sexta-feira, 8 de abril de 2016

ADEST BLD, poeira em Valença

Entre os dias 28 de março e 5 de abril de 2016, o Batalhão de Blindados de Fuzileiros Navais (BtlBldFuzNav) realizou na cidade de Valença, sul do Rio de Janeiro, um de seus mais tradicionais exercícios de adestramento. Criado em 21 de fevereiro de 2003, o BtlBldFuzNav é subordinado ao Comando da Divisão Anfíbia, e possui três companhias operacionais: Companhia de Carros de Combate (CiaCC) com quatro pelotões; Companhia de Viaturas Blindadas sobre Lagarta (CiaVtrBld); Companhia de Viaturas Blindadas Sobre Rodas Piranha (CiaVtrBldSR); e uma companhia de Comando e Serviço (CiaCSv).
A principal missão do BtlBldFuzNav é guarnecer os Grupamentos Operativos de Fuzileiros Navais (GptOpFuzNav) com carros de combate e viaturas blindadas, garantindo a estes poder de fogo, proteção blindada e elevada capacidade de manobra. Para garantir que o efetivo esteja sempre pronto a cumprir esta missão, o adestramento da tropa é constante.

O ADEST BLD acompanhado por nossa equipe, tem por objetivo adestras as guarnições das companhias de carros de combate e os alunos do curso especial de operadores de carros de combate (C-EspOp-CC), as guarnições da Companhia de Viaturas Blindadas sobre rodas (ViaVtrBldSR), os alunos do E-QTEspOpVtrBldSR Piranha IIIC e as guarnições da ViaVtrBld no emprego técnico e tático do CCL SK 105 A2S, do Piranha IIIC e do M113MB1, elevando o grau de prontificação das guarnições do Batalhão de Blindados de Fuzileiros Navais (BtlBldFuzNav). Realizada na vasta área do 1° Esquadrão de Cavalaria Leve (1° Esqd C L), unidade do Exército Brasileiro, subordinada a Brigada Aeromóvel, a manobra serve como curso de formação e adestramento das subunidades do batalhão.
Um dos primeiros exercícios realizados é o adestramento de acionamento da cadeia de evacuação, onde é testada entre outras as equipes de comunicações e o acionamento da aeronave para transporte aeromédico. Um acidente é simulado, o ferido colocado na ambulância UTI e a vitima transferida para o principal hospital de trauma da região.
Diversos adestramentos de rotina são realizados de forma independente e baseados na demanda de cada companhia, como a troca de pneus e do dozer blade na viatura Piranha IIIC, a instalação dos tanques de flutuação das viaturas M113MB1 e a extração de feridos do interior de um SK 105A2S, com o apoio da viatura socorro.
Com exceção da transposição do curso d’agua, todas as atividades são realizadas dentro das área do 1° Esqd C L onde o terreno acidentado e rústico garante um elevado nível de dificuldade no adestramento. Obstáculos artificiais construídos na Área de Apoio (AApAdm) em Itaoca (ES) para treinamento das guarnições, são encontrados in loco no terreno em Valença. Obstáculos como degrau, fossos, rampas, inclinações laterais, vaus, pontes e outros, apresentados de forma natural no terreno, levam o militar a acreditar e confiar nas capacidades da viatura operada e testar em terreno real seus limites.
As estradas já precárias tornaram-se mas desafiadoras com a decorrência das chuvas. Muito lameadas contribuíram principalmente para o adestramento das equipes das viaturas sobre lagartas M113MB1 e SK 105A2S. Considerada como uma das mais complexas do terreno, é na estrada da Granja que tem inicio a pista de aquisição de alvos, onde as guarnições tem a possibilidade de trecar o alvo e ver a torre estabilizada no terreno acidentado. Uma pista menos acidentada e de mais fácil utilização, identificada como pista de trafegabilidade, é emprega nos momentos de primeiro contato do operador com as viaturas M113MB1.
O terreno complexo que enriquece o adestramento, também coloca a prova às equipes de manutenção e logística que precisam reparar as panes com recursos limitados e manter todas as viaturas operacionais. A viatura SK105A2S modernizada pela GESPI participou efetivamente do exercício deste ano. Entretanto, no ano passado, uma rachadura no radiador retirou esta mesma viatura da manobra em Valença. Uma viatura Piranha apresentou pane na braçadeira do braço de direção. Já a viatura M113MB1 não apresentou nenhuma pane durante o exercício, mostrando a qualidade e a robustez deste clássico da indústria de defesa.
Para que o exercício ocorra com sucesso, muitos meios do Corpo de Fuzileiros Navais são empregados. Ao todo, 168 militares de diversas organizações militares da Força de Fuzileiros da Esquadra e do Comando Geral participaram da manobra. Destes, 133 eram pertencentes ao BtlBldFuzNav, sendo 56 alunos. Entre as viaturas envolvidas na manobra podemos destacar quatro SK105A2S, um SOC SK102KH7FA-ARRV, dois M113 MB1 e quatro Piranha IIIC. Além dos blindados foram empregados uma viatura Cavalo Mecânico 5Ton, quatro viaturas TNE Atego 5Ton, uma viatura ambulância UTI, uma viatura ¾ Ton ambulância, três viaturas ¾ Ton 4X4 Com, duas viaturas ½Ton 4×4 e uma embarcação de casco rígido que apoiou com mergulhadores na segurança das transposições de curso d’agua.

Kit de flutuadores pronto para ser instalado na viatura M113
Kit de flutuadores pronto para ser instalado na viatura M113MB1
Um dos pontos de maior destaque na manobra foi a primeira transposição de curso d’água realizado pelo BtlBldFuzNav com as viaturas M113 MB1. Dois militares do CTec FN ministraram instrução de transposição de curso d’águae apoiaram nos primeiros testes de estanqueidade da viatura realizado no açude da Fazenda Pau d’Alho. Mesmo utilizando um lastro de 400kg a viatura tem uma leve tendência de adernar para frente, mas nada que comprometa sua manobrabilidade e condições de navegação.
Não só de poeira e muita lama consistiu a manobra. Uma ação cívico social foi realizada na escola municipal Alcides de Souza, localizada em área rural e carente de Valença. Militares realizaram obras e pintura na escola que, a cada passagem do CFN pela cidade, recebe inúmeras benfeitorias. O prefeito da cidade de Valença Álvaro Cabral, participou da entrega da obra realizada pelo BtlBldFuzNav.
Durante a manobra, o Almirante-de-Esquadra (FN) Fernando Antonio, Comante Geral do Corpo de Fuzileiros Navais, inaugurou um memorial aos militares mortos em Valença no ano de 2009 em acidente noturno com viatura SK105A2S. Na localidade, onde já existia um memorial ao Cb Galvão, falecido em 1990, encontra-se agora uma justa homenagem os Sgt Bacelar e Cb Pessanha.
Nossa equipe agradece o apoio do CMG Paulo Ricardo, comandante do BtlBldFuzNav,  e do Maj Daniel Vargas, comandante do 1° Esqd C L.

Matéria especial da Revista Operacional, por nosso parceiro Rafael Sayão 
Clique aqui e acessematéria original e veja mais fotos e detalhes do exercício, além de conhecer a Revista Operacional

0 comentários:

Postar um comentário