sábado, 16 de abril de 2016

Kremlin critica ‘reação exagerada’ do Pentágono sobre navio

Após os bombardeiros Su-24 russos terem sobrevoado o destróier norte-americano USS Donald Cook e o Pentágono divulgar  na quarta-feira (13) um vídeo do comportamento “agressivo” dos aviões, o Ministério da Defesa russo declarou surpresa pela “reação exagerada” dos EUA.
O episódio, no início desta semana, aconteceu quando o navio realizava exercícios conjuntos com a Polônia em águas neutras do mar Báltico. 
O comando europeu das forças armadas dos Estados Unidos e a Casa Branca condenaram as “manobras aéreas perigosas e pouco profissionais por parte dos aviões russos”.
A pasta da Defesa russa justificou, porém, que a tripulação do avião russo estava realizando voos de treinamento sobre a mesma região e ressaltou que o navio norte-americano estava a apenas 70 quilômetros da base russa no Báltico, situada na região de Kaliningrado. 
Ao se depararem com o navio, os pilotos russos “deram a volta observando todas as medidas de segurança”, lê-se no comunicado oficial.
O incidente estaria diretamente relacionado com a proximidade do destróier dos Estados Unidos em relação à base militar russa, segundo o presidente do Centro Internacional para Análise Geopolítica, o coronel-general aposentado Leonid Ivachov.
“Os marinheiros usam o termo ‘expulsão’ para indicar quando um barco faz o outro retroceder até que esteja a uma distância segura”, explica.
As aeronaves russas não portavam armas ou equipamentos a bordo capaz de desativar os componentes eletrônicos do navio dos Estados Unidos. 
Abate de aviões
A reação dos pilotos russos ao navio dos Estados Unidos foram condenadas não somente pela Casa Branca, mas também pelo departamento de Estado norte-americano.
“É imprudente. É uma provocação. É um perigo. E, de acordo com nossas regras de enfrentamento, [essas aeronaves] poderiam ter sido abatidas”, declarou o secretário John Kerry.
O porta-voz do departamento de Estado dos EUA, John Kirby, informou que Kerry irá tratar do incidente com seu homólogo russo, Serguêi Lavrov.
De acordo com Ivachov, trata-se de uma das normas militares internas dos Estados Unidos segundo a qual, por exemplo, um navio da Marinha norte-americana abateu, em 1988, um Airbus com 290 passageiros a bordo no céu do Golfo Pérsico.
“O Pentágono declarou então que a aeronave iraniana tinha sido erroneamente identificada como um caça F-14 das Forças Armadas”, recorda o analista militar.
Membro da comissão para assuntos internacionais do Conselho da Federação (Senado russo), Igor Morózov, declarou que o destróier norte-americano estava tão perto das fronteiras russas que, caso tive derrubado os aviões, “não teria sido capaz de escapar”.

Fonte: Gazeta Russa

0 comentários:

Postar um comentário