quarta-feira, 10 de junho de 2015

Por que os EUA perderam a Guerra do Vietnã?

A Guerra do Vietnã, cujo fim completou 40 anos na última quinta-feira, se estendeu de 1959, quando começaram os combates de guerrilheiros comunistas no Vietnã do Sul (na época uma ditadura apoiada pelos Estados Unidos), até que os últimos militares deixassem a capital, Saigon, em abril de 1975.
A tomada da cidade, hoje chamada Ho Chi Minh, pelas forças comunistas do Vietnã do Norte lançou as bases para a reunificação vietnamita e foi a maior derrota militar da história dos EUA – que se envolveram no conflito em 1961, temendo o avanço do comunismo.
Para americanos e vietnamitas, foi uma guerra custosa, sangrenta e divisiva.
O conflito marcou a história do Vietnã no século passado, deixou o país em ruínas, causou milhões de mortes e ainda desperta debates.
Porque os EUA perderam a guerra?
Após uma longa resistência dos vietnamitas, o governo norte-americano cedeu a pressões políticas e populares e se retirou do conflito. Essa medida permitiu que o Vietnã do Norte, comunista, invadisse e conquistasse o Vietnã do Sul, unificando a nação. Com um exército menor e pior equipado, os vietnamitas evitavam grandes confrontos fazendo escapadas estratégicas. Além disso, estimulavam a moral de seus soldados com as mortes constantes de soldados norte-americanos, principalmente por meio de armadilhas na selva. Em janeiro de 1968, uma grande estratégia militar vietnamita, conhecida como Ofensiva do Tet, tentou fragilizar várias bases do Vietnã do Sul. Fracassou, mas fez com que a guerra fosse repensada pelos EUA.
 Protestos e uma grande corrente antiguerra se iniciaram no país, fazendo com que o presidente Richard Nixon (que se elegeu prometendo o fim do confronto) realizasse uma lenta retirada das tropas a partir daquele ano. O acordo de cessar-fogo foi assinado pelos EUA em janeiro de 1973 e faz 42 anos em 2015. A guerra terminou oficialmente em 1975.
A seguir, dez dados sobre a guerra e suas consequências:
1. Rivalidade da Guerra Fria: O antigo Vietnã do Sul dependia da ajuda econômica e militar dos EUA, enquanto o Vietnã do Norte recebia apoio da União Soviética e da China.
2. Número de soldados: Mais de 2,5 milhões de americanos serviram na guerra; em 1968 havia 536 mil deles combatendo. Em 1973, quando os EUA aceitaram um cessar-fogo, as forças do Vietnã do Sul eram de cerca de 700 mil, enquanto as do Vietnã do Norte somavam cerca de 1 milhão de combatentes.
3. Número de mortos: Mais de 58 mil americanos e ao menos 1,1 milhão de vietnamitas morreram no conflito (algumas estimativas falam em 3 milhões de mortos). Outros países também sofreram baixas: foram mortos, por exemplo, mais de 4 mil soldados sul-coreanos.
4. Guerra internacional: Algumas nações enviaram tropas para ajudar os EUA; participaram do conflito milhares de soldados da Coreia do Sul, Tailândia, Austrália, Filipinas e Nova Zelândia.
A China também enviou um número substancial de soldados ao Vietnã do Norte: chegaram a 170 mil, para reparar os danos causados pelos bombardeios americanos e para ajudar na defesa aérea.
5. Guerra aérea: A Força Aérea dos EUA lançou 6,7 milhões de toneladas de bombas sobre o Vietnã; as forças aliadas do Vietnã do Sul, Austrália e Nova Zelândia lançaram outras 1,4 milhão de toneladas.
Esse montante corresponde a mais do dobro do volume de bombas lançado por Reino Unido e EUA – 3,4 milhões de toneladas – em operações na Europa e no Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial.
6. O tanque: Durante 20 anos, acreditou-se que um tanque do Vietnã do Norte – o de número 843 – tivesse sido o primeiro a avançar contra as portas do Palácio Presidencial de Saigon, em 30 de abril de 1975. Só em meados de 1990 que o Vietnã concluiu que foi obra de outro tanque, o número 390.
7. Arma icônica: Nenhuma outra arma está tão associada à Guerra do Vietnã quanto o fuzil AK-47. Foi a principal arma do Exército do Vietnã do Norte e das guerrilhas do Sul e se converteu na arma revolucionária preferida em todo o mundo.
As tropas americanas usaram sobretudo o fuzil M14 e, posteriormente, o M16. Os fuzis de assalto americanos eram de difícil manejo nas úmidas selvas do Vietnã.
8. Legado controverso: O Vietnã pediu, sem sucesso, compensação às vítimas do “agente laranja” – substância química jogada pelas tropas americanas no solo para destruir plantações agrícolas e desfolhar florestas usadas como esconderijo pelos inimigos, que acabou causando danos, malformação de crianças e contaminação, com efeitos que duram até hoje.
9. Divisão: Mais de 1 milhão dos chamados “boat people” (imigrantes que viajavam em barco) fugiram do Vietnã do Sul entre 1975 e 1989. A maioria se estabeleceu nos EUA.

10. Normalização: EUA e Vietnã normalizaram suas relações em 1995 e anunciaram um acordo amplo em 2013. O comércio bilateral movimentou quase US$ 35 bilhões em 2014.

Algumas curiosidades sobre as armadilhas 

11% das baixas dos EUA foram causadas por armadilhas nas florestas
ESFERA DA MORTE
Uma bola de espinhos mortais, feitos de madeira, bambu ou até mesmo de concreto, era amarrada como um pêndulo a uma árvore. A esfera era ocultada em um dos lados do caminho e presa com uma corda que ficava estendida ao longo da trilha. Quando o inimigo passava, os vietnamitas liberavam o ataque
LINHAS CRUZADAS
Também eram utilizados vários aparelhos disparadores de flechas. Uma das gambiarras encaixava um arco tradicional, permanentemente tensionado, em um buraco no solo, e o conectava a uma corda escondida na mata. O projétil era liberado quando alguém tocava na fiação
CUIDADO ONDE PISA
Minas comuns e improvisadas eram espalhadas pela selva, especialmente ao redor de árvores caídas. As tradicionais eram acionadas quando se pisava em uma delas, ao retirar o pé. Já as improvisadas continham um cartucho de fuzil que, quando pisado, era comprimido contra um pino que detonava e disparava
VIDA POR UM FIO
Granadas eram colocadas dentro de latas de alumínio presas em troncos de árvores. Um fio era ligado à trava de segurança do artefato e estendido até outro tronco. Quando o inimigo passava e puxava o fio, a trava era liberada, causando a explosão. Também era usada dentro de rios
INDO PRO BURACO
Uma das mais tradicionais arapucas eram as estacas punji, lanças de madeira ou bambu afiadíssimas e sujas de fezes e veneno. Elas eram colocadas em buracos e cobertas por uma tela de folhagem frágil, que enganava soldados norte-americanos distraídos
SAINDO DA TOCA
Para se deslocarem pelo território e surpreender o exército rival, os vietcongues, guerrilheiros do Vietnã do Norte, usavam uma rede de túneis subterrâneos com cerca de 120 km de extensão. Ali, havia quartos, hospitais e até arsenais. Além de se protegerem, os combatentes também usavam os túneis para surpreender os inimigos
Em alguns casos, os norte- americanos ficavam entalados nos túneis por causa dos corpos dos companheiros mortos.
Os EUA perderam mesmo?
Saiba os argumentos de quem discute o desfecho do confronto
VITÓRIA
Com um exército superior e mais bem treinado, os EUA estavam vencendo todas as batalhas importantes e teriam derrotado os comunistas se tivessem permanecido na guerra.
DERROTA
Ao se retirarem do conflito antes do seu fim, os EUA não atingiram o objetivo de evitar a unificação do Vietnã sob o domínio comunista. Portanto, perderam.

Fonte: Mundo Estranho / BBC

0 comentários:

Postar um comentário