segunda-feira, 8 de junho de 2015

Índia barganha aquisição de Rafales

A crítica devido ao preço elevado do Dassault Rafale para Índia tem aguçado o foco público sobre as negociações com os franceses para estender a venda do caça além das 36 unidades planejadas pela Força Aérea da Índia.

O ministro da Defesa indiano Manohar Parrikar alimentou as especulações sobre o tamanho final do contrato para os caças Rafale em 31 de maio, quando ele disse que os caças franceses eram "muito caros" e já não havia um plano para comprar um total de 126 Rafales.

Mas o presidente da Dassault Aviation, Eric Trappier, disse que o acordo para 126 caças "está em discussão", embora tenha admitido que o progresso é lento.

"A Força Aérea da Índia precisa de muito mais do que 36 aviões", disse Trappier.

"Há uma necessidade imediata de 36 caças. As negociações para fornecer 126 caças estão bastante lentas.

"Eles têm uma exigência operacional urgente que não permite o tempo necessário para configurar a licença, então eles pediram 36 caças rapidamente", disse o chefe da Dassault.

A Índia tem vindo negociar a compra de 126 Rafales no âmbito do programa Medium Multirole Combat Aircraft (MMRCA) depois de bater o Eurofighter Typhoon na seleção em 2012.

O futuro desse negócio é incerto após o anúncio inesperado do primeiro-ministro indiano Narendra Modi durante uma visita a Paris em 10 de abril, que a Índia queria 36 caças para entrega imediata fora da linha de produção da Dassault.

Modi citou que a "necessidade operacional é crítica" para comprar os Rafales na condição fly-away.

Trappier disse que espera que o determinado acordo seja assinado até o final do ano.

A observação do ministro da Defesa indiano sobre o alto preço era compreensível, disse um especialista em defesa francês.

Além do preço unitário fly-away, há o "preço real" que inclui o suporte e equipamentos, como um banco de ensaios, ferramentas de manutenção, manuais e simuladores de treinamento. O suporte técnico é executado por centenas de milhões de euros e um custo separado do fornecimento de peças de reposição e da aeronave.

As negociações para as 36 unidades podem ter revelado o custo potencial, após o anúncio da compra planejada de Modi.

Segundo o analista aeroespacial norte-americano Richard Aboulafia diz que as sugestões indianas sobre o Rafale ser muito caro.

"Quando a Índia fala sobre o preço alto, que não é crível porque o LCA (Aeronave de Combate Leve) e o Sukhoi Su-30MKI são enormes devoradores de dinheiro. A Índia tem várias centenas de Su-30MKI, e eles são mais baratos do que um Rafale, mas custam muito mais caros para operar e manter ", disse ele.

"O Rafale não é mais caro do que o Eurofighter e a única coisa que é menos onerosa é o Super Hornet ou o F-16", disse Aboulafia.

Trappier espera prosseguir as negociações para as vendas além dos 36 caças, com alguma produção local com subcontratados indianos escolhidos pela Dassault, informou a Reuters no mês passado.

Um dos grandes obstáculos para o negócio original de 126 aeronaves foram os termos para a participação da estatal Hindustan Aeronautics Ltd. (HAL).

Uma seleção de subcontratados indianos por parte da empresa francesa que opera como contratante principal seria desvendar o plano anterior na qual a HAL seria a contratante e principal empresa na configuração local.

Para a Dassault um único contratante principal é visto como um retorno ao acordo de compensação externa convencional em vez de um plano mais ambicioso para transferir tecnologia a um contratante local principal, disse um executivo da indústria.

Este último seria consistente com a campanha "Na Índia", destinado a aumentar a capacidade industrial doméstica.

A Dassault se recusou a comentar.

Um porta-voz do Ministério da Defesa francês se recusou a comentar as observações do ministro da Defesa indiano.

Funcionários do Ministério da Defesa indiano recusaram a dizer se o pedido de propostas para 126 aeronaves de 2007 esta morto e enterrado junto com a proposta de produção na Índia produzindo os Rafales com a HAL.

Aboulafia, porém, avalia ainda que a aquisição de caças Rafale além das 36 unidades que está sendo negociada é quase garantida.

"Trinta e seis é o ponto inicial para a Hindustan Aeronautics, que é a grande obstrução para o negócio e recebe o Rafale para a estrutura da força indiana", disse Aboulafia.

"Se para a Índia, 36 caças não é suficiente. O custo para operar 36 novos caças é enorme. As Compras suplementares são muito menos caras. Então, comprando 36 caças você garante as aquisições suplementares, mas a HAL fica fora do caminho ", disse ele.

"Então, o caminho à frente para este negócio é comprá-lo em blocos", disse ele.

"Você tem uma situação em que a concorrência se depara com caças russos ou nacionais que não estão funcionando. Se eles não receberem os Rafales, o que eles compram, mais Su-30 que mantêm a rotina de quebra e realmente custa muito? Que iria prejudicar sua Força Aérea, ou comprar a aeronave nacional, o que não tem evoluído, ou você comprar algo que vai funcionar bem ", disse Aboulafia.

Analistas indianos, no entanto, estão divididos quanto ao que o futuro parece com o Rafale no serviço da Força Aérea da Índia.

Mas Vivek Rae, o ex-diretor-geral do Ministério da Defesa indiano de aquisição, disse que é tarde demais para começar a olhar novamente para outras plataformas.

"O Rafale atende às especificações da IAF e foi selecionado após um processo de avaliação esgotante. Foi uma decisão bem ponderada pela IAF e o Ministério da Defesa. Não há qualquer possibilidade de reconsideração nesta fase. A IAF precisa comprar a mesma plataforma no futuro, para economizar custos de manutenção e operacional ", disse ele.

Seja qual for o resultado do debate sobre o Rafale, oficiais da Força Aérea estão procurando uma decisão rápida sobre como aumentar a frota de caças da IAF, que segundo um oficial da Força Aérea descrito como "criticamente baixa."

Srinivasapuram Krishnaswamy, Ex-Marechal do Ar aposentado e ex-chefe do serviço na IAF, disse, "A Força Aérea tem uma escassez significativa de aeronaves de combate. Os números são bem inferiores aos adequados e continuam a diminuir, com as aeronaves mais antigas sendo aposentadas. Considerando a baixa taxa de indução , IAF pode levar mais de uma década ou duas para chegar a sua força adequada ", diz ele

De acordo com um relatório do painel parlamentar da Índia lançado em dezembro, a força de caças da IAF é baixa para 25 esquadrões com uma força que necessita de 45 esquadrões.

Fora os 25 esquadrões, 14 estão equipados com aeronaves de fabricação russa MiG-21 e MiG-27, que começarão a se aposentar a partir deste ano até 2024.

Discussões recentes começaram a reavaliar se a Força Aérea precisa de mais aviões de combate multirole médio ou uma única aeronave monomotor para substituir os caças MiG-21 e MiG-27 da frota, disse uma fonte do Ministério da Defesa.

Bharat Karnad, professor de estudos de segurança nacional no Centro de Pesquisa Política, disse que uma possível solução poderia ser a de usar um número maior de aeronaves monomotoras  “Tejas” da HAL.


"O LCA ou Tejas-1 / Mk-II seria muito melhor para cumprir com as missóes de combate de curto alcance e de defesa aérea hoje desempenhadas pelo MiG-21, do que o excessivamente caro Rafale", disse ele.


GBN com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário