terça-feira, 9 de junho de 2015

Tensão na Europa: EUA podem basear mísseis em solo europeu em resposta a Rússia

Os Estados Unidos estão considerando uma série de medidas para combater uma suposta violação da Rússia do tratado de armas nucleares, incluindo reforçar as defesas contra mísseis ou mesmo a implantação de mísseis baseados em terra na Europa, disseram autoridades na última sexta-feira (5).

As opções deverão ser discutido em uma reunião de oficiais militares e diplomatas seniores convocada pelo secretário de Defesa, Ash Carter durante uma visita sexta-feira a Stuttgart, na Alemanha, segundo autoridades do Pentágono informaram.

As conversações vão se concentrar sobre o papel de Moscou no conflito da Ucrânia, bem como a sua suspeita de violação do acordo de controle de armas, com um conjunto de medidas potenciais, disseram autoridades.

"Estas opções têm um intervalo para eles", disse um funcionário da Defesa, falando sob condição de anonimato.

Instalando mísseis terrestres na Europa seria um passo mais agressivo "no outro extremo do espectro", disse o oficial.

Washington no ano passado acusou a Rússia de violar um acordo da época da Guerra Fria, o tratado Intermediate-range Nuclear Forces (INF) , testando um míssil de cruzeiro lançado de terra proibido.

Carter disse aos legisladores no início deste ano que o acordo de controle de armas foi uma "via de dois sentidos", e Washington pode tomar seus próprios passos, se a Rússia não recuar.

"O governo está considerando uma série de possíveis respostas militares a violação permanente da Rússia do Tratado INF", disse o porta-voz do Pentágono, o tenente-coronel Joe Sowers.

"Todas as opções em análise foram concebidos para assegurar que a Rússia não ganhe nenhuma vantagem militar significativa de sua violação", disse Sowers.

Algumas das opções possíveis estão em conformidade com o tratado de controle de armas, mas algumas não são, disseram autoridades.

Robert Scher, secretário-assistente de Defesa para estratégia, planos e recursos, disse a parlamentares em abril que uma opção poderia ser a de reforçar as defesas de potenciais alvos do míssil de cruzeiro russo.

Uma segunda opção poderia "demosntrar como nós poderiamos realmente atacar esse míssil onde esta na Rússia", disse Scher.

E uma terceira opção seria "demonstrar as coisas que podemos colocar em risco dentro da própria Rússia", disse Scher.

Seus comentários parecem sinalizar o emprego de forças para atacar outros alvos militares russos, além dos mísseis que supostamente violam o acordo INF.

Brian McKeon, vice-subsecretário de defesa, disse aos legisladores em dezembro que os Estados Unidos poderiam considerar colocar mísseis de cruzeiro lançados do solo na Europa. Essas armas são proibidas nos termos do tratado INF.

Fonte: GBN com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário