terça-feira, 16 de junho de 2015

Rússia projeta navio anfíbio que substituirá os Mistral

O Escritório de Design de Neva (São Peterburgo) criou um projeto de navio de assalto anfíbio que será uma alternativa aos porta-helicópteros franceses do tipo Mistral, informou nesta terça-feira uma fonte do setor de Defesa russo.


"O navio de desembarque do projeto Priboi terá capacidade para carregar 14 mil toneladas e medirá 165 metros de comprimento", disse a fonte à Sputnik.

O navio poderá alojar até 500 pessoas e carregar até oito helicópteros Ka-27 e Ka-52. Além disso, terá espaço para transportar entre 40 e 60 equipamentos militares. A construção do novo navio pode começar em 2016, informou a mesma fonte. 

O contrato de fornecimento dos porta-helicópteros da classe Mistral foi assinado entre a empresa francesa DCNS/STX e a russa Rosoboronexport em 2011. A França deveria ter entregado o primeiro navio, chamado Vladivostok, em novembro do ano passado, mas não cumpriu o compromisso alegando a escalada do conflito na Ucrânia.

A Rússia espera que a Paris cumpra o contrato ou devolva o dinheiro.


Vice-premiê russo nega que Moscou tenha desistido dos Mistral

O vice-primeiro-ministro da Rússia Dmitry Rogozin criticou duramente nesta quarta-feira o vice-presidente do Complexo Industrial Militar russo Oleg Bochkaryov por suas declarações de que a Rússia teria alegadamente desistido da compra dos dois navios Mistral encomendados à França,informa o jornal Kommersant nesta quarta-feira (27).

O vice-presidente do Complexo Industrial Militar russo, Oleg Bochkaryov, afirmou nesta terça-feira (26) que Moscou desistiu de ficar com os porta-helicópteros franceses da classe Mistral e que os representantes franceses irão visitar Moscou em breve. Rússia e França agora estão discutindo somente o valor que Paris deve reembolsar o governo russo pelo não cumprimento do contrato.

Porém, o vice-premiê russo negou estas declarações, frisando que “a Rússia nunca desistiu oficialmente dos navios, a visita dos representantes franceses não está prevista por Moscou e o senhor Bochkaryov nunca participou das negociações sobre os navios Mistral”.

Além disso, Rogozin anunciou planos de estabelecer regras de comunicação entre os seus subordinados e a imprensa. 

A situação foi também comentada pelo porta-voz do presidente russo Dmitry Peskov:

“Quanto aos navios Mistral, não tenho nada a acrescentar ao que já disse”, 
Anteriormente Peskov tinha declarado que, no caso dos Mistral, Moscou segue o princípio “mercadoria ou dinheiro” que foi ajustado durante o encontro do presidente russo Vladimir Putin com o seu homólogo francês François Hollande em Yerevan em 27 de abril.   "Nós queremos ou dinheiro ou os navios. Pelo menos os dois lados têm uma posição semelhante sobre isso", comentou.

Moscou e Paris assinaram um acordo de US$ 1,3 bilhões para dois porta-helicópteros da classe Mistral em 2011. A entrega do primeiro navio à Rússia estava prevista para novembro de 2014, mas nunca aconteceu. O presidente francês, François Hollande, colocou a entrega em espera devido a alegada interferência russa na crise ucraniana. O Kremlin negou veementemente as acusações e exortou Paris a cumprir as suas obrigações contratuais.

O primeiro navio de desembarque, Vladivostok, devia ter sido entregue pela França em 14 novembro de 2014. Já o segundo navio deveria ser entregue até o final de 2015.
 

Fonte: Sputnik News

0 comentários:

Postar um comentário