sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Turquia "dificulta" a construção de instalações alemãs na base aérea da Otan em Incirlik

Ankara está impedindo os esforços de Berlim para construir suas instalações na base aérea de Incirlik, que é a base avançada para os 240 aviadores alemães e os seis "Tornados" desdobrados na coalizão liderada pelos EUA contra o EI. É outro golpe para os laços tensos entre os dois países.

Os trabalhos de construção era previsto para ser concluído até o final de 2016, mas o projeto já foi colocado em espera devido à falta de vontade da Turquia de dar luz verde ao projeto, segundo informações publicadas no Die Welt, citando a resposta do governo alemão a um pedido escrito de informações arquivadas por Agnieszka Brugger, um deputado do Partido Verde.

As instalações em questão incluem um aeródromo, hangares e vias separadas para as seis aeronaves de reconhecimento Tornado alemãs estacionadas na base aérea da OTAN em Incirlik, bem como um centro de comando móvel e quartéis para o pessoal de apoio a aeronave.

Em setembro, a revista Spiegel revelou os planos do governo alemão para alocar 58 milhões de Euros para construir e renovar as instalações militares usadas pelo contingente da força aérea da Alemanha implantada na base da OTAN em Incirlik, na Turquia.

A resposta do governo alemão afirmou que um protocolo bilateral no desenvolvimento de infra-estrutura em Incirlik ainda não foi assinado por Ancara, e os "procedimentos internos para aprovar a assinatura do protocolo ainda estão no lado turco."

Também acrescentou que os trabalhos de construção deveriam começar no primeiro semestre de 2016, mas nada havia acontecido até agora.

Entretanto, as instalações de alojamento utilizadas pelos aviadores alemães estão em mau estado. Alguns dos quartéis foram atacados por mofo, enquanto outros não têm ar condicionado, de acordo com o Die Welt, que citou os relatos de deputados alemães que foram autorizados a visitar a base no início de outubro.

"É mais do que irritante que o governo turco ainda não tenha aprovado a construção, e que o governo permita que continue assim", disse Brugger, um representante do Partido Verde no comitê de defesa parlamentar.

O Ministério da Defesa alemão, no entanto, rejeitou as alegações, dizendo ao Die Welt em um comunicado: "não é assumido que o lado turco é, em princípio contrário a assinatura do protocolo e, consequentemente, à deslocalização das forças alemãs na' base ", conforme citado pelo Die Welt.

A base aérea de Incirlik, esta localizada em uma parte estrategicamente importante na costa do Mediterrâneo, tem sido comumente usada por forças aéreas turcas e da OTAN por décadas. Está agora a desempenhar um papel fundamental nos ataques aéreos da coalizão liderada pelo Ocidente contra o Estado Islâmico, sendo operada pelos EUA, Alemanha e outros aviões aliados.

O uso da instalação pelo exército alemão é também um dos obstáculos nas relações entre Ancara e Berlim, que se deterioraram significativamente nos últimos meses.

Depois que o parlamento alemão aprovou uma resolução referindo-se ao massacre de 1919 de armênios por forças otomanas como o genocídio, Ankara imediatamente respondeu com um número de medidas de linha dura, incluindo uma proibição a alemães que visitam Incirlik.

Ancara também ameaçou descarrilar os laços bilaterais, se Berlim não mudar de rumo. Notadamente, a Turquia permitiu o acesso a Incirlik na sequência da recente declaração do governo alemão sobre a resolução do genocídio arménio, que declarou não ser vinculativa.

No entanto, a fenda entre Ancara e Berlim parece estar se ampliando ainda mais, à medida que ambos os lados trocam farpas. Recentemente, o presidente turco, Recep Tayip Erdogan acusou a Alemanha de "abrigar o terrorismo", que significa oposição a figuras políticas curdas.

Por sua vez, o ministro do Exterior da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier expressou sua consternação, dizendo que ele "não pode compreender os comentários feitos por Erdogan sobre a situação de segurança na Alemanha", de acordo com a Deutsche Welle.

GBN seu canal de informação e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário