drian é presidente do conselho regional.

O emprego é um fator-chave como a França se dirige para uma eleição geral no próximo ano, com uma taxa de desemprego em cerca de 10%, o negócio vem a dar folego ao governo.

GBN seu Canal de informação e notícias

0 comentários:

Postar um comentário